Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Baleia azul nunca mais será só um bicho bonito

Baleia azul nunca mais será só um bicho bonito

01/05/2017 Daniel Medeiros

A importância da vida, em tempos que jogos como o da Baleia Azul acaba afetando muitos adolescentes.

O neurologista português Antônio Damásio, na obra “Espinosa tinha razão”, organiza uma série de questões preliminares sobre a pergunta quem somos nós: “A mente e o corpo são duas coisas diferentes ou formam apenas uma? Se eles não são semelhantes, atribuem-se a duas substâncias diversas ou a uma só? Se são duas substâncias, a da mente vem em primeiro lugar e é a causa da existência do corpo e do cérebro, ou bem a substância corporal vem primeiro e seu cérebro causa a mente? Como essas substâncias interagem?”

Penso nessas perguntas todas enquanto minha timeline pipoca com notícias sobre adolescentes se mutilando e se matando como se o corpo fosse um item descartável de uma mente que continuará para vibrar com os likes sobre sua própria aventura.

Ah, se tivessem lido Espinosa... Especialistas de todos os gêneros debruçam-se avidamente sobre o “problema”, como se gente se matando ao longo da História fosse uma raridade soterrada pelos escombros da barbárie de um passado distante e que só agora volta para nos assombrar.

Pois não é. Só no Brasil, a cada hora, uma pessoa se mata. Para de respirar. Interrompe o processo vital. Inicia o processo de deterioração sem volta. E o que será que leva tanta gente a optar por esta forma de deixar de viver? Isso considerando os que optaram.

Não tenho dúvida de que a pergunta do neurologista é a pista a ser percorrida para lançar alguma luz sobre esse mistério. Na medida em que não somos capazes de formular uma resposta para essa pergunta, a continuidade da existência, o cotidiano, torna-se uma contingência, um “pode ser” tipo casa sem alicerce, sujeita a cair ao vento um pouco mais forte. E sempre venta.

Quando o dia a dia torna-se um acordar/dormir e entediar-se sobre o que fazemos no meio, uma hora acaba parecendo que é demais. E nessa hora cinza um letreiro começa a piscar diante dos olhos cansados: “Por que não encurtar o itinerário”? Penso que a busca por uma resposta satisfatória para a pergunta “quem somos nós?”começa, inevitavelmente, com a formulação da pergunta.

E esse parece-me ser uma das pontas soltas do problema. É terrível quando se vive sem qualquer questionamento; vive-se por adesão; vive-se agregando euforias com etiquetas, sorrisos de selfies. Quando se é jovem, então, tudo se complica com a soma das expectativas sobre habilidades e esforços incompatíveis com os desejos.

Uma corrida de 10 quilômetros e você, aos oitocentos metros sabendo que não se manterá de pé quando chegar aos segundo quilômetro. Então, ora, por que continuar? Creio que a ideia da “baleia azul” não passa de uma forma de transformar em game o que, para muitos (“Eles estão errados! Errados!”), tornou-se já um jogo sem upgrade em uma máquina sem mais memória para ser atualizada: a vida.

* Daniel Medeiros é doutor em Educação Histórica pela UFPR e professor no Curso Positivo, de Curitiba (PR).



A violência e o exemplo dos parlamentos

O péssimo exemplo que os políticos, em geral, dão nos parlamentos, insultando, ridicularizando os antagonistas, leva, por certo, a população a comportar-se de modo semelhante.


Brasileiro residente no exterior, por que fazer um planejamento previdenciário?

É muito comum no processo emigratório para o exterior ter empolgação e expectativas sobre tudo o que virá nessa nova fase da vida.


LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.