Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Bom senso intuitivo

Bom senso intuitivo

14/03/2024 Benedicto Ismael Camargo Dutra

Os governantes, em geral, são desmazelados com o dinheiro e as contas. Falta responsabilidade na gestão financeira pública.

É bom lembrar que neste ano ocorrerão eleições em 5570 municípios, alguns deles com orçamento bilionário; é muita tentação para grupos inescrupulosos.

A questão não deveria ser elevar a carga tributária, mas impedir escandalosas negociações que concentram o dinheiro em poucas mãos, que é um problema existente em grande parte das nações.

A população precisa de saúde, educação, bom preparo para a vida, oportunidades de trabalho, salários adequados, mas é mais fácil aumentar os impostos e criar auxílios para a população despreparada e sem trabalho condigno.

A população, em sua grande maioria, não tem dinheiro, e o que consegue receber vai tudo embora no atendimento às necessidades essenciais ou supérfluas, refluindo para o centro de controle.

Governos, instituições financeiras e Bancos Centrais poderiam dar um rumo adequado para a economia, o que resultaria em melhoras nas condições gerais de vida e no aprimoramento da espécie humana, mas as cobiças não deixam que isso aconteça.

As elites mundiais se reúnem em amplos eventos, mas ficam longe do que poderia ser para alcançarmos a paz e a felicidade geral.

Como se explica o crescimento das nações asiáticas? Seria por causa do câmbio, da mão de obra de menor custo, da globalização? Que efeito isso tem provocado no ocidente?

A indústria brasileira vem decaindo desde os anos 1980, evidenciando-se o achatamento da renda per capita que perdeu poder de compra. Qual a solução que poderia promover melhora na renda?

Cada nação emite o seu dinheiro, mas não há paridade entre as moedas, dando margem a jogadas. Muitas moedas não têm credibilidade nas transações internacionais por faltar-lhes estabilidade. Estaria em gestação a federação mundial dos Bancos Centrais para dar um jeito nisso?

Assim como a fragilidade das moedas, também as novas gerações estão sendo fragilizadas. Os jovens pouco leem. Que tipo de leitura está sendo oferecida na escola pública? O Ministério da Educação tem de selecionar livros que apresentem o enobrecimento do ser humano.

Em 1890 surgia o livro O Cortiço, de Aluísio Azevedo, citado em aula por alguns professores. Mas essa obra literária avança por um campo obscuro por abordar a miséria humana, e segue num rumo negativo, focalizando a animalização dos personagens e, consequentemente, a ação baseada na desnaturalização dos instintos naturais, tais como os sexuais e os de sobrevivência.

Atualmente, não só a qualidade dos livros tem decaído, mas as comunicações em geral, porque mostram selvageria e embrutecimento do ser humano. É o nível progredindo para baixo, penetrando no cérebro dos jovens, arrastando tudo para a violência e imundície.

Os jovens estão perdendo a flexibilidade e a capacidade de raciocinar com lucidez em decorrência do embrutecimento e perda do bom senso intuitivo. As atividades que provocam mecanização do cérebro já mostram suas consequências.

Pior do que exercer algum trabalho na infância de forma adequada é o roubo da infância a que as crianças estão sendo submetidas, sendo jogadas em atividades que pertencem à idade adulta, chegando a causar danos irreparáveis.

Outra questão é a padronização e a mecanização cerebral em função das atividades ligadas à internet que vai moldando a atuação mecânica, restringindo a visão mais ampla sobre a vida.

Em meio à sua maior crise moral e social, a humanidade se defronta com fortes rumores de conflitos que apontam para uma provável e arrasadora Terceira Guerra Mundial.

A humanidade tem de buscar uma mensagem de saber sobre a Criação e suas leis que promovam a recuperação do bom senso intuitivo e a convivência pacífica para sair dos caminhos errados por ela mesma criados.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP.

Para mais informações sobre dinheiro clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Silvia Giurlani



As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes