Portal O Debate
Grupo WhatsApp

As seleções de Doutorado deveriam ser como vestibulares

As seleções de Doutorado deveriam ser como vestibulares

28/02/2018 Prof. Ms. Wellington Anselmo Martins

Ganharíamos todos com tal justiça!

Assim, os alunos poderiam gastar mais tempo focados nos estudos de verdade (que é o que academicamente importa) e não em puxar saco de possíveis professores orientadores. Assim, existiriam provas com questões objetivas para avaliar a real formação dos alunos. Em vez dos testes dissertativos, que recebem notas facilmente manipuladas pela arbitrariedade de professores anônimos.

Assim, acabaria o privilégio dos alunos que são amigos ou parentes apadrinhados por professores dados à corrupção e nepotismo. Assim, enfraqueceria o autoritarismo de bancas de arguição que fingem ler projetos e ouvir defesas dos alunos quando, na realidade, tantas vezes já sabem antes da defesa qual é o aluno que receberá a vaga.

Assim, as vagas de mestrado/doutorado seriam realmente abertas. Pois não dependeriam mais de simpatia ou perseguição de orientador ou de coordenador de programa. Seriam conquistadas prioritariamente em razão do próprio potencial dos alunos.

Assim, cairia a xenofobia acadêmica, pois não haveria preconceito durante a seleção contra os alunos vindos de universidades privadas, EaD, ou de públicas de outras partes do país. Apenas as provas objetivas, enfim, definiriam o novo mestre ou novo doutor. E não mais a procedência da marca do currículo dele, se é título de grife ou não.

Assim, não haveria mais o absurdo de sobrar vagas livres após os processos seletivos da pós-graduação brasileira, com tantos brasileiros capazes e interessados de seguir na carreira acadêmica. Diminuiria tal desperdício de inteligência.

Assim, a análise do currículo Lattes só faria sentido nesse processo seletivo mais objetivo, se os critérios de pontuação fossem claramente anunciados nos editais. E de modo algum os primeiros colocados em provas objetivas e em pontuação de análises curriculares poderiam, no final de todo o trajeto de avaliação, ter o seu mérito simplesmente anulado por alguma decisão meramente pessoal e injustificada de um professor orientador ou coordenador de programa.

Assim, por visar a objetividade do processo, igualmente os testes de idiomas só fariam sentido se colocados sob critério mais específicos de pontuação. Não mais submetidos então à subjetividade de notas dadas livremente, sobre dissertações feitas, de novo por avaliadores anônimos que variam suas notas até em decimais, mas não se sentem obrigados a justificar suas decisões.

Assim, acabaria o sofrimento desnecessário dos funcionários públicos, aqui os professores orientadores, que com essa seleção mais objetiva então não precisariam mais passar pela dor de escolher, arbitrariamente, o aluno A, B, C, D... ou Z, sendo que todos parecem tão merecedores, tão simpáticos e tão talentosos. Ora, a decisão seria demonstrada pelo próprio processo de seleção. E não mais pela possível sábia intuição de professores.

Assim, enfim, a própria capacidade objetiva do aluno, a transparência do processo, o interesse público do não desperdício acadêmico e social de talentos, seriam impostos sobre todo esse personalismo, arbitrariedades, corrupção e demais interesses escusos de professores, orientadores ou alguns programas atuais.

Ganharíamos todos com tal justiça! Só perderiam, mesmo, os funcionários públicos que, até hoje, tiveram possibilidade institucional de se julgarem donos das universidades e da ciência brasileiras.

* Prof. Ms. Wellington Anselmo Martins é graduado em Filosofia (USC) e mestre em Comunicação (Unesp).



O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder


O gato que caiu dentro das latas de tinta

Todas as histórias começam com Era uma Vez… A minha não vai ser diferente.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre