Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Breve carta para um futuro próximo

Breve carta para um futuro próximo

11/12/2020 Daniel Medeiros

Imagino se eu pudesse falar, hoje, com alguém que é jovem em um Brasil cinquenta anos no futuro… do que eu falaria?

Minha curiosidade buscaria saber do presente dele ou se ele tem alguma notícia do meu presente? Também gostaria de saber como ele imagina o futuro dele à partir do presente que é um futuro que eu só imagino. Tantas perguntas.

Conseguiríamos conversar? Ele reconheceria as minhas referências? Se eu citasse a pandemia, os mais de cem mil mortos, ele saberia do que estou falando?

Ou será que o jovem do futuro é como quase a metade dos jovens europeus de hoje que não reconhecem mais o significado da palavra Holocausto? Não posso saber.

Olho para o futuro e o vejo como uma continuidade do nosso presente, um desdobramento, uma linha sendo desenhada, os pontos conectados em uma ordem da esquerda para a direita.

Mas sei que isso é um erro, fruto da ilusão que construímos com as nossas narrativas históricas, imaginadas a partir de causas e consequências.

Nossa consciência é inventada a partir de relações anacrônicas, nas quais projetamos valores e conteúdos que não existiam no passado, mas que acreditamos existir para justificar certa linha do tempo que deságua no presente que admiramos ou repudiamos.

Com o futuro, agimos da mesma forma. E, por isso, conjecturamos esse futuro como um paraíso da tecnologia que resolve tudo ou o pesadelo da crise ambiental e dos governos orwellianos, tudo ao sabor do nosso estado de espírito.

Só por hipótese, imagino escrever a esse jovem de 2070. Escolho palavras como, por exemplo, “direita e esquerda”.

Fará sentido para ele? É fato que faz para nós, mesmo tendo passado mais de trinta anos do fim da Guerra Fria e mais de cinquenta anos do bloqueio de Cuba e da construção do muro de Berlim.

E “Democracia”, o que ele terá a dizer? E “Ciência”? E “diversidade”? Será que as escolas do futuro vão relativizar de tal forma os conceitos e valores que teremos jovens a favor e contra a Ciência, como quem torce para times de futebol?

Ou que se revoltarão com uma propaganda que mostra um homem trans exibindo, orgulhoso, sua condição de pai?

Ou, ao contrário, a diversidade terá sido normalizada e o estranho será chamar a atenção para ela, como os peixes que se surpreendem com a pergunta “como está a água?”.

O futuro que imaginei para mim quando eu era jovem acabou sendo bastante frustrante. Eu dizia: “Daqui quarenta anos o mundo vai estar melhor, a tecnologia vai unir as pessoas, facilitar a vida de todo mundo, libertar do fardo do trabalho repetitivo, diminuir a miséria e tornar as decisões mais democráticas, já que, enfim, estaremos todos conectados.”

Muitas vezes temo pelo futuro que não será mais meu. No entanto, exatamente como errei quando era jovem, posso estar errado de novo.

Porque o que fazemos no mundo não é uma narrativa de causas e consequências na qual o futuro precisa ser necessariamente um devedor do seu passado, o nosso presente.

Como já dizia o poeta: “Inútil seguir vizinhos, querer ser depois ou ser antes, cada um são seus caminhos, onde Sancho vê moinhos, D. Quixote vê gigantes. Vê moinhos? São moinhos. Vê gigantes? São gigantes.”

Se eu pudesse falar com um jovem do futuro, diria isto para ele: “Não se amedronte, tudo o que está aí ao seu redor são peças de um quebra cabeças cuja imagem só se revela depois de pronto e, então, é o fim do jogo e elas se dispersam novamente, formando novos desenhos, para os novos jogadores que virão igualmente amedrontados de que não serão capazes, de que será impossível. Mas todo mundo deixa um desenho sobre a terra, uma marca indelével da sua existência. E todo mundo pode olhar o desenho dos outros ou, se tiver sorte, conversar com alguns de seus autores. E entender que pode ver a mesma coisa como moinho ou como gigantes. Mesmo que só haja moinhos”.

* Daniel Medeiros é doutor em Educação Histórica e professor no Curso Positivo.

Fonte: Central Press



O efeito pandemia nas pessoas e nos ‘in-app games’

É fato que a Covid-19 balançou as estruturas de todo mundo, trazendo novos hábitos, novas formas de consumir conteúdo, fazer compras… E, claro, de se entreter.


A violência e o exemplo dos parlamentos

O péssimo exemplo que os políticos, em geral, dão nos parlamentos, insultando, ridicularizando os antagonistas, leva, por certo, a população a comportar-se de modo semelhante.


Brasileiro residente no exterior, por que fazer um planejamento previdenciário?

É muito comum no processo emigratório para o exterior ter empolgação e expectativas sobre tudo o que virá nessa nova fase da vida.


LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.