Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Carnaval com responsabilidade sexual

Carnaval com responsabilidade sexual

15/02/2012 Maria Helena Vilela

O carnaval chega e a campanha oficial do Ministério da Saúde, focada no público jovem homossexual, mostra que o preconceito deve enfrentado e ser direto na mensagem do uso do preservativo para homens jovens que fazem sexo com homens porque há uma redução de 50% a 60% no uso da camisinha nas relações casuais que acontecem muito no carnaval.

A campanha também terá peças para o público heterossexual, mas os dados oficiais mostram que de1998 a 2010, caiu em 20% o número de casos de HIV na população heterossexual de 15 a 24 anos, mas entre os homossexuais na mesma faixa etária houve aumento de 10,1%. O Instituto Kaplan, especializado no estudo da sexualidade, que trabalha intensamente com metodologias de prevenção de DST/Aids e gravidez na adolescência, recebe muitas perguntas sobre preservativo, desde como colocar até sobre tipos comercializados.

Em dezembro, durante o mês de prevenção da Aids, promovemos a exposição “Por dentro da camisinha”, que ensinou de modo interativo como colocar, qual a sensibilidade, textura e importância do preservativo como barreira às DST´s e gravidez. É preciso informar que a infecção pelo HIV se dá pelo contato direto com o sangue, o sêmen e as secreções vaginais, e isto pode acontecer no sexo oral, mas principalmente, na relação vaginal e no sexo anal. O ânus e a vagina são órgãos muito vascularizados, revestidos por um tecido delgado chamado de mucosa.

Na relação sexual, especialmente durante a penetração, o pênis provoca atrito na vagina ou no ânus, mesmo que a garota esteja lubrificada. Este atrito, por sua vez, causa micro-fissuras (aberturas muito pequeninas) nas paredes das mucosas, aumentando o risco de que o HIV presente no esperma entre na corrente sangüínea. Existem camisinhas de vários tipos e qualidades. Portanto, sempre haverá uma que se adéqüe ao seu parceiro.

Sexo é uma brincadeira de verdade. Quando a gente se machuca, a cicatriz fica para sempre. Nunca delegue o cuidado com o seu corpo. O corpo só tem um dono, e este é você. Quando você delega, o outro pode não priorizar os seus interesses, e principalmente sua saúde. Aproveite o carnaval com responsabilidade.

*Maria Helena Vilela é educadora sexual e diretora do Instituto Kaplan.



Onde está a boa educação?

Outrora, o idoso, era respeitado no local de trabalho e na sociedade.


Saneamento básico no Brasil

A infraestrutura que não chega ao esgoto.


Em novos tempos deve-se ter novas práticas

Na Capital fala-se muito em Menos Brasília, Mais Brasil.


Espiritualidade e alegria junina

Junho traz festas de três santos católicos: Antônio, casamenteiro. São João, profeta precursor de Jesus e São Pedro, único apóstolo que caminhou sobre as águas.


Missão do avô

Na família os avós são conselheiros dos pais e dos netos.


A importância das relações governamentais e institucionais

As relações governamentais e institucionais têm sido um instrumento de alta relevância para qualquer organização no atual momento político brasileiro.


Namoro na adolescência: fato ou fake?

O início da adolescência coincide com o final do Ensino Fundamental, fase em que desabrocham as paixões e, com elas, o convite: “quer namorar comigo?”.


Autobiografias: revelações das experiências em família

A curiosidade de muitas pessoas sobre a (auto) biografia de personalidades tem se tornado cada vez mais crescente, nos últimos anos.


What a wonderful world

Louis Daniel Armstrong foi um cantor e instrumentista nascido na aurora do século 20, e foi considerado “a personificação do jazz”.


A violência doméstica

Em Portugal, desde o início do ano, apesar de se combater, por todos os meios, a violência na família, contam-se já mais de uma dezena de mulheres, assassinadas.


O desrespeito ao teto constitucional e o ativismo judicial

O ativismo do Executivo e do Judiciário está “apequenando” o Legislativo.


Indicadores e painéis urbanos aliados à administração pública

A cidade com fatos visualizados está remodelando a forma como os cidadãos e gestores vêm a conhecê-la e governá-la.