Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Atividades complementares podem mudar a vida dos filhos

Atividades complementares podem mudar a vida dos filhos

24/03/2018 Acedriana Vicente Vogel

O verdadeiro papel dessas atividades na formação das crianças e jovens.

As oportunidades que a vida moderna oferece hoje para as famílias fazem com que a grande maioria dos pais comece a criar, cada vez mais cedo, agendas intensas com atividades e compromissos para seus filhos. Percebemos, muitas vezes, certa ansiedade dos pais que querem preencher, o quanto antes, todo o tempo livre dos filhos.

A intenção é sempre a melhor possível. Num mundo conectado e altamente competitivo, há pais com receio de que seus filhos fiquem em desvantagem em relação a outras crianças se não tiverem acesso aos conservatórios de música, aulas de gastronomia e robótica ou outras atividades intelectuais, artísticas e esportivas.

O resultado disso pode ser desastroso: crianças com uma agenda sobrecarregada, capaz de gerar um stress emocional que mais paralisa do que ativa sua capacidade de se apropriar do mundo que a cerca. Não é o caso aqui de condenar as atividades complementares, longe disso.

O que precisamos colocar em discussão é o verdadeiro papel dessas atividades na formação das crianças e jovens. Se bem dosadas, essas atividades podem, inclusive, mudar o futuro de um indivíduo, ajudando-o a descobrir talentos que nem sempre a escola consegue dar a devida atenção, em virtude do tempo que dispõe.

Vale lembrar aqui que boa parte dos países do mundo investe na educação básica de período integral. Isso também reforça o fato de que fazer aulas para além do currículo escolar regular, dentro ou fora da escola, é uma forma de aprimorar as diferentes competências das crianças, facilitando o trabalho de autoconhecimento e de escolha da carreira, no futuro.

Para que essas aulas extras não demandem apenas dinheiro e tempo de pais e filhos, e tragam benefícios concretos, é preciso tomar alguns cuidados na hora de definir o curso ou atividade, levando em conta o perfil da criança. Não basta apenas escolher para o seu filho o esporte da moda ou aquela atividade que o melhor amigo dele está fazendo ou, pior, aquela cujos horários sejam mais convenientes para nós, adultos.

É comum vermos pais em busca de completar a agenda dos filhos com a intenção apenas de preencher os dias da criança a fim de ocupá-las. E desculpa mais ouvida é a de “aproveitar” bem o tempo. E aí, acabam definindo de forma aleatória o que a criança ou o adolescente vai fazer. Ao escolher o que eles vão praticar enquanto não estiverem na escola, a prioridade dos pais deve ser responder à seguinte pergunta: quais os verdadeiros interesses do meu filho?

A principal parte interessada nessa história é a criança - e, por isso, ela deve ser considerada e co-responsabilizada nessa escolha. É preciso prestar atenção na criança, incluindo seus interesses e necessidades na definição da sua agenda semanal. Somente assim ela poderá ser cobrada pelas suas responsabilidades e entregas.

Observamos com frequência que, quando permitimos que elas participem das escolhas, há um envolvimento maior e um melhor aproveitamento. O que acaba criando oportunidades reais de desenvolvimento de habilidades que poderão fazer a diferença no futuro pessoal e profissional desse estudante.

Por fim, para definir uma agenda de atividades extracurriculares é preciso ter em mente que a diferença entre o remédio e o veneno é somente a dosagem! Se, nem mesmo nós, adultos, conseguimos lidar bem com uma agenda sobrecarregada, que dirá crianças que precisam, entre outras coisas, continuar a serem crianças.

Com tempo livre para o cultivo da curiosidade, das descobertas e do descanso necessário para o crescimento saudável. Portanto, escolha junto com o seu filho o que ele irá fazer ao longo do ano, garantindo uma agenda e rotina que o permita aprender e evoluir mas também brincar e encarar a vida com a leveza e encantamento essenciais para essa fase da existência.

* Acedriana Vicente Sandi é diretora pedagógica da Editora Positivo.



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli