Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Até quando os SACs deixarão de respeitar o tempo do cliente?

Até quando os SACs deixarão de respeitar o tempo do cliente?

28/08/2013 Enio Klein

Se já não houvesse motivos de sobra para falar mal da maioria dos serviços ao cliente, outro dia me dei conta de quão demorado ele é.

Alguém já se deu ao trabalho de contar quantas vezes o agente pede que a gente aguarde um momento? E depois, quantas vezes ele fala “obrigado por aguardar”? A cada intervenção que o agente faz, existe um hiato de tempo durante o qual ele ou ela deve pesquisar alguma coisa.

“Desculpe a demora, nosso sistema está lento hoje”. Não é hoje, é sempre. Qualquer atendimento, por mais simples que ele seja, requer informação. A informação está em sistemas informatizados que, raramente, são desenhados pensando na qualidade do atendimento. Muitas vezes, a pesquisa está nos próprios sistemas transacionais das organizações, como uma página na intranet ou mesmo do site da empresa. Ou seja, foram construídos para qualquer outra coisa, menos tornar o atendimento mais eficiente.

Um dos indicadores mais frequentes utilizados em centrais de atendimento é o TMA - tempo médio de atendimento - medido entre a hora em que o contato se inicia até quando este termina. Se por um lado representa custo, por outro, pode significar a oportunidade de resolver a questão do cliente e deixá-lo satisfeito. O fato é que, normalmente, nem o cliente fica satisfeito, nem o custo é aceitável. A conversa é “engasgada” por conta de processos de atendimento mal construídos, apoiados por sistemas que não foram feitos para apoiá-los.

O resultado disto é um tempo de atendimento geralmente muito alto, ineficiente e ineficaz. Outro dia, ligando para o serviço de atendimento da minha operadora de TV a cabo, levei meia hora para chegar ao fim da conversa, o que quer dizer um TMA de 30 minutos. Acho quem nem a metade foi usada com alguma troca de informações úteis. Foram onze pedidos de “um momento, por favor”, contando com o tempo que levou para confirmar minhas informações.

A cada solicitação, um agradecimento. E tudo isto em uma ligação que eu, cliente, estava pagando. Conversando com um gerente de atendimento em outra ocasião, este me disse que era difícil agregar a informação adequada tão rapidamente, ainda mais recebendo chamados de todo tipo. Isto é uma meia verdade. Uma central de atendimento pode, sim, padronizar seu atendimento em torno do conjunto de serviços que pretende prestar, o chamado catálogo de serviços.

A partir daí, é possível criar um pacote de informações necessárias a cada tipo de atendimento ou serviço. Assim, ao invés de navegar em um monte de telas, abas e links, os agentes poderão ter à sua disposição as informações exatas e necessárias para aquele atendimento. É claro que não é possível fazer isto em todos os casos. Mas, se for feito para a maioria deles, já será um grande avanço. A falta de respeito com o tempo do cliente tem se mostrado mais uma grave doença dos nossos serviços de atendimento e já passou da hora de seus gestores resolverem isto.

*Enio Klein, sócio da K&G Sistemas, Informação e Treinamento, e professor nas disciplinas de Vendas e Marketing da Business School São Paulo.



Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso