Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Bases sólidas para enfrentar a crise

Bases sólidas para enfrentar a crise

18/12/2008 Eduardo Pocetti

Em meio à grave crise financeira internacional que afeta a economia real de países de todo o mundo, o Brasil segue dando sinais de que está preparado para encarar as turbulências sem sofrer grandes choques.

Um desses indicadores foi o crescimento de 6,8% do PIB nacional registrado no terceiro trimestre deste ano em comparação ao resultado do mesmo período de 2007. O dado aponta que, mesmo após cerca de um ano de restrições ao crédito no mercado internacional devido aos problemas com as hipotecas "subprime" (empréstimos de risco concedidos com a exigência de poucas garantias) no mercado financeiro dos Estados Unidos, o Brasil conseguiu obter um crescimento expressivo, justamente no período em que a atual grave crise estouro. Lembramos que a quebra do banco norte-americano de investimentos Lehman Brothers, anunciada em 15 de setembro passado, é o principal marco do momento que vivemos.

Os 6,8% de crescimento foram impulsionados, principalmente, por uma taxa recorde de investimentos na produção (19,7%), alta de 7,3% no consumo das famílias, evolução de 11,7% na construção civil e avanço de 6,7% no setor agropecuário. Essa taxa recorde de investimentos na produção (conhecida como formação bruta de capital fixo) é um indicador de que a inflação devido à escassez de oferta não é uma ameaça imediata. É evidente que os efeitos da crise internacional estão tendo reflexo mais significativo sobre nós nestes últimos três meses de 2008. Desta forma, é dada como certa a perspectiva de que a economia Brasileira venha a apresentar desaceleração entre outubro e dezembro. Há também o receio de que tal tendência se estenda ao longo dos primeiros meses de 2009.

No entanto, as ações governamentais internas e mundiais destinadas a destravar o consumo estão sendo expressivas e tendem a surtir efeitos decisivos conforme a confiança do mercado e dos consumidores tome uma trajetória positiva. Vale ressaltar que os números acumulados pela economia nacional nos nove primeiros meses deste ano são contundentes. Para se ter uma idéia, mesmo que o PIB brasileiro fique estagnado, isto é, não tenha avanço algum neste último trimestre na comparação com igual período de 2007, o crescimento em 2008 ficará em 4,8%, segundo análise do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, órgão responsável pelo cálculo do PIB, que representa a soma das riquezas do país). Para que a economia cresça no mesmo patamar de 2007 (5,7%), a evolução do PIB no último trimestre de 2008 precisaria ficar em 3,7%, o que equivale a 3,1 pontos percentuais abaixo do resultado do terceiro trimestre deste ano.

No governo, mesmo reconhecendo os efeitos da crise internacional, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, aposta, por exemplo, que o crescimento do PIB no último trimestre deste ano fique entre 3% e 3,5%, o que representaria uma economia 5,5% maior em 2008, ante os dados do ano anterior. O grande desafio que se apresenta, e que vem efetivamente sendo encarado pelas autoridades, é fazer com que o crédito (um dos principais instrumentos de estímulo ao crescimento) e outros recursos (disponibilizados a partir da prorrogação dos prazos de recolhimento de impostos, ou mesmo da redução de alíquotas ou lançamento de novas alíquotas do Imposto de Renda - Pessoa Física) cheguem às mãos e estejam disponíveis aos setores produtivos e à população em geral. Apesar de alguns determinados segmentos econômicos, em especial aqueles dedicados às exportações, estarem sofrendo mais em razão da redução internacional do consumo de bens e produtos, o mercado interno brasileiro é grande o suficiente para garantir a evolução da economia.

Além disso, hoje, o Brasil é um ator de reconhecida inserção e liderança internacional, contando com parceiros políticos e comerciais que vão muito além dos principais afetados pela atual crise, que são os países desenvolvidos. Como em qualquer segmento das relações humanas, momentos de crise tornam as pessoas mais alertas, atentas e, na maioria das vezes, temerosas por eventuais sofrimentos e perdas. Por outro lado, as crises ampliam espaços para as oportunidades, para a criatividade e para o espírito empreendedor. Com uma população estimada em 190 milhões de habitantes e diante da inserção de expressivos contingentes de cidadãos no mercado consumidor nos últimos anos, o espaço para as oportunidades está aberto. Cabe a cada um permanecer atento e aproveitar tais oportunidades.

Assim, mesmo diante de um cenário atualmente conturbado, com a maioria dos agentes temendo perdas e, portanto, agindo de forma mais conservadora, a ação conjugada dos governos internacionais para debelar a crise é um fato sem precedentes e que deve reverter o quadro no prazo adequado para que o mundo retome a anterior tendência quase que global de crescimento. No Brasil, em especial, a solidez das instituições, as características de seu mercado interno e as bases econômicas apoiadas em indicadores positivos - como é exemplo o resultado do PIB do terceiro trimestre deste ano -certamente serão fatores que não deixarão espaço para que a crise se aprofunde por aqui. Resolvidos os impactos imediatos dos reflexos externos, o crescimento será certamente retomado com o mesmo vigor registrado nos nove primeiros meses de 2008.

*Eduardo Pocetti é CEO da BDO Trevisan.



Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?


Anedotas com pouca graça

Uma anedota, de vez enquanto, cai sempre bem; como o sal serve para temperar a comida, a anedota também adoça a conversa ou o texto.