Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Carteira Digital verde e amarela

Carteira Digital verde e amarela

27/11/2012 Felipe Regis Lessa

O termo “Belíndia” (combinação entre a pobreza da Índia e a riqueza da Bélgica) foi difundido pelo economista Edmar Bacha para explicar o Brasil da década de 70, marcado por uma profunda desigualdade social.

Hoje essa situação mudou para melhor: a economia brasileira se estabilizou e nunca houve tanta mobilidade social. Mas, quando se trata de mobile payment e o desenvolvimento de uma carteira digital, essa expressão ainda não faz certo sentido? Explico: hoje no mercado brasileiro temos iniciativas que caminham para a criação de uma carteira digital baseada na tecnologia Near Field Communication (NFC) inspirado em cases de países desenvolvidos.

Enquanto isso, em Brasília, se discute a regulamentação do mobile banking através do SMS. Apimentando esta história está ainda o fato da nossa rede de banda larga móvel ser uma das mais caras do mundo. Neste cenário complexo, a criação de um modelo híbrido parece mais palpável: de um lado teremos os smartphones com modernas aplicações utilizando NFC (claro, se o número de aparelhos crescer massivamente, hoje são apenas 6 modelos disponíveis com a tecnologia), e fechando a outra ponta, as transações via voz e SMS dos consumidores com celulares mais simples ou sem recursos para assinar um pacote de dados.

Estes dois lados da “Belíndia”, sem dúvida, formam um mercado repleto de oportunidades. De qualquer forma, seja qual for o modelo utilizado, um dos grandes desafios para emplacar uma carteira digital tupiniquim é conseguir equilibrar a equação entre segurança e a usabilidade do consumidor.

Hoje, os smartphones representam apenas 26% do mercado total de celulares e mais de 80% da população ainda possui aparelhos pré-pagos. Dessa forma, o NFC ainda é uma realidade distante para o Brasil, que vem caminhando para a adoção de plataformas multicanais mais democráticas como, por exemplo, o SMS e a URA (Unidade de Resposta Audível) que realiza transações através do celular com um software de reconhecimento de voz.

Em paralelo, os padrões de segurança vêm evoluindo, mas por ser um mercado relativamente novo, o setor ainda não possui as mesmas normas que outros meios de pagamento que estão no mercado há mais tempo. Uma forma de ampliar a segurança desse tipo de transação viria pela regulamentação do setor, que está atualmente em discussão em Brasília.

Uma medida que poderia tornar o mercado mais seguro é impor que todas as empresas do ramo tenham o selo do Programa de Segurança da Informação (Payment Card Industry, PCI). O PCI é um conjunto de regras de segurança da indústria de cartões que foi desenvolvido pelas bandeiras para aprimorar a proteção de dados sensíveis.

O programa é aplicado a todas as empresas que armazenam, processam ou transmitem dados do cartão de crédito. Mas os desafios não param por aí: ter a segurança não é garantia de sucesso, também é importante ser simples em termos de usabilidade para facilitar a adesão dos consumidores.

Afinal, tecnologia boa é aquela que passa despercebida no nosso cotidiano. Se esta equação conseguir ser equilibrada - seja o foco do produto na Índia ou na Bélgica -, já é meio caminho andado para que haja uma boa receptividade do mercado.

*Felipe Regis Lessa é Publicitário e jornalista de formação, atuou como planejador estratégico para marcas como Vivo, Claro e J&J.



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.