Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Bases sólidas para enfrentar a crise

Bases sólidas para enfrentar a crise

18/12/2008 Eduardo Pocetti

Em meio à grave crise financeira internacional que afeta a economia real de países de todo o mundo, o Brasil segue dando sinais de que está preparado para encarar as turbulências sem sofrer grandes choques.

Um desses indicadores foi o crescimento de 6,8% do PIB nacional registrado no terceiro trimestre deste ano em comparação ao resultado do mesmo período de 2007. O dado aponta que, mesmo após cerca de um ano de restrições ao crédito no mercado internacional devido aos problemas com as hipotecas "subprime" (empréstimos de risco concedidos com a exigência de poucas garantias) no mercado financeiro dos Estados Unidos, o Brasil conseguiu obter um crescimento expressivo, justamente no período em que a atual grave crise estouro. Lembramos que a quebra do banco norte-americano de investimentos Lehman Brothers, anunciada em 15 de setembro passado, é o principal marco do momento que vivemos.

Os 6,8% de crescimento foram impulsionados, principalmente, por uma taxa recorde de investimentos na produção (19,7%), alta de 7,3% no consumo das famílias, evolução de 11,7% na construção civil e avanço de 6,7% no setor agropecuário. Essa taxa recorde de investimentos na produção (conhecida como formação bruta de capital fixo) é um indicador de que a inflação devido à escassez de oferta não é uma ameaça imediata. É evidente que os efeitos da crise internacional estão tendo reflexo mais significativo sobre nós nestes últimos três meses de 2008. Desta forma, é dada como certa a perspectiva de que a economia Brasileira venha a apresentar desaceleração entre outubro e dezembro. Há também o receio de que tal tendência se estenda ao longo dos primeiros meses de 2009.

No entanto, as ações governamentais internas e mundiais destinadas a destravar o consumo estão sendo expressivas e tendem a surtir efeitos decisivos conforme a confiança do mercado e dos consumidores tome uma trajetória positiva. Vale ressaltar que os números acumulados pela economia nacional nos nove primeiros meses deste ano são contundentes. Para se ter uma idéia, mesmo que o PIB brasileiro fique estagnado, isto é, não tenha avanço algum neste último trimestre na comparação com igual período de 2007, o crescimento em 2008 ficará em 4,8%, segundo análise do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, órgão responsável pelo cálculo do PIB, que representa a soma das riquezas do país). Para que a economia cresça no mesmo patamar de 2007 (5,7%), a evolução do PIB no último trimestre de 2008 precisaria ficar em 3,7%, o que equivale a 3,1 pontos percentuais abaixo do resultado do terceiro trimestre deste ano.

No governo, mesmo reconhecendo os efeitos da crise internacional, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, aposta, por exemplo, que o crescimento do PIB no último trimestre deste ano fique entre 3% e 3,5%, o que representaria uma economia 5,5% maior em 2008, ante os dados do ano anterior. O grande desafio que se apresenta, e que vem efetivamente sendo encarado pelas autoridades, é fazer com que o crédito (um dos principais instrumentos de estímulo ao crescimento) e outros recursos (disponibilizados a partir da prorrogação dos prazos de recolhimento de impostos, ou mesmo da redução de alíquotas ou lançamento de novas alíquotas do Imposto de Renda - Pessoa Física) cheguem às mãos e estejam disponíveis aos setores produtivos e à população em geral. Apesar de alguns determinados segmentos econômicos, em especial aqueles dedicados às exportações, estarem sofrendo mais em razão da redução internacional do consumo de bens e produtos, o mercado interno brasileiro é grande o suficiente para garantir a evolução da economia.

Além disso, hoje, o Brasil é um ator de reconhecida inserção e liderança internacional, contando com parceiros políticos e comerciais que vão muito além dos principais afetados pela atual crise, que são os países desenvolvidos. Como em qualquer segmento das relações humanas, momentos de crise tornam as pessoas mais alertas, atentas e, na maioria das vezes, temerosas por eventuais sofrimentos e perdas. Por outro lado, as crises ampliam espaços para as oportunidades, para a criatividade e para o espírito empreendedor. Com uma população estimada em 190 milhões de habitantes e diante da inserção de expressivos contingentes de cidadãos no mercado consumidor nos últimos anos, o espaço para as oportunidades está aberto. Cabe a cada um permanecer atento e aproveitar tais oportunidades.

Assim, mesmo diante de um cenário atualmente conturbado, com a maioria dos agentes temendo perdas e, portanto, agindo de forma mais conservadora, a ação conjugada dos governos internacionais para debelar a crise é um fato sem precedentes e que deve reverter o quadro no prazo adequado para que o mundo retome a anterior tendência quase que global de crescimento. No Brasil, em especial, a solidez das instituições, as características de seu mercado interno e as bases econômicas apoiadas em indicadores positivos - como é exemplo o resultado do PIB do terceiro trimestre deste ano -certamente serão fatores que não deixarão espaço para que a crise se aprofunde por aqui. Resolvidos os impactos imediatos dos reflexos externos, o crescimento será certamente retomado com o mesmo vigor registrado nos nove primeiros meses de 2008.

*Eduardo Pocetti é CEO da BDO Trevisan.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.