Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Aumentar a produção de alimentos. Uma tarefa divina?

Aumentar a produção de alimentos. Uma tarefa divina?

27/03/2018 João Rosa

A cantilena de que a população mundial está aumentando não é novidade para ninguém.

Aumentar a produção de alimentos. Uma tarefa divina?

Ainda que as taxas de fertilidade no mundo venham diminuindo, a Organização das Nações Unidas (ONU) projeta que em 2050 o contingente populacional chegue a mais de 9 bilhões, com acréscimo anual de 83 milhões de pessoas. Mas não somente a quantidade de pessoas é importante.

Fatores como aumento da longevidade do ser humano, urbanização e maior acesso à renda também são determinantes na demanda de recursos que, de acordo com a instituição, considerando o mesmo horizonte de tempo, deverá ser de 60% a mais de comida, 50% a mais de energia e 40% a mais de água, caso o ritmo de crescimento seja mantido.

Restringindo a questão apenas para alimentos, basicamente só existem duas formas de aumentar a produção: aumentar a área plantada ou produzir mais na mesma área. Em termos de Brasil, apesar de diferentes órgãos mostrarem que cerca de 60% do território é preservado e que, se necessário, poderíamos aumentar a produção apenas utilizando pastagens já degradadas, falar em aumento da área destinada à agricultura é praticamente proibitivo.

Então OK! Vamos deixar essa opção de lado e partir para produtividade. A interferência nos cultivos a fim de buscar maior produtividade, independente de qual seja, é possível de duas maneiras: externa ou interna. As atividades externas consistem em atividades de manejo junto aos fatores controláveis de produção e que, consequentemente, vão definir os sistemas agrícolas.

Neste contexto, além de aspectos físicos, como diferentes arranjos de espaçamentos e profundidades de semeadura/plantio, cita-se o emprego de insumos, como corretivos de solo, fertilizantes e defensivos agrícolas. E então caímos em outro ponto de discussão, com uma gama de taxações negativas às práticas culturais.

Os agrotóxicos que os digam! O que não falta é “informação” sem fundamento ou cunho cientifico válido sendo divulgada na mídia. Mas OK! Vamos assumir que as acusações são válidas e anular as interferências externas. Bom, se não pode mexer por fora, nos resta mexer por dentro. Entra em cena então os alimentos transgênicos, desenvolvidos a partir de mecanismos de engenharia genética que objetivam incorporar na cultura em questão características novas ou melhoradas em relação ao indivíduo original.

Uma dessas melhorias, inclusive, é a incorporação de resistência a pragas e doenças e que já apresentou resultados significativos. De acordo com dados do Serviço Internacional para a Aquisição de Aplicações Agrícolas-Biotecnológicas (ISAAA), nas últimas duas décadas (de 1996-2015), 619 milhões de quilos de ingrediente ativo deixaram de ser aplicados graças às culturas biotecnológicas. E isso é apenas um dos benefícios.

Mas advinha? Não pode também! Isso se seguirmos outra corrente que defende que os transgênicos fazem mal. Evidente, sem provas concretas. A reflexão que fica é: se todas as alternativas identificadas ou desenvolvidas pelo homem não são suficientes, nos resta delegar a tarefa de aumentar a produção de alimentos para uma entidade divina?

Seria esperar um “Deus” descer e criar novas variedades, mais produtivas e resistentes? Eu particularmente acredito que não. Na verdade, o que tem que se parar é de gerar ambientes de discussão e nortear conclusões a partir de cunhos ideológicos, onde muitas vezes se cria o problema para vender a solução.

Os argumentos devem ser baseados em ciência. E ciência, não tem partido, credo ou ideologia. Ciência é ciência. Afinal, se todas as soluções desenvolvidas fazem tão mal assim, por que a população mundial está crescendo e ficando cada vez mais velha?

* João Rosa é professor do Pecege.

Fonte: Pecege



Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan