Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Bullying: da vítima ao espectador

Bullying: da vítima ao espectador

06/05/2022 Maísa Pannuti

O bullying é um tipo particular de violência, caracterizado por agressões sistemáticas, repetitivas e intencionais, contra um ou mais indivíduos que se encontram em desigualdade de poder, gerando sofrimento para as vítimas, agressores e comunidade.

Ele pode ocorrer de várias formas, bem como de maneiras combinadas, dentre elas, o bullying verbal, físico, material, psicológico, sexual e, um tipo muito específico, que é o virtual ou cyberbullying.

Este último é praticado por meio de ferramentas digitais e provocam traumas e sofrimento inimagináveis, uma vez que a propagação das difamações pelo efeito multiplicador das postagens é praticamente instantânea, não havendo possibilidade de exclusão dos conteúdos.

Além disso, extrapola os muros da escola e expõe a vítima ao escárnio público, gerando danos na autoestima e na identidade, de modo que, o que poderia ser de caráter privado, torna-se público.

A análise sobre o bullying não pode ficar restrita apenas ao agressor, devendo sempre ser considerada a tríade de participantes: o agressor, que é aquele que vitimiza; a vítima, que é quem sofre repetidamente as consequências dos comportamentos agressivos; e os espectadores, que são aqueles que assistem às práticas, seja presencialmente ou de forma virtual, muitas vezes se calando por medo de sofrer represálias e serem as novas vítimas.

Todas as formas de bullying precisam ser combatidas, assim como todos os envolvidos precisam de orientação e de ajuda.

É importante considerar que não é apenas a vítima que deve receber apoio, os agressores também necessitam de orientação, assim como os espectadores, que desempenham um papel muito importante, sendo fundamental desenvolver a responsabilidade de que, ao presenciar uma cena de bullying, não se deve calar.

Os danos para quem sofre, para quem pratica e, mesmo para quem testemunha a violência, muitas vezes podem ser irreparáveis, devendo ser destacados: baixo rendimento acadêmico, problemas de autoestima, sensação de impotência, desenvolvimento de condutas delinquenciais, problemas psicossomáticos e transtornos emocionais graves (depressão; anorexia; bulimia; transtornos de ansiedade; ideação suicida; e suicídio).

Alguns sinais de alerta podem ser observados nos envolvidos no bullying: no caso das vítimas, muitas vezes, começam a apresentar baixo rendimento escolar, assim como fingem estar doentes para faltar à aula; outras, sentem-se mal justamente perto da hora de sair de casa.

Na escola, podem ficar isoladas e apresentar postura retraída em sala de aula, mostrando-se tristes, deprimidas ou aflitas.

Já os agressores também podem apresentar alguns indicativos, tais como pouca habilidade social e falta de empatia ao realizarem brincadeiras de mau gosto, às quais podem evoluir para gozações, risos provocativos, hostis e desdenhosos, assim como tentativas de dominação dos outros por meio de ameaças diretas ou indiretas, insultos, apelidos pejorativos e agressões físicas.

É necessário que pais e educadores observem atentamente as crianças e os adolescentes, uma vez que, por meio de observação atenta, escuta ativa e um canal sempre aberto ao diálogo, será possível perceber eventuais dificuldades e mudanças de comportamento, assim como identificar interesses e padrões de socialização.

A prevenção e o combate ao bullying são de responsabilidade de todos, devendo começar pelo exemplo que os adultos devem ser para crianças e adolescentes.

Eles aprenderão a respeitar as diferenças se conviverem em um ambiente pautado pelo respeito, solidariedade, generosidade e cooperação, no qual as diferenças são vistas como elementos que enriquecem a sociedade, livres de qualquer tipo de preconceito.

De nada adianta a simples punição aos agressores, ou apenas a proteção às vítimas, se a comunidade não se conscientizar de que o bullying é um fenômeno social e multifatorial e que, por isso, deve ser combatido desde sua raiz, o que implica o engajamento de todos na construção de uma sociedade mais plural e aberta à diversidade.

* Maísa Pannuti é psicóloga, mestre e doutora em Educação, especialista em Psicologia no Centro de Inovação Pedagógica, Pesquisa e Desenvolvimento (CIPP) dos colégios do Grupo Positivo. 

Para mais informações sobre bullying clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Central Press



Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder