Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Benefício incondicional à economia e à sociedade

Benefício incondicional à economia e à sociedade

26/04/2012 Ivo Barbiero

Na competitiva economia contemporânea, permeada de crises e caracterizada por concorrência acirrada, as empresas de todos os setores trabalham com margens de lucro cada vez mais apertadas.

Todas?  Não! Uma das poucas exceções, no mundo, encontra-se no mercado financeiro do Brasil. Nossos bancos “compram” o dinheiro dos investidores a juros de 9,75% ao ano e o “vendem” aos tomadores de empréstimos e financiamentos a 30% ou até 80%, com ganhos de 200% a 700%. Assim, há plenas condições de se reduzirem os spreads bancários sem quaisquer contrapartidas do governo e da sociedade.

Ou seja, a queda dos juros reais em nosso país depende, única e exclusivamente, da vontade política e da disposição dos bancos de baixar suas elevadas margens, contribuindo de maneira mais efetiva para o financiamento da produção, ampliação do consumo e estabilidade dos preços. Afinal, crédito abundante, com juros civilizados, é o grande segredo para o crescimento do PIB sem inflação. Portanto, não resiste à lógica e ao bom senso a lista de 20 reivindicações apresentadas ao Ministério da Fazenda por Murilo Portugal, presidente da Febraban, como condição para os bancos atenderem ao grande anseio nacional relativo à diminuição dos spreads.

Não há dúvida alguma de que a lucratividade dos bancos brasileiros está entre as maiores do mundo. Ninguém é contra o lucro, em especial daqueles que prestam bons serviços. A solidez de nosso sistema financeiro é elogiável, desejável e positiva para o País. Porém, tudo tem limite, e este encontra-se no equilíbrio do tripé de sustentação da operação financeira: liquidez, segurança e rentabilidade.

Não se pode trocar as duas primeiras só pela terceira. É possível reduzir os lucros hoje auferidos pelo sistema financeiro sem diminuir os depósitos compulsórios e os tributos, como tenta impor Murilo Portugal ao Ministério da Fazenda. Outras reivindicações dizem respeito à utilização de parte das reservas dos planos de previdência como garantia dos empréstimos e o parcelamento dos tributos que incidem na renovação de um crédito para pagamento de outro empréstimo.

Ora,estudos do Banco Central mostram que, mesmo considerando as despesas inerentes ao custeio, administração, inadimplência e compulsório, as margens das instituições financeiras continuam elevadas, por volta de 54%. A incontinência reivindicatória do presidente da Febraban, contudo, parece realmente exacerbada: ele também coloca como condição para baixar os spreads, mudanças na lei do Cadastro Positivo, tornando a sua consulta menos complexa quanto à autorização do cliente e responsabilização do banco pelo uso da informação.

Esse argumento também não procede. Com ou sem cadastro positivo, as informações hoje disponíveis sobre a capacidade de adimplência das pessoas físicas e jurídicas são mais do que suficientes para garantir a segurança das operações. Está na hora de o sistema financeiro nacional, assim como ocorre nos países desenvolvidos e nos demais setores de atividade, passar a ganhar em escala, com mais produtividade.

Assim, ao contrário do que Murilo Portugal afirmou, a bola da redução do spread não está com o governo. Está com a Frebraban, e todos os brasileiros querem jogar, pagando menos juros para investir, consumir e ser feliz!

*Ivo Barbiero, economista, é presidente da proScore, Bureau de Informação e Análise de Crédito.



Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.


O direito de ser pedra e o direito de ser vidraça em tempos de pandemia

O pior nessa história toda, desse período de pandemia da Covid-19, tem sido a guerra violenta de versões apresentadas sobre o problema.


O oxigênio da vida

Eles moravam em um dos bairros mais violentos de São Paulo. Estavam perto dos 20 anos. Eram três amigos de infância.


Um vazio de lideranças

Qual o paradeiro dos líderes? Eles possivelmente estão por perto, mas nós não os enxergamos.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


No tempo da pandemia

Nesta época de quarentena, assisti, pela rádio, à transmissão de cerimónia religiosa: missa.


O Mal

Agostinho dizia que o mal não é um ente em si, porque não é possível que um D’us bom tenha criado o mal.


As palavras que faltam

Há muitas coisas em falta no mundo.