Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Carteira Digital verde e amarela

Carteira Digital verde e amarela

27/11/2012 Felipe Regis Lessa

O termo “Belíndia” (combinação entre a pobreza da Índia e a riqueza da Bélgica) foi difundido pelo economista Edmar Bacha para explicar o Brasil da década de 70, marcado por uma profunda desigualdade social.

Hoje essa situação mudou para melhor: a economia brasileira se estabilizou e nunca houve tanta mobilidade social. Mas, quando se trata de mobile payment e o desenvolvimento de uma carteira digital, essa expressão ainda não faz certo sentido? Explico: hoje no mercado brasileiro temos iniciativas que caminham para a criação de uma carteira digital baseada na tecnologia Near Field Communication (NFC) inspirado em cases de países desenvolvidos.

Enquanto isso, em Brasília, se discute a regulamentação do mobile banking através do SMS. Apimentando esta história está ainda o fato da nossa rede de banda larga móvel ser uma das mais caras do mundo. Neste cenário complexo, a criação de um modelo híbrido parece mais palpável: de um lado teremos os smartphones com modernas aplicações utilizando NFC (claro, se o número de aparelhos crescer massivamente, hoje são apenas 6 modelos disponíveis com a tecnologia), e fechando a outra ponta, as transações via voz e SMS dos consumidores com celulares mais simples ou sem recursos para assinar um pacote de dados.

Estes dois lados da “Belíndia”, sem dúvida, formam um mercado repleto de oportunidades. De qualquer forma, seja qual for o modelo utilizado, um dos grandes desafios para emplacar uma carteira digital tupiniquim é conseguir equilibrar a equação entre segurança e a usabilidade do consumidor.

Hoje, os smartphones representam apenas 26% do mercado total de celulares e mais de 80% da população ainda possui aparelhos pré-pagos. Dessa forma, o NFC ainda é uma realidade distante para o Brasil, que vem caminhando para a adoção de plataformas multicanais mais democráticas como, por exemplo, o SMS e a URA (Unidade de Resposta Audível) que realiza transações através do celular com um software de reconhecimento de voz.

Em paralelo, os padrões de segurança vêm evoluindo, mas por ser um mercado relativamente novo, o setor ainda não possui as mesmas normas que outros meios de pagamento que estão no mercado há mais tempo. Uma forma de ampliar a segurança desse tipo de transação viria pela regulamentação do setor, que está atualmente em discussão em Brasília.

Uma medida que poderia tornar o mercado mais seguro é impor que todas as empresas do ramo tenham o selo do Programa de Segurança da Informação (Payment Card Industry, PCI). O PCI é um conjunto de regras de segurança da indústria de cartões que foi desenvolvido pelas bandeiras para aprimorar a proteção de dados sensíveis.

O programa é aplicado a todas as empresas que armazenam, processam ou transmitem dados do cartão de crédito. Mas os desafios não param por aí: ter a segurança não é garantia de sucesso, também é importante ser simples em termos de usabilidade para facilitar a adesão dos consumidores.

Afinal, tecnologia boa é aquela que passa despercebida no nosso cotidiano. Se esta equação conseguir ser equilibrada - seja o foco do produto na Índia ou na Bélgica -, já é meio caminho andado para que haja uma boa receptividade do mercado.

*Felipe Regis Lessa é Publicitário e jornalista de formação, atuou como planejador estratégico para marcas como Vivo, Claro e J&J.



Senado e STF colidem sobre descriminalizar a maconha

O Senado aprovou, em dois turnos, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) das Drogas, que classifica como crime a compra, guarda ou porte de entorpecentes.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes