Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Autoridade e autoritarismo, democracia e demagogia nas organizações

Autoridade e autoritarismo, democracia e demagogia nas organizações

04/03/2021 Roberto Rafael Guidugli Filho

Gerenciar é uma arte, mas também pode ser assimilada como um conjunto de técnicas e métodos que visam buscar resultados.

Nessa dicotomia entre a arte e a ciência, o gerente, muitas vezes, se defronta com o tênue limite entre exercer a sua autoridade e ser autoritário. É como se estivesse tentando manter o equilíbrio sobre um fio de arame.

A autoridade é um conjunto explícito de regras que delimita o campo de ação do gerente e que permite que o mesmo atue na busca da eficiência, do fazer mais com menos e da eficácia para obter as respostas esperadas de suas ações gerenciais.

Muitas empresas possuem essa autoridade descrita no perfil das funções exercidas por seus colaboradores, propiciando um ambiente equilibrado e produtivo.

Outras, no entanto, contam com o bom senso ou deixam correr solto e o caos gerencial se instala. Frases como “não me traga problemas”, “isso não é comigo” ou “cumpro a minha parte e basta” são típicas nessas organizações.

A autoridade depende diretamente do nível de conhecimento do profissional que ocupa o posto de gerência e da clareza de sua posição na pirâmide hierárquica da organização, conforme preconizou sabiamente o escritor e consultor administrativo Peter Drucker.

Não há dúvida de que mesmo nas organizações mais descontraídas – hierarquicamente falando –, alguém em algum momento tem que dar a palavra final. Trabalhar com liberdade, autonomia e descontração não exime ninguém de exercer a sua autoridade.

Talvez pela nossa experiência histórica recente, a autoridade é vista como sinônimo de autoritarismo, um equívoco que tem causado muitos prejuízos em todas as áreas.

O autoritarismo ao contrário da autoridade está no campo da barbárie, onde não há respeito aos limites do gerenciamento, o que acaba contaminando de modo pernicioso as organizações.

No equilíbrio entre autoridade e autoritarismo, duas personagens participam da contradança: a democracia e a demagogia. A prática de uma gestão democrática nas organizações, não exclui o exercício da autoridade.

Em situações democráticas como o trabalho em equipe, são extremamente salutares a troca de ideias e o estímulo à criatividade, mas o gerente precisa e deve decidir, nem que seja pelo voto de minerva.

No entanto, quando esse gerente tem a autoridade para decidir e resolve consultar a equipe, temos o exercício danoso da demagogia. Geralmente, este tipo de profissional é visto como o gerente legal, que busca se dar bem com todos.

Entretanto, gerente não é candidato a miss simpatia, ele é responsável por produzir resultados, cumprir metas e isso exige o exercício da autoridade.

Quando o general George S. Patton assumiu o comando do exército americano no norte da África, encontrou uma situação anárquica e no exercício da sua autoridade, restabeleceu a ordem e venceu os nazistas.

Na época em que conduzia as tropas na linha de frente das batalhas, o general exercia um nível a mais de sua autoridade, colocando em prática a sua liderança. Esse comportamento contribuiu para que os soldados o admirassem ainda mais.

No entanto, quando um soldado foi esbofeteado na enfermaria, sob a alegação de que estava com medo de ir ao campo de batalha, o general Patton desceu ao lúgubre ambiente do autoritarismo e pagou caro por isso, sendo afastado do comando do exército americano.

A linha entre autoridade, autoritarismo, democracia e demagogia é tênue, mas hoje podemos contar com várias técnicas e métodos para caminharmos de forma equilibrada sobre esse fio de arame. Contudo, esse assunto é para uma outra oportunidade.

* Roberto Rafael Guidugli Filho é professor da Faculdade de Administração Milton Campos, mestre em engenharia de produção e especialista em engenharia econômica.

Para mais informações sobre gerente clique aqui…

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Que ingratidão…

Durante o tempo que fui redactor de jornal local, realizei numerosas entrevistas a figuras públicas: industriais, grandes proprietários, políticos, artistas…


Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?