Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Atentados contra a Imprensa e a Justiça são intoleráveis

Atentados contra a Imprensa e a Justiça são intoleráveis

06/12/2011 Antônio Cesar Siqueira

O assassinato do cinegrafista Gelson Domingos, da TV Bandeirantes, por traficantes, em 6 de novembro, tem uma triste congruência com o da juíza Patrícia Aciolli, ocorrido em 11 de agosto último.

Embora não tenha sido um crime premeditado, como o que tirou a vida da magistrada, vitimou uma pessoa que estava cumprindo seu dever profissional. Os episódios, além de evidenciarem a violência persistente no País, atingem frontalmente dois dos mais importantes pilares da democracia: a Justiça e a imprensa.

Ambas não podem ser reprimidas pelo crime organizado, pois a primeira garante a prevalência do equilíbrio entre direitos e deveres que deve reger a interação social dos povos civilizados e é fiadora das prerrogativas inerentes ao Estado de Direito; a segunda possibilita à sociedade, por meio do conhecimento e da informação, participação proativa na gestão do País, cobrando, denunciando, opinando e conhecendo melhor a realidade.

Portanto, repetindo o que disse quando Patrícia Aciolli foi assassinada por milicianos, reafirmo que os tiros que lhe tiraram a vida, assim como os que mataram o cinegrafista, feriram também a dignidade de todo o povo brasileiro e atingiram as instituições. Por isso, exemplarmente, os crimes não podem ficar impunes.

É necessário que, a exemplo do que vem ocorrendo no tocante à apuração, prisão e, em breve, o julgamento dos acusados de matar a magistrada, os assassinos do cinegrafista sejam devidamente identificados, detidos e condenados. Os brasileiros não podem ser reféns do crime organizado, do jaguncismo, dos assassinatos encomendados e da criminalidade. A reconquista da democracia nos anos 80 foi feita de modo pacífico, cívico e por meio de exemplar mobilização política.

Não se pode tolerar, portanto, que a violência atente contra esses princípios e reprima direitos como o de trabalhar, pensar, escrever, divulgar informações, ir e vir. Nossa democracia avançou bastante e parece institucionalmente consolidada, considerando que o País tem resolvido todas as suas questões mais graves sob a égide da lei, desde o impeachment de um presidente da república aos mais escabrosos casos de corrupção.

Contudo, é necessária incansável mobilização no combate ao crime, desde a improbidade no serviço público, até a ameaça à segurança e à vida das pessoas no cotidiano. A violência, que não pode ser um estigma nacional, torna-se ainda mais grave quando se coloca como repressora da liberdade ao trabalho, como ocorreu nos assassinatos de Patrícia Aciolli e Gelson Domingos.

Contudo, as circunstâncias de suas mortes ligadas ao exercício profissional que tanto amavam, não é a única coincidência que permeia os dois casos. Onze de agosto, quando a juíza foi morta, é o dia de fundação das duas primeiras faculdades de Direito do Brasil, em São Paulo e Olinda (1903); em 6 de novembro, quando sucumbiu o jornalista, a ONU condenou a República da África do Sul pela sua política de apartheid (1962). São dois marcos da Justiça, da igualdade de direitos e dos valores da democracia. Que se tornem, também, datas exemplares do combate ao crime organizado em nosso país e do definitivo repúdio dos brasileiros à violência como algoz de suas avançadas conquistas políticas.

* Antonio Cesar Siqueira é o presidente da Associação dos Magistrados do Rio de Janeiro (Amaerj).



O desafio da exigência de êxito

O famoso “Poema em Linha Reta” nos diz que todos os conhecidos do poeta eram verdadeiros campeões em tudo, sem derrotas ou fracassos.


Mudança nas relações humanas faz parte de realidade pós-pandemia nas empresas

“Nada é permanente, exceto a mudança”. “Só sei que nada sei”. “A única constância é a inconstância”.


Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.