Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Burocracia: veneno ou remédio?

Burocracia: veneno ou remédio?

22/06/2015 Marcos Morita

Você sente calafrios, tremores, raiva, arrepios, fobia ou pânico quando escuta ou pronuncia a palavra burocracia?

Creio que todo brasileiro tenha no mínimo uma experiência negativa para contar, entre filas, atestados, procurações, carimbos, reconhecimentos de firmas, desmandos, descasos, abusos de poder, idas e vindas a cartórios e repartições.

Um emaranhado de processos, procedimentos e requerimentos sem sentido, atrasando, engessando e atravancando a vida de pessoas físicas e jurídicas.

Imagine a dificuldade para explicar a um norueguês, alemão ou japonês os motivos de tanta demora para renovar seu visto de permanência, abrir uma empresa, conseguir uma licença ou alvará de funcionamento ou pior ainda, os caminhos alternativos para acelerá-los, utilizando-se de despachantes, contatos, influenciadores e suas mágicas propinas?

Não obstante as críticas, a teoria da burocracia criada pelo filósofo alemão Max Weber, em meados de 1940, tinha como objetivo a busca pela racionalização e a eficiência nas crescentes organizações que floresciam na época.

Para Weber, a burocracia baseava-se na formulação de procedimentos e processos escritos, os quais obedeciam a fluxos preestabelecidos e hierarquias rígidas, através de uma definição de cargos prévios, onde cada pessoa sabia exatamente o papel a desempenhar.

Talvez venham da formulação teórica os malefícios e desvantagens da burocracia, tais como a rigidez em seguir as regras e procedimentos a risca, a inflexibilidade em abrir concessões, a não utilização do bom senso para resolver problemas que fujam da rotina ou saiam do raio de atuação, assim como o descaso aos clientes, uma vez que a burocracia despersonaliza a relação, focando-se no cargo e na hierarquia.

Com a crescente concorrência e a globalização do final do século, as empresas viraram do avesso em busca de produtividade e agilidade. Michael Hammer surgiu como guru da época com sua teoria denominada “reengenharia” cujo mote principal era o fim da burocracia, cortando níveis hierárquicos de maneira indiscriminada (downsizing), reduzindo, eliminando e reestruturando processos e estruturas.

Que tal uma organização perfeita, sem processos, procedimentos, hierarquia, papéis, controles e registros, os quais tanto dificultam nossa vida? Apesar do foco no cliente e a boa vontade, seria praticamente impossível ou inviável atender a todas as solicitações com qualidade e eficiência.

Desnecessário seria comentar as fraudes e desvios, que em casos passados levaram à criação de leis especificas, como a Sarbanes-Oxley e comitês de governança corporativa. Isso já mandou muita gente graúda para a cadeia, como no caso americano Enron.

Apesar da dissonância, a burocracia pode ser positiva quando bem dosada e aplicada de maneira correta, trazendo rapidez e transparência, além de registros confiáveis e padronização, garantindo qualidade e eficiência às organizações e seu ecossistema.

Em suma, o que diferencia a burocracia boa da ruim é o excesso e a orientação ao cliente ou ao próprio umbigo. Infelizmente neste quesito vivemos o pior dos mundos: excesso de burocracia e total descaso ao cidadão por um lado, e fraudes, desvios e descalabros por outro. Isso contribui para a criação de mais leis e procedimentos, engessando ainda mais a pesada máquina do estado e retroalimentando o monstro da burocracia.

Como já dizia o ditado: a diferença entre um remédio e um veneno está só na dosagem. Enfim, o Ministério da Saúde adverte: burocracia demais faz mal a saúde!

* Marcos Morita é executivo, professor, palestrante e consultor.



Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan