Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Atentados contra a Imprensa e a Justiça são intoleráveis

Atentados contra a Imprensa e a Justiça são intoleráveis

06/12/2011 Antônio Cesar Siqueira

O assassinato do cinegrafista Gelson Domingos, da TV Bandeirantes, por traficantes, em 6 de novembro, tem uma triste congruência com o da juíza Patrícia Aciolli, ocorrido em 11 de agosto último.

Embora não tenha sido um crime premeditado, como o que tirou a vida da magistrada, vitimou uma pessoa que estava cumprindo seu dever profissional. Os episódios, além de evidenciarem a violência persistente no País, atingem frontalmente dois dos mais importantes pilares da democracia: a Justiça e a imprensa.

Ambas não podem ser reprimidas pelo crime organizado, pois a primeira garante a prevalência do equilíbrio entre direitos e deveres que deve reger a interação social dos povos civilizados e é fiadora das prerrogativas inerentes ao Estado de Direito; a segunda possibilita à sociedade, por meio do conhecimento e da informação, participação proativa na gestão do País, cobrando, denunciando, opinando e conhecendo melhor a realidade.

Portanto, repetindo o que disse quando Patrícia Aciolli foi assassinada por milicianos, reafirmo que os tiros que lhe tiraram a vida, assim como os que mataram o cinegrafista, feriram também a dignidade de todo o povo brasileiro e atingiram as instituições. Por isso, exemplarmente, os crimes não podem ficar impunes.

É necessário que, a exemplo do que vem ocorrendo no tocante à apuração, prisão e, em breve, o julgamento dos acusados de matar a magistrada, os assassinos do cinegrafista sejam devidamente identificados, detidos e condenados. Os brasileiros não podem ser reféns do crime organizado, do jaguncismo, dos assassinatos encomendados e da criminalidade. A reconquista da democracia nos anos 80 foi feita de modo pacífico, cívico e por meio de exemplar mobilização política.

Não se pode tolerar, portanto, que a violência atente contra esses princípios e reprima direitos como o de trabalhar, pensar, escrever, divulgar informações, ir e vir. Nossa democracia avançou bastante e parece institucionalmente consolidada, considerando que o País tem resolvido todas as suas questões mais graves sob a égide da lei, desde o impeachment de um presidente da república aos mais escabrosos casos de corrupção.

Contudo, é necessária incansável mobilização no combate ao crime, desde a improbidade no serviço público, até a ameaça à segurança e à vida das pessoas no cotidiano. A violência, que não pode ser um estigma nacional, torna-se ainda mais grave quando se coloca como repressora da liberdade ao trabalho, como ocorreu nos assassinatos de Patrícia Aciolli e Gelson Domingos.

Contudo, as circunstâncias de suas mortes ligadas ao exercício profissional que tanto amavam, não é a única coincidência que permeia os dois casos. Onze de agosto, quando a juíza foi morta, é o dia de fundação das duas primeiras faculdades de Direito do Brasil, em São Paulo e Olinda (1903); em 6 de novembro, quando sucumbiu o jornalista, a ONU condenou a República da África do Sul pela sua política de apartheid (1962). São dois marcos da Justiça, da igualdade de direitos e dos valores da democracia. Que se tornem, também, datas exemplares do combate ao crime organizado em nosso país e do definitivo repúdio dos brasileiros à violência como algoz de suas avançadas conquistas políticas.

* Antonio Cesar Siqueira é o presidente da Associação dos Magistrados do Rio de Janeiro (Amaerj).



Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso