Portal O Debate
Grupo WhatsApp

As redes sociais estão realmente matando os blogs?

As redes sociais estão realmente matando os blogs?

11/03/2011 Cláudia Valls

Um artigo do New York Times vaticinou que os blogs estão perdendo espaço para as redes sociais.

Trata-se de uma meia verdade: de 2006 a 2009, a atividade de blogar caiu pela metade entre os adolescentes de 12 a 17 anos; atualmente, apenas 14% destes adolescentes têm um blog. Entre os jovens de 18 a 33 anos, 2% deixaram de manter um blog em relação aos anos anteriores. 

Entretanto, apesar do que nos dizem os resultados da pesquisa da Pew Report, houve um aumento de 25% de adultos blogando em relação ao período estudado. Esta previsão – a morte dos blogs - ronda a web desde o surgimento do Facebook e do Twitter. Da mesma forma que pensaram que a televisão "mataria" o cinema e a internet aniquilaria todas as outras mídias, não acredito nesta verdade apocalíptica.    Vejamos alguns dados que embasam minha opinião:    - São nos blogs que as melhores discussões acontecem; - Os blogueiros usam outras ferramentas de redes sociais para atrair mais leitores para seus blogs; - Os blogs são as únicas mídias que ajudam os usuários a serem encontrados, juntamente com seus textos, vários dias depois de publicados; - A utilização de blogs está crescendo entre adultos maiores de 34 anos - os internautas de 34 a 45 anos fizeram com que os blogs tivessem um crescimento de 6% em relação a 2008 e 2009. Entre os de 46 a 55 anos, o crescimento foi de 5%, enquanto que entre os "coroas" de mais de 65 anos houve um crescimento de 2%.   Por falar em números, li na coluna da Andréa Dunningham – Mercado Digital – que a ComScore, empresa de pesquisas do universo da web, divulgou um estudo no início de fevereiro que revela um crescimento de internautas no Brasil justamente entre os mais velhos (entre 45 e 54 anos) e que a audiência dos blogs, em particular, é 21 pontos maior do que o restante do mundo (71% contra 50% da média dos outros países).   Segundo Elisa Camahort Page, co-fundadora do site BlogHer, "Se você está buscando uma conversa com conteúdo, você procura um blog. Ninguém achará o mesmo no Facebook ou nos 140 caracteres do Twitter ".   Aparentemente, Toni Schneider, da empresa Automattic, concorda com a afirmação de que os blogueiros utilizam as ferramentas das mídias sociais para promoverem seus próprios blogs. Ele disse que esses "escritores" virtuais usam com frequência tanto o Facebook quanto o Twitter para badalarem seus sites e aumentarem sua audiência. Não se trata de competição entre mídias, como se pode pensar, mas de um complemento das mesmas. "Há muita fragmentação", afirma Schneider, "mas, neste ponto, qualquer um que leve seu blog a sério está usando vários tipos de mídia para aumentar seu tráfego".   Em seu artigo no NYT, o articulista Verne Kopytoff não cita que os blogs são ótimas ferramentas de marketing. Se você procurar alguma validação sobre este tópico, poderá perceber que o blog proporciona uma exposição que, nem o Facebook, nem o Twitter, oferecem. Eis os motivos:    - blogs ajudam as pessoas (clientes, fãs, consumidores) que não o conhecem a descobri-lo. - blogs reforçam sua marca para os indivíduos que talvez já tenham ouvido falar de você, mas ainda não tenham feito contato. - blogs auxiliam a manter sua audiência atualizada para que possam compartilhar informações com outros leitores que, potencialmente, tenham interesse em você ou em sua marca.   Poderíamos dizer que o correto seria dizer que os blogs estão em declínio entre os jovens - e somente entre os jovens - pois sua queda mais significante se deu entre adolescentes. O que interessa para essa garotada é manter-se em contato com os amigos e familiares - coisa que o Facebook faz com extrema competência. Apesar do título pessimista da matéria do NYT, trata-se muito mais de uma mensuração de dados de uma pesquisa do que o anúncio da morte dos blogs. Mas, para alguém (como eu), com mais de 34 anos, devo dizer que nada me faz sentir tão obsoleta do que perceber que os hábitos e comportamentos de várias gerações - Geração X, jovens Boomers e Boomers mais velhos - não contam, em relação ao que fazem os teens.    O fundador e desenvolvedor do Wordpress, Matt Mullenweg, considerou alguns pontos da reportagem: "O título provavelmente foi escrito por um editor, e não pelo autor, porque logo que o artigo trata dos dois adolescentes que preferem o Facebook aos blogs, as estatísticas mostram o crescimento de todos os principais serviços de blog – mesmo o Blogger, cujos número de visitantes globais únicos cresceu 9% ( 323 milhões de pessoas), "o que significa que cresceu cerca de seis Foursquares só no ano passado (no mesmo período, WordPress.com cresceu cerca de 80 milhões de visitantes únicos de acordo com o QuantCast)."    Na realidade, o Wordpress teve mais de seis milhões de blogs criados somente em 2010 e suas pageviews cresceram em 53%.Uma boa metáfora é fazer a seguinte comparação: blogs são o jantar, enquanto o Facebook e Twitter são a sobremesa. Todo mundo adora sobremesa, porque é doce e sexy. Isto é particularmente verdade quando se trata de crianças, que irão apressar o jantar ou não comê-lo em absoluto, porque estão muitos animados com a guloseima.    De certa forma, seu comportamento sobre a sobremesa explica o seu (não) interesse em blogs. Eles preferem o Twitter ou o Facebook.Como é estabelecido cada vez que este debate surge, blogs e sites de mídias sociais como o Facebook e o Twitter se complementam. Fim da história. Sem blogs, as pessoas teriam menos conteúdo interessante para compartilhar no Facebook e no Twitter. Sem o Facebook e o Twitter, os blogueiros teriam mais dificuldade em conseguir os leitores.   * Cláudia Valls é analista de mídias sociais e colaboradora do iDigo – Núcleo de Inteligência Digital, que promove cursos e realiza consultorias sobre o uso corporativo da web.   Fonte: Literato Comunicação e Conteúdo



Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.