Portal O Debate
Grupo WhatsApp

As redes sociais e a geração “floco de neve”

As redes sociais e a geração “floco de neve”

20/05/2019 Leonardo Torres

Quantas vezes você escuta ou fala “eu não aguento mais”; “isso não é para mim”; “eu não me sinto confortável fazendo isso ou aquilo”.

Estamos em uma linha tênue: de um lado, pessoas que não enxergam o sentido de suas vidas porque realmente elas vivem vidas que não dão sentido a elas; do outro, pessoas que não tentam, não vão atrás de seus sonhos e se colocam em posição de vítima, pois a zona de conforto é melhor do que ter que sair mundo afora para buscar seu sentido de vida. E a verdade é que buscar o sentido é lidar constantemente com frustrações.

E parece que perdemos a capacidade de lidar com frustrações. Venho me perguntando sobre as novas gerações que os especialistas chamam de “floco de neve”, “nem nem”, etc.

A questão é que, se não estamos sabendo lidar mais com as frustrações, estamos condenados à extinção. Em qualquer aspecto da vida, seja físico, social, psicológico, cultural, o cosmos (ordem) só se faz a partir do caos (desordem), e isso é um ciclo que retroage infinitamente um sobre o outro.

Precisamos nos frustrar para nos reorganizar, para seguir em frente em nosso caminho de vida. Onde não há desordem de vez em quando, há entropia (falta de trocas), e entropia é sinônimo de morte. Podemos chamar isso de autopoiesis ou resiliência, a capacidade de se reorganizar depois do caos. Essa é a ignição e a chave da vida.

Porém, essas gerações novas se formaram pautadas mais por algoritmos que entregam conteúdos que os fazem se reafirmar enquanto ser e estar no mundo.

Por vezes, não somente as redes sociais, mas as drogas lícitas e ilícitas são uma um bálsamo, um anestésico, para fugirmos dos problemas. Isso tudo é um perigo, pois gera “mesmidade”, ou seja, baseados em um narcisismo profundo, estamos cada vez menos trocando conhecimento, sabedorias, realidades, etc…

“Mesmidade” é conviver com o mesmo. Viver e estar no mesmo é confortável e nada frustrante. Estamos cada vez mais mimados pela dinâmica comunicacional das redes sociais e da mídia como um todo. O ser humano não percebeu, mas nada sobrevive a “mesmidade”.

Em uma floresta, a diversidade é exemplo. Na monocultura, nem as abelhas sobrevivem, devido às toxinas, a falta de diversidade de pólen, etc... Na sociedade alemã, a “mesmidade”, no sentido de um pensamento unilateral, portanto, totalitário, levou o Nazismo ser democraticamente eleito. Devemos lembrar ainda que não houve racionalidade alguma que tornou os nazistas conscientes. A racionalidade é fundada nas emoções.

Devemos rumar para a alteridade: a capacidade de reconhecer e conviver com o diferente, com a diversidade. Ela nos promoverá algumas frustrações, pois o embate com o outro sempre nos comove (move ambos) e assim fará com que nós aprofundemos o conhecimento, as sabedorias e as experiências de vida. Diversidade e alteridade é a chave.

* Leonardo Torres é palestrante, professor, doutorando em Comunicação e Cultura Midiática e pós-graduando em Psicologia Junguiana.

Fonte: R&F Comunicação Corporativa



Insetos na dieta

Aproximadamente dois bilhões de pessoas em 130 países já comem insetos regularmente.


Habilidades socioemocionais podem ser aprendidas

Desde o início da infância, as pessoas aprendem um conjunto de comportamentos que são utilizados nas diferentes interações sociais.


Entenda porque amor é diferente de paixão

Você sabe diferenciar o amor da paixão?


A finalidade e controle das ONGs

O mais adequado não é combatê-las, mas manter sob controle as suas ações como forma de evitar desvio de finalidade, corrupção e outras distorções.


A reforma da máquina pública

A aprovação da reforma da Previdência, pela Câmara dos Deputados, é um avanço do governo.


Os desafios da maternidade e do mercado de trabalho

Ter filhos não é fator de impedimento para uma mulher trabalhar.


Todos querem ser ricos…

Mais vale pobreza, com paz e consciência limpa, que riqueza, sem sossego, alma escurecida, e pesados de remorsos.


A importância de empoderar nossas meninas

Fatores culturais de valorização do masculino, enraizados desde sempre na nossa sociedade, afetam a autoestima e a confiança feminina.


Advogados e Cursos jurídicos

Onze de Agosto é o Dia da Fundação dos Cursos de Direito e é também o Dia do Advogado.


Empresas e paternidade: uma mudança a ser nutrida

Daqui a cinco ou dez anos, nem você nem ninguém se lembrará com precisão da tarefa que está fazendo no trabalho neste minuto.


Ética de advogados e juízes

A advocacia e a magistratura têm códigos de ética diferentes.


Quem se beneficia da coisa pública é corrupto

Coisa pública não pode ser confundida com coisa privada.