Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Autobiografias: revelações das experiências em família

Autobiografias: revelações das experiências em família

12/06/2019 Acedriana Vicente Vogel

A curiosidade de muitas pessoas sobre a (auto) biografia de personalidades tem se tornado cada vez mais crescente, nos últimos anos.

Talvez por ser um exercício literário que revele e eternize o percurso de uma vida. Foi exatamente isso que fez Miguel Nicolelis, um cientista brasileiro, que ao escrever o livro para defender a sua teoria sobre o cérebro, utilizou a sua trajetória de vida como marcação de compasso para o enredo da sua busca apaixonada por explicar, mais e melhor, o funcionamento da mente humana.

De fato, a vitalidade daquilo que sabemos tem sua energia qualificada e sustentada naquilo que somos. A grande descoberta desse revolucionário foi provar a plasticidade do cérebro e a sua ação democrática, colocando por terra a hipótese anterior de que cada parte do cérebro respondia por uma função específica.

Isso, em uma medida, confirma que pensamos e agimos de forma singular e interconectada com a história impressa em nossos circuitos neurais e explica a impossibilidade de construir padrões de respostas para a coletividade humana.

Quantos de nós já nos perguntamos: como podem dois irmãos, nascidos do mesmo pai e da mesma mãe, que tiveram a mesma criação, ser tão diferentes?

O encanto da singularidade de cada filho exige um olhar cuidadoso de cada adulto responsável. Gestos, palavras e atitudes são decodificadas internamente, por meio de sinais elétricos, de uma série de neurônios, simultânea e involuntariamente, conectados às impressões peculiares de cada história, gerando interpretações diferentes das intenções iniciais do que se pretendeu comunicar.

Quando se observa a história de uma vida, não há como omitir a importância das referências humanas, formadoras ou deformadoras dessa biografia.

Dessa maneira, algumas perguntas inquietam: como cada adulto da família seria revelado na (auto) biografia do seu filho? Quais os desdobramentos que os capítulos iniciais de uma história podem representar em outras fases da vida, por mais plástico e democrático que o cérebro seja? Projetamos a vida adulta dos filhos de tal forma que eles compreendam o sentido das ações de hoje e as suas respectivas consequências?

Uma situação tem se tornado comum na vida adulta: pessoas são admitidas para o trabalho pela sua competência técnica, experiência e titulações e demitidas por sua inabilidade na convivência e/ou por sua fragilidade ética, ambas as situações construídas, desde a mais tenra idade, nas vivências familiares.

Há culpados nesse processo? A legislação brasileira define a culpa como negligência, imprudência ou imperícia do responsável. Logo, teoricamente, não há espaço para descuido, nem desatenção quando respondemos por um menor dependente. Não há um dia sequer que deixamos de escrever a nossa história e marcar a história dos quais temos o privilégio de conviver.

São marcas aparentes ou invisíveis, mas todas impressas, que acontecem sem retóricas sofisticadas, por meio de simples ensinamentos, capturados nas pequenas atitudes frequentes de quem se propõe a ser referência.

Representar uma forte referência exige o exercício diário de ser duro com os fatos e suave com as pessoas, a fim de afastar as possibilidades de negligência, imprudência ou imperícia e dirimir, com isso, o sentimento de culpa – uma patologia cada vez mais presente nas famílias modernas e, consequentemente, nos registros (auto) biográficos.

* Acedriana Vicente Vogel é diretora pedagógica da Editora Positivo. 

Fonte: Central Press



A importância das relações governamentais e institucionais

As relações governamentais e institucionais têm sido um instrumento de alta relevância para qualquer organização no atual momento político brasileiro.


Namoro na adolescência: fato ou fake?

O início da adolescência coincide com o final do Ensino Fundamental, fase em que desabrocham as paixões e, com elas, o convite: “quer namorar comigo?”.


What a wonderful world

Louis Daniel Armstrong foi um cantor e instrumentista nascido na aurora do século 20, e foi considerado “a personificação do jazz”.


A violência doméstica

Em Portugal, desde o início do ano, apesar de se combater, por todos os meios, a violência na família, contam-se já mais de uma dezena de mulheres, assassinadas.


O desrespeito ao teto constitucional e o ativismo judicial

O ativismo do Executivo e do Judiciário está “apequenando” o Legislativo.


Indicadores e painéis urbanos aliados à administração pública

A cidade com fatos visualizados está remodelando a forma como os cidadãos e gestores vêm a conhecê-la e governá-la.


Os perigos do Transporte Aéreo Clandestino

Os regulamentos aeronáuticos buscam estabelecer critérios mínimos a serem seguidos pelos integrantes da indústria em questão.


A agenda do dia seguinte

A reforma da Previdência será aprovada no Congresso, salvo fatos graves e imprevistos. A dúvida, hoje, se restringe a quanto será, efetivamente, a economia do governo, em dez anos, já que as estimativas variam entre 500 a 900 bilhões de reais.


Comissão de Justiça e Paz

A CJP de Vitória foi criada em 1978 pelos Bispos Dom João Baptista da Motta e Albuquerque e Dom Luís Gonzaga Fernandes.


A sabedoria dos mineiros em ajudar os menos favorecidos

Há quatro organizações não governamentais de assistência social situadas em Belo Horizonte que estão fazendo um trabalho maravilhoso para ajudar os menos favorecidos.


Onde está Deus, que não nos acode?

Certa vez, leitora – que se dizia assídua, – comentou crônica, que publiquei em jornal de Toronto.


Para o pacto servir ao Brasil

É preciso mais decência e compromisso com a Pátria.