Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Caminhos para o saneamento

Caminhos para o saneamento

10/11/2019 Luiz Pladevall

A Comissão Especial da Câmara dos Deputados aprovou no dia 30 de outubro a mais recente versão do projeto de lei (PL) do saneamento.

Apesar de todos os esforços e debates sobre o assunto, o texto final do PL parece estar muito distante de atender às demandas de 100 milhões de brasileiros sem tratamento de esgoto e outros 35 milhões sem água potável em suas moradias.

A nova proposta do marco legal não estabelece parâmetros para uma organização adequada do setor. Planejar deve ser imperativo para a expansão dos empreendimentos do saneamento no país e significa decidir antes e bem para fazer melhor a coisa certa, no tempo certo e ao custo adequado.

A nova proposta de marco legal impõe, por exemplo, aos prefeitos a elaboração dos planos municipais de saneamento até 31 de dezembro de 2022 sem prever nenhum apoio técnico e financeiro para o atendimento desta meta.

Infelizmente, 80% dos municípios brasileiros sequer contam com profissional de engenharia para orientar a elaboração de um plano de saneamento.

Cabe ao governo oferecer instrumentos, como já ocorreu no passado no período do Planasa (Plano Nacional de Saneamento), que garantiu a capacitação e qualificação dos recursos humanos, com 117 mil oportunidades de treinamento entre 1973 a 1986. Outra dificuldade está na “paternidade” do setor.

A SNSA (Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental) e a Funasa (Fundação Nacional de Saúde) dividem a responsabilidade pelo saneamento no país.

Por isso, o saneamento precisa de uma gestão centralizada e se transformar em uma política pública de Estado, independente do governo de plantão e da cor partidária do governante.

O novo PL traz metas ambiciosas até 2033. Neste período, 99% da população deve ter atendimento de água potável e 90% com coleta e tratamento de esgoto.

Mesmo que dispuséssemos de recursos financeiros para avançar nos empreendimentos de saneamento nessa velocidade, a cadeia produtiva não tem condições de atender à demanda. Sendo necessário um planejamento para isso, inclusive para formação de mão de obra.

O texto também traz como responsabilidade dos governadores a obrigatoriedade de definir os blocos a serem licitados. Para tomar essa decisão, eles precisam de pesquisas que ainda não foram realizadas.

O setor conta apenas com dados do SNIS (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento), que são preenchidos pelos próprios municípios e estão sujeitos a erros, até mesmo porque essas localidades não contam com profissionais habilitados para oferecer essas informações.

Para alcançar esses dados, é preciso um diagnóstico detalhado do saneamento por meio de uma auditoria amostral especificamente realizada para esse fim.

Um diagnóstico do setor é um instrumento para ser utilizado durante muito tempo e contribui para decisões mais precisas. Essas informações não atendem apenas ao setor público.

O setor privado será amplamente beneficiado e teremos uma ferramenta capaz de atender às necessidades de empreendimentos e melhorias operacionais.

Somente com o planejamento a partir de dados confiáveis, vamos conseguir avançar no saneamento. Esses são instrumentos básicos para a definição de projetos futuros e para alcançar uma justa tarifa que não onere o bolso do consumidor, mas que permita aos empreendedores estímulo para continuar com novos investimentos.

Da maneira como está, o novo marco legal compromete o futuro do saneamento do país, criando insegurança jurídica inclusive para a eventual participação do setor privado.

Enquanto isso, nos deparamos com a proliferação de doenças provenientes do saneamento inadequado, que causaram despesas na ordem de R$ 1 bilhão nos últimos cinco anos.

O saneamento precisa urgentemente se tornar uma política de Estado. O governo federal deve liderar esse processo, por meio de um planejamento que atenda às demandas nacionais e regionais, garantindo o efetivo crescimento da cobertura do saneamento no país.

* Luiz Pladevall é engenheiro, presidente da Apecs (Associação Paulista de Empresas de Consultoria e Serviços em Saneamento e Meio Ambiente) e vice-presidente da ABES-SP (Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental).

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



O bullying retorna a sala de aula

Os últimos anos trouxeram intensa mudança para o universo escolar.

O bullying retorna a sala de aula

Ser mãe é padecer… de cansaço?

Há um ditado que afirma que “ser mãe é padecer no paraíso”, remetendo às contraditórias emoções que seriam desencadeadas pelas vivências cotidianas da maternidade.

Ser mãe é padecer… de cansaço?

Polícia liberada para trabalhar como sabe

Os contumazes amantes da desordem e defensores intransigentes dos criminosos torceram o nariz quando o governador Rodrigo Garcia determinou o aumento do número de policiais nas ruas (a cidade de São Paulo aumentou de 5 mil para 9.740 o número de policiais em ação) e declarou que quem levantar arma contra a polícia vai levar bala.


Eleições e os bélicos conflitos entre os Poderes

O Presidente da República, Jair Bolsonaro, e, agora, as Forças Armadas estão aumentando a ofensiva contra a transparência e a segurança do processo eleitoral no Brasil.


Os amores de Salazar

O conceito que se tem de Salazar, é de político solitário, déspota e por vezes impiedoso. Mas seria o estadista, realmente, assim?


Expectativa de grande crescimento

Em função da pandemia causada pela covid-19, os anos de 2020 e 2021 foram bastante desafiadores, particularmente para a indústria de máquinas e equipamentos.


A importância da diversificação de investimentos em diferentes segmentos

Mesmo com os desafios impostos por dois anos de pandemia, o volume de investimentos para iniciativas brasileiras em 2021 foi expressivo.


Muito além do chip da beleza

Você, com certeza, nos últimos meses já ouviu falar do famoso “chip” da beleza.


Educação para poucos é o avesso de si

Intitulado “Reimagining our futures together: A new social contract for education”, um estudo recente da Unesco é categórico logo nas primeiras páginas: “Nossa humanidade e Planeta Terra estão sob ameaça”.


Mãe: Florescer é não se esquecer de viver!

Tenho experimentado que o “traço de mãe”, plantado por Deus no coração de cada mulher que Ele criou, vai além da capacidade de gerar filhos, biologicamente.

Mãe: Florescer é não se esquecer de viver!

Bullying: da vítima ao espectador

O bullying é um tipo particular de violência, caracterizado por agressões sistemáticas, repetitivas e intencionais, contra um ou mais indivíduos que se encontram em desigualdade de poder, gerando sofrimento para as vítimas, agressores e comunidade.


Desafios e oportunidades para o saneamento

Considerado um dos menos atrativos na infraestrutura, o setor de saneamento passa por uma profunda mudança de paradigma com a aprovação da Lei 14.026/2020.

Desafios e oportunidades para o saneamento