Portal O Debate
Grupo WhatsApp

As Ondas do BIM

As Ondas do BIM

22/08/2013 Marcus Granadeiro

As empresas estão focadas em migrar do CAD (do inglês, Computer Aided Design) para o BIM (Building Information Modeling).

Clientes finais começam a exigir projetos desenvolvidos com a nova tecnologia, o que faz com que as empresas de engenharia se capacitem para atender a esta demanda. Com isso, os primeiros modelos de informação das edificações estão ficando prontos.

Este é um processo inevitável, independente de qual fornecedor ganhará a disputa pelo fornecimento da tecnologia de modelagem, de qual velocidade vai acontecer e da qualidade que estes modelos irão ter. Mas, o que fazer com estes modelos? Qual é a melhor forma de se aproveitar os benefícios desta tecnologia? Este é o tema que deve estar na mente dos estrategistas das empresas, pois a decisão de ir para a tecnologia BIM já é passado, assim como o caminho a ser trilhado para isto.

A primeira “onda” de benefícios acontece e é notada em conjunto com a própria adoção da ferramenta, ela está relacionada à fase de projeto. A introdução da ferramenta obriga os projetos a elevarem seu nível de integração, melhorarem sua qualidade quanto à resolução de conflitos, uma vez que o 2D é mais tolerante a improvisos do que o 3D paramétrico. O papel aceita tudo, mas o modelo BIM não. Esta primeira “onda” de benefícios muitas vezes é confundida e vista como maléfica, pois dá a impressão que o projeto fica mais lento, mais difícil.

Porém, há um conflito ao perceber que não se trata só de tecnologia, mas que é necessário pensar também em Engenharia. Sobre este primeiro momento muito já foi escrito e debatido. As próximas “ondas” acontecerão de forma natural com os projetos em BIM sendo construídos e habitados. Na fase de obra, o modelo será usado para facilitar a compreensão da construção, para automatizar compras e para sofisticar o planejamento através das tecnologias de 4D e 5D.

O 4D é quando associamos o tempo com o modelo 3D, sendo o tempo a quarta dimensão. O 5D é quando associamos o custo às outras quatro dimensões. Há um espaço muito grande para a integração do BIM com colaboração quando pensamos em reportar não conformidades e fazer vistorias e inspeções, principalmente com o uso de dispositivos móveis. Na fase de pós-chaves o modelo será usado para sofisticar o manual do usuário dentro de uma tendência de gameficação, ou seja, permitir que o usuário navegue pelo seu imóvel, assim como seu filho atualmente navega pelas cidades em joguinhos, facilitando o entendimento das instalações embutidas.

Há uma preocupação das construtoras em relação à correta manutenção do edifício, pois isto pode influenciar diretamente no desempenho da edificação, que, por norma, deve ser garantido pelas construtoras. O BIM também pode ser uma excelente aplicação neste quesito. A última e mais forte “onda” do BIM acontecerá no momento em que o volume de modelos se tornar grande demais e que os conectarmos à tecnologia GIS (Geographic Information System) e à “Internet das coisas”.

Os modelos BIM são intrinsecamente paramétricos, ou seja, contêm muitas informações associadas, isto os torna candidatos perfeitos para serem elementos de uma topologia GIS. O tipo de uso, a quantidade de vagas de garagem, a potência instalada a quantidade de vasos sanitários, todos são elementos que podem ajudar em projetos de GIS ou mesmo em projetos de infraestrutura.

Os equipamentos mais modernos podem gerar dados, armazená-los ou transmiti-los remotamente, é o conceito de “Internet das coisas” ou “Big data”. Estes equipamentos posicionados e integrados em modelos BIM associados a um modelo GIS será a grande revolução da próxima década, a última grande “onda” do BIM.

*Marcus Granadeiro é presidente da Construtivo.com, empresa de fornecimento de solução para gestão e processos de ponta a ponta para o mercado de engenharia, com oferta 100% na nuvem e na modalidade de serviço (SaaS).



Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira


Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$ 34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes, como, por exemplo, reembolso sem desembolso, além de desperdícios com procedimentos desnecessários no país.

Autor: Claudia Machado


Os avanços tecnológicos e as perspectivas para profissionais da área tributária

Não é de hoje que a transformação digital vem impactando diversas profissões.

Autor: Fernando Silvestre


Inteligência Artificial Generativa e o investimento em pesquisa no Brasil

Nos últimos meses, temos testemunhado avanços significativos na área da inteligência artificial (IA), especialmente com o surgimento da inteligência artificial generativa.

Autor: Celso Hartmann