Portal O Debate
Grupo WhatsApp

As redes sociais e a geração “floco de neve”

As redes sociais e a geração “floco de neve”

20/05/2019 Leonardo Torres

Quantas vezes você escuta ou fala “eu não aguento mais”; “isso não é para mim”; “eu não me sinto confortável fazendo isso ou aquilo”.

Estamos em uma linha tênue: de um lado, pessoas que não enxergam o sentido de suas vidas porque realmente elas vivem vidas que não dão sentido a elas; do outro, pessoas que não tentam, não vão atrás de seus sonhos e se colocam em posição de vítima, pois a zona de conforto é melhor do que ter que sair mundo afora para buscar seu sentido de vida. E a verdade é que buscar o sentido é lidar constantemente com frustrações.

E parece que perdemos a capacidade de lidar com frustrações. Venho me perguntando sobre as novas gerações que os especialistas chamam de “floco de neve”, “nem nem”, etc.

A questão é que, se não estamos sabendo lidar mais com as frustrações, estamos condenados à extinção. Em qualquer aspecto da vida, seja físico, social, psicológico, cultural, o cosmos (ordem) só se faz a partir do caos (desordem), e isso é um ciclo que retroage infinitamente um sobre o outro.

Precisamos nos frustrar para nos reorganizar, para seguir em frente em nosso caminho de vida. Onde não há desordem de vez em quando, há entropia (falta de trocas), e entropia é sinônimo de morte. Podemos chamar isso de autopoiesis ou resiliência, a capacidade de se reorganizar depois do caos. Essa é a ignição e a chave da vida.

Porém, essas gerações novas se formaram pautadas mais por algoritmos que entregam conteúdos que os fazem se reafirmar enquanto ser e estar no mundo.

Por vezes, não somente as redes sociais, mas as drogas lícitas e ilícitas são uma um bálsamo, um anestésico, para fugirmos dos problemas. Isso tudo é um perigo, pois gera “mesmidade”, ou seja, baseados em um narcisismo profundo, estamos cada vez menos trocando conhecimento, sabedorias, realidades, etc…

“Mesmidade” é conviver com o mesmo. Viver e estar no mesmo é confortável e nada frustrante. Estamos cada vez mais mimados pela dinâmica comunicacional das redes sociais e da mídia como um todo. O ser humano não percebeu, mas nada sobrevive a “mesmidade”.

Em uma floresta, a diversidade é exemplo. Na monocultura, nem as abelhas sobrevivem, devido às toxinas, a falta de diversidade de pólen, etc... Na sociedade alemã, a “mesmidade”, no sentido de um pensamento unilateral, portanto, totalitário, levou o Nazismo ser democraticamente eleito. Devemos lembrar ainda que não houve racionalidade alguma que tornou os nazistas conscientes. A racionalidade é fundada nas emoções.

Devemos rumar para a alteridade: a capacidade de reconhecer e conviver com o diferente, com a diversidade. Ela nos promoverá algumas frustrações, pois o embate com o outro sempre nos comove (move ambos) e assim fará com que nós aprofundemos o conhecimento, as sabedorias e as experiências de vida. Diversidade e alteridade é a chave.

* Leonardo Torres é palestrante, professor, doutorando em Comunicação e Cultura Midiática e pós-graduando em Psicologia Junguiana.

Fonte: R&F Comunicação Corporativa



Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.


2021 – A ironia de mais um ano que ficará marcado na história

Existe um elemento no ano de 2021 que imputou e promoveu uma verdadeira aposta de cancelamentos e desejos para que ele seja mais um ano apagado da memória de milhares de pessoas: A pandemia, que promoveu o desaparecimento definitivo de milhares de pessoas.


Negócios do futuro: por que investir em empreendedorismo no setor financeiro

Você sabia que 60% dos jovens de até 30 anos sonham em empreender?


A importância de formar talentos

Um dos maiores desafios das empresas tem sido encontrar talentos com habilidades desenvolvidas e preparados para contribuir com a estratégia da empresa.


Sustentabilidade em ‘data center’: setor se molda para atender a novas necessidades

Mesmo que a sustentabilidade ainda seja um tema relativamente novo no segmento de data center, ele tem se tornado cada vez mais necessário para as empresas que querem agregar valor ao seu negócio.


Tendência de restruturações financeiras e recuperações judiciais para o próximo ano

A expectativa para o próximo ano é de aumento grande no número de recuperações judiciais e restruturações financeiras, comparativamente, aos anos de 2021 e 2020.