Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Carreiras estruturadas estão desaparecendo

Carreiras estruturadas estão desaparecendo

26/11/2017 Claudia Regina Araujo dos Santos

Empresas precisam se adaptar a uma nova realidade e transformar a aprendizagem corporativa.

Com a chegada de novas tecnologias e as constantes mudanças no mercado de trabalho, o conceito de carreira está se transformando radicalmente dentro das empresas. No mundo digital, os empregadores precisam repensar a forma como lidam com o desenvolvimento de seus funcionários, que agora exigem mais flexibilidade e liberdade em suas escolhas profissionais.

De acordo com a pesquisa Tendências Globais de Capital Humano 2017, realizada pela consultoria Deloitte com 10 mil líderes empresariais e de RH de 140 países, as carreiras estruturadas estão prestes a desaparecer. O relatório apontou que 65% das empresas têm modelos de carreira abertos e flexíveis, 19% mantêm um modelo de carreira estruturado e 16% não têm modelo de carreira algum.

Neste ano, a necessidade de melhorar a carreira dos colaboradores e transformar a aprendizagem corporativa também apareceu como a segunda tendência mais importante da pesquisa, citada como urgente por metade dos entrevistados. Muitas empresas ao redor do mundo estão prestando atenção nessa nova realidade para atender aos anseios de seus funcionários.

De acordo com a consultoria, 70% das companhias estão redesenhando ou redesenharam recentemente toda a sua estratégia de carreira. Segundo a Deloitte, aquelas que possuem modelos de carreira mais dinâmicos tendem a se diferenciar da concorrência ao oferecer diversas oportunidades de aprendizagem e implantar uma cultura interna de desenvolvimento.

Mais de 80% dos empresários consultados afirmaram que sua organização está disposta a trocar uma progressão de carreira estática por modelos abertos, com tarefas, projetos e experiências mais enriquecedoras. No entanto, ainda são poucas as empresas que conseguem atender às necessidades da nova geração: apenas um terço dos chamados millenials acreditam que sua organização sabe aproveitar bem suas habilidades.

E essa realidade também pode ser vista pela voz dos empregadores: 70% deles afirmam que sua empresa ainda não tem as capacidades necessárias para se adaptar às mudanças do mundo digital. Nos próximos anos, o papel das organizações será criar um ambiente que permita aos funcionários um crescimento constante.

Ao contrário dos sistemas tradicionais, em que o profissional deveria seguir uma trajetória linear, novas trilhas de carreira têm surgido ao longo dos últimos anos. Um exemplo é a carreira em Y, em que é possível escolher entre um cargo gerencial ou te?cnico, ou a carreira em W, que prevê a possibilidade de carreiras paralelas como gestão de projetos. Para esse novo contexto em rede, os profissionais poderão seguir para diferentes lados.

Os funcionários, e não mais os líderes, decidirão o que precisam aprender com base nas necessidades de sua equipe e nas suas metas individuais de carreira. As novas tecnologias trarão diferentes experiências de aprendizagem, em um ambiente mais dinâmico e colaborativo.

Para atingir melhores resultados, as empresas precisam buscar inovações e estratégias para se adaptar ao novo cenário. Em um mercado cada vez mais competitivo, terão destaque aquelas que compreenderem as necessidades de seus colaboradores e conseguirem atender esse novo perfil de funcionário do século 21.

* Claudia Regina Araujo dos Santos é especialista em gestão estratégica de pessoas, palestrante, coach executiva e diretora da Emovere You.



Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder