Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Chances de gravidez após laqueadura

Chances de gravidez após laqueadura

13/03/2018 Dr. Luiz Fernando Carvalho

A situação é mais comum do que se imagina.

Muitas mulheres que fizeram cirurgia de laqueadura, seja por arrependimento ou por que estão em um novo casamento, optam por fazer a fertilização in vitro como forma de conseguirem engravidar.

A boa notícia é que mulheres que fizeram laqueadura têm um bom índice de gravidez com o procedimento. Isso porque teoricamente as pacientes laqueadas não são inférteis, a infertilidade é iatrogênica, causada pela obstrução tubária cirúrgica.

Então não só podem como este é o único meio das mulheres que fizeram laqueadura poderem ter uma nova gestação. Outra boa notícia é que o tempo da laqueadura, se recente ou há mais tempo, também não interfere no tratamento. Às vezes a chance de gravidez diminui, mas em razão da idade da paciente e não pelo tempo da laqueadura.

Já com relação à vasectomia, quanto maior o tempo de realizada, menor a qualidade seminal. Apesar do fator idade não prejudicar tanto os homens, o tempo de vasectomia é importante para o sucesso da fertilização. Acima de 5 ou 10 anos é um tempo importante para a qualidade do sêmen.

Em ambos os casos, laqueadura ou vasectomia, após a FIV existe a possibilidade de reconstrução da trompa ou da vasectomia por cirurgia. Então os pacientes mantêm a contracepção garantida.

Atualmente existe a possibilidade de realizar FIV seja nos centros de reprodução particulares, seja no serviço público, SUS, ou até mesmo nas clínicas médicas de preços acessíveis.

Na Doktor´s, por exemplo, o tratamento chega a custar metade do preço. E temos atendido um número considerado de pacientes que procuram o tratamento após terem realizado laqueadura ou o marido, a vasectomia.

* Dr. Luiz Fernando Carvalho é especialista em reprodução humana e diretor clínico da Clínica Doktor´s.



O Papa e a homossexualidade

O Papa Francisco declarou que as uniões homossexuais devem ser legalmente reconhecidas.


O PIB e os processos migratórios do ensino superior

As vidas de Alexandre e Letícia se encontraram quando se conheceram em uma grande universidade particular da capital paranaense – ela cursava Comunicação e ele, Engenharia.


Falsos profetas da renda variável

Os juros sempre foram altos no Brasil.


Mutilações Subjetivas: Holocausto Escolar

Indignar-se! Envergonhar-se! Esperançar-se! Já dizia o poeta Walter Franco, “viver é afinar o instrumento (que somos nós!), de dentro pra fora, de fora pra dentro”.


Longevidade e perspectivas na oncologia

As campanhas como Outubro Rosa e Novembro Azul têm o papel essencial de alertar a população para as doenças oncológicas.


Um verdadeiro estadista

Agora, aos 85 anos, completados em maio, a pandemia fez com que Mujica decidisse pela renúncia a um cargo que, como explicou, exige muito contato com a população.


A participação política dos profissionais da educação

Precisamos ser voz daqueles que não tem voz, usar nossa influência para que os parlamentares saibam que sem o voto, eles não podem continuar na vida pública.


O Líder da Consciência Empresarial Humanizada

Iniciei este trabalho sem muita clareza sobre o tema “Quem são os nossos líderes no mundo novo?”.


Aprender português com o Eça

Não sou filólogo nem purista, nem sequer escritor. Limito-me a ser modesto cronista, e deixo fugir – para minha vergonha, – calinadas, que muito me desgostam.


Uma paz ruim é melhor do que uma boa guerra

Em uma edição recente de um jornal, o Embaixador do Azerbaijão fez um esforço para justificar a agressão de seu país – a guerra mais feroz por enquanto do século XXI – contra Nagorno-Karabakh.


O stress e a inadimplência

O cenário econômico brasileiro não é dos melhores.


Fatos, opiniões e a sorte da Democracia

Comecemos com uma afirmação: “verdade é aquilo que não podemos modificar”.