Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Automação em aplicações de saneamento: eficiência operacional e menos custos

Automação em aplicações de saneamento: eficiência operacional e menos custos

01/03/2023 Renato Bedendi

O Brasil, segundo o estudo “Panorama do Saneamento Básico 2021”, elaborado pela Secretaria Nacional de Saneamento, ainda enfrenta grandes desafios para levar esse serviço básico a toda a sua população.

Com cerca de 362,4 mil quilômetros, a rede pública de coleta de esgoto atende por volta de 39 milhões de residências, o que corresponde a 55,0% da população total e 63,2% da população urbana. Isso significa que pouco mais da metade da população brasileira é atendida com rede coletora de esgotos.

Quando se avalia o abastecimento de água, o índice é mais alto, e o sistema atende a cerca de 175,5 milhões de pessoas, ou 84,2% da população total residente.

Mas essa distribuição é extremamente desigual, por conta das diferentes condições socioeconômicas: as macrorregiões Norte e Nordeste contam com 58,9% e 74,9% de atendimento, respectivamente, enquanto nas regiões Centro-Oeste, Sul e Sudeste os índices são de 90,9%, 91,0% e 91,3%, respectivamente.

Além disso, os prestadores de serviço enfrentam um grande desafio: o alto Índice de Perdas de Faturamento – o quanto do volume de água disponibilizado não é faturado pelo prestador, em percentual – que no Brasil atinge uma média de 37,5%.

E, em um cenário econômico global instável, como será possível obedecer ao novo Marco Legal do Saneamento Básico, aprovado em 2020, que tem como meta a universalização do serviço até 2033, garantindo que 99% da população brasileira tenha acesso à água potável e 90% ao tratamento e coleta de esgoto? Como será possível levar mais saúde para toda a população?

Com a participação da iniciativa privada, prevista no Marco Legal, e inovadoras tecnologias, essa meta poderá ser alcançada.

Serviço requer alto investimento em infraestrutura

Com o alinhamento de toda a cadeia, incluindo empresas de engenharia, fornecedores de máquinas, equipamentos e de soluções, será possível criar um ecossistema que identifique as melhores soluções para cada área do Brasil, com geografias e demandas diferentes.

Uma política de saneamento eficiente não é feita somente com obras, é feita com inteligência, de forma a minimizar os custos com a infraestrutura, que são altos, e ao mesmo tempo otimizar a eficiência operacional.

Conectividade, automação, telemetria e eficiência energética são tecnologias que oferecem confiabilidade aos processos em todas as aplicações de saneamento, maior disponibilidade do sistema, melhor gestão da qualidade, eficiência energética e controle da distribuição, entre outros benefícios.

Além disso, com sistemas de automação que garantam visibilidade e monitoram as operações, é possível implementar melhores estratégias de manutenção dos equipamentos, prolongando sua vida útil e mais transparência aos processos.

Outro ponto essencial para o saneamento é operar com o menor custo energético possível, pois energia elétrica é atualmente a segunda maior despesa na operação.

As tecnologias para aumentar a eficiência energética proporcionam no final um custo operacional menor para as empresas do segmento.

E, claro, reduzir o Índice de Perdas de Faturamento, já que o sistema automatizado avalia a performance e entrega do serviço em tempo real, e qualquer alteração pode gerar um alarme e acionar ações de manutenção ou de vistorias.

Ao reduzir o custo das operações, sistemas de automação são alternativas acessíveis para impulsionar as metas do Marco Legal de Saneamento e gerar mais eficiência energética, melhoria de eficiência operacional e confiabilidade de processos, fundamentais para acelerar a entrega do serviço em todo o Brasil.

* Renato Bedendi é especialista de produto da Mitsubishi Electric.

Para mais informações sobre automação clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Intelligenzia



Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder