Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Caso Carolina Ferraz: a precariedade das leis na internet

Caso Carolina Ferraz: a precariedade das leis na internet

05/02/2015 Dane Avanzi

Nas últimas décadas a internet se consolidou como a Sociedade da Informação no âmbito mundial.

Repleta de ineditismos, a internet promete mudar muito nos próximos anos, seja por imposição do ecossistema nas indústrias de tecnologia que a sustentam, seja por vias legais e jurídicas que devem se adequar e reduzir o descompasso com o mundo digital - que viaja na velocidade da luz, enquanto a jurisprudência caminha a passos de formiga - na tentativa, muitas vezes vã e sempre tardia de corrigir injustiças. Chama-me atenção o desenrolar dos fatos no caso da atriz Carolina Ferraz, que teve seu nome registrado por uma empresa que comercializa domínios, sem sua prévia autorização.

Não bastasse ter seu nome artístico - que possui valor econômico - usurpado por terceiros, teve ainda esse registro associado a conteúdos pornográficos. A ação tramita na segunda instância da Justiça e tem grandes chances de ascender ao Supremo Tribunal de Justiça (STJ). Sabemos o quão desregulamentado e suscetível a ilicitudes encontra-se o ambiente virtual da internet, que rapidamente tem deixado de ser uma abstração e se integrado ao cotidiano das pessoas.

De fato, não é proibido a ninguém registrar um domínio na entidade Registro.BR ou nome próprio de pessoa comum ou personalidade. Ocorre que no âmbito da internet, esse domínio, quem chegar primeiro será o legítimo proprietário, o equivalente, em termos práticos, à Certidão de Nascimento, que confere personalidade jurídica a uma pessoa. Ora, se a internet nos possibilita fazer transações bancárias em tempo real, que tornou fatos tidos outrora como ficção científica, não consegue garantir segurança jurídica, tão básica ao cidadão, de fato, há muito trabalho pela frente para os operadores do direito e administração pública em geral, de modo a resgatar o velho ditado jurídico: onde está o homem, está a sociedade, onde está a sociedade está o direito.

Infelizmente, hoje o mundo cibernético é uma terra sem lei, não somente aqui no Brasil, mas em todo o mundo. Creio que essa situação somente vá mudar com a criação de regras internacionais e com a padronização de procedimentos capazes de garantir um ambiente mais seguro. Uma das discussões do processo é a responsabilidade da entidade responsável pelo registro ser obrigada ou não a checar se o domínio está sendo feito por quem é de devido direito. Hoje, o critério é quem registrar primeiro torna-se o dono do nome.

Acredito que esse critério deve ser revisto com urgência para evitar que situações como essa voltem a ocorrer, inclusive, já existe no ambiente jurídico, o registro de marcas e patentes industriais que protege bens incorpóreos. A internet veio para ficar e possui uma “estrutura fundiária” abstrata no sentido corpóreo, mas muito real no sentido econômico e financeiro. Portanto, a que se pensar com urgência numa nova ordem de relação jurídica virtual, consonante à sociedade da informação.

Quanto à falta de clareza das instituições jurídicas com a realidade, a discussão zetética, que foi objeto de estudo de Immanuel Kant, o mais proeminente filósofo da era moderna para as ciências jurídicas, receio que em tempos pós modernos se aprofundem ainda mais. Porém, acredito que após ser feita a transposição das realidades jurídicas formais e cibernéticas, uma nova ordem jurídica se estabeleça, comum aos dois ambientes, conciliando presente, passado e futuro.

*Dane Avanzi é empresário, advogado e vice-presidente da Aerbras - Associação das Empresas de Radiocomunicação do Brasil.



Trabalhadores de aplicativos: necessidades e vulnerabilidades diferentes

A tecnologia é uma realidade cotidiana irreversível. As plataformas, potencializadas pelos reflexos da pandemia da Covid-19, estão inseridas nas principais atividades da vida humana.

Autor: Ricardo Pereira de Freitas Guimarães


O que é direita? O que é esquerda?

O Brasil sofreu uma enorme polarização política nos últimos anos; mas afinal, o que é esquerda ou direita na política?

Autor: Leonardo de Moraes


Reparação mecânica e as tendências para 2024

No agitado mundo automotivo, as tendências e expectativas para 2024 prometem transformar o mercado de reparação de veículos.

Autor: Paulo Miranda


Política não evoluiu no período pós-redemocratização

O que preocupa é a impressão de que no Brasil não mais existem pessoas dedicadas, honestas e com boas intenções dispostas a entrar na política.

Autor: Luiz Carlos Borges da Silveira


Manifestação da paulista: exemplo de civilidade e democracia

Vivenciamos no último domingo, 25/02/2024, um dos maiores espetáculos da democracia.

Autor: Bady Curi Neto


Rio 459 anos: batalhas deram origem à capital carioca

Diversas lutas e conquistas deram origem à capital carioca. Começo pelo dia em que Estácio de Sá venceu uma grande batalha contra os nativos que viviam no território da atual cidade do Rio de Janeiro.

Autor: Víktor Waewell


Números da economia no governo Lula

Déficit de 231 bilhões de reais: um furo extraordinário.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


Lá vai Maria

Lata d’água na cabeça Lá vai Maria Lá vai Maria

Autor: Osvaldo Luiz Silva


O combate ao etarismo em favor da dignidade da pessoa idosa

É fundamental compreender que o envelhecimento é um processo natural e que todos nós, se tivermos a sorte de viver tempo suficiente, nos tornaremos idosos.

Autor: André Naves


Qual é o futuro do ser humano?

No planeta Terra a vida tem sido, em grande parte, moldada por materialistas que examinam a situação, planejam, estabelecem os objetivos e os põem em execução.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.