Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Check-in do ROI: o que podemos melhorar usando a Indústria 4.0?

Check-in do ROI: o que podemos melhorar usando a Indústria 4.0?

17/03/2022 Rodney Repullo

O retorno sobre o investimento (ROI) é um tema importante para as indústrias de pequeno e médio portes interessadas em investir em melhorias operacionais no chão de fábrica e avançar com a sua transformação digital.

Independentemente de quanto sua equipe planeja investir na transformação digital, esse investimento deverá, certamente, impactar positivamente o resultado financeiro da empresa.

Recentemente, os investimentos na digitalização no chão de fábrica se concentraram em um tema ainda mais quente e que ainda se manterá na pauta da inovação: Indústria 4.0.

Esta quarta revolução industrial utiliza computadores e sensores para capturar dados valiosos da produção que podem ser usados para aumentar a eficiência e, consequentemente, a lucratividade da indústria.

O ROI da Indústria 4.0 pode parecer menos tangível para a manufatura, pois as melhorias dependem de um melhor uso dos dados.

As modernas tecnologias inteligentes para coleta de dados podem ser transformadas em inteligência acionável, em vez de simplesmente adicionar uma nova peça de automação. Em última análise, se os dados não estão sendo medidos com precisão, eles não podem ser melhorados.

Ao considerar o potencial ROI na implementação da Indústria 4.0, há algumas áreas-chave para se concentrar a atenção.

Acesse os principais indicadores de desempenho (KPIs)

Estas são as quatro áreas em que os fabricantes de médio porte observarão um retorno sobre o investimento da implementação da Indústria 4.0: 

- qualidade do produto

- disponibilidade da máquina

- eficiência (ou seja, tempo de ciclo e eficiência da mão de obra)

- consumo de energia.

Ao acompanhar de perto os KPIs antes, durante e após a implementação da IND 4.0, as indústrias podem demonstrar ROI comprovado.

Os KPIs também podem destacar áreas que se beneficiaram da tecnologia inteligente para melhorar o seu desempenho.

Mesmo que a sua implementação não garanta um retorno para o resultado final, ainda assim poderá haver benefícios qualitativos para a organização.

Qualitativamente, a Indústria 4.0 fornece dados melhores em tempo hábil, o que pode beneficiar mais do que apenas lucros.

Estabeleça os maiores pontos problemáticos da produção

As indústrias querem conhecer as melhores estratégias para implementar a Indústria 4.0 para aumentar a sua eficiência.

O segredo é focar em áreas no chão de fábrica onde a falta de eficiência pode prejudicar muito a produtividade e as margens de lucro. A Indústria 4.0 pode ser feita em peças pequenas, então nem tudo precisa ser alterado de uma só vez.

Ao visar os maiores pontos problemáticos no chão de fábrica, é possível usar dados acionáveis para melhorar o desempenho enquanto demonstram ROI para custos de fabricação inteligentes.

Períodos curtos de mudança, como incrementos de 90 a 120 dias, devem ser usados e medidos em relação a esses pontos problemáticos, para que se possa avançar para a transformação digital sem gastar muito.

Descubra o que a Indústria 4.0 significa para seus funcionários

O último relatório do Bureau of Labor dos EUA mostrou uma diminuição acentuada de novas contratações no setor manufatureiro desde maio de 2020 e muitas fábricas estão lutando para manter a retenção de funcionários.

O fato é que a implementação da Indústria 4.0 significa que os funcionários não terão que capturar pontos de dados com lápis e papel, o que melhora a precisão dos dados.

Esta melhoria na precisão dos dados traz uma qualidade consistente do produto e menos reclamações no chão de fábrica.

A eficiência e a tecnologia certa são importantes para todos, especialmente para os operadores de equipamentos de fabricação, pois isso afeta seu trabalho diário.

Ainda de acordo com o relatório da Eurofound (2019) Future of Manufacturing in Europe Research (Serviço de Publicações da UE, Luxemburgo), “as estimativas macroeconômicas indicam que um novo aumento das tarifas globais terá um impacto mais severo para os empregos na União Europeia que em outras regiões e apontam  uma queda de 0,3% no emprego na continente europeu até 2030. De todos os setores, a manufatura tem o maior declínio percentual, de 1,1%”.

O Brasil também deve estar atento a isso, mas não deve abrir mão dos investimentos na inovação e melhoria da produtividade industrial.

Isso também significa que é provável que as indústrias sejam particularmente sobrecarregadas quando se trata de mão de obra nos próximos anos, com a produção prevista para permanecer alta, apesar do menor número de postos de trabalho utilizados.

Com a implementação da Indústria 4.0 os funcionários não terão que capturar pontos de dados com lápis e papel, o que melhora a precisão dos dados. 

Uma melhoria na precisão dos dados traz uma qualidade consistente do produto e menos reclamações no chão de fábrica.

A eficiência e a tecnologia certa são importantes para todos, especialmente para os operadores de equipamentos de fabricação, pois isso afeta seu trabalho diário.

Implementando planos para garantir o ROI

O próximo passo é adotar as ferramentas certas para garantir que a mudança para a Indústria 4.0 seja produtiva e lucrativa em termos de ROI.

Esse processo pode ser feito em um curto espaço de tempo (em alguns meses) se as indústrias adotarem as metodologias de sprint (baseadas em Agile).

Isso envolve avaliar rapidamente a qualidade atual da máquina e os recursos de coleta de dados, antes de incorporar novas tecnologias que facilitam muito a unificação e a análise de dados em vários sistemas diferentes.

Isso deve ser feito a partir da integração dos sistemas envolvidos para garantir a qualidade dos dados e maior capacidade de sincronização dos dados entre as aplicações usadas em toda a cadeia de produção, estoque, vendas e distribuição. 

Como resultado, este processo oferece uma gama muito maior de insights acionáveis disponíveis para os negócios, o que se traduz em ROI aprimorado a longo prazo.

Colhendo os frutos do trabalho duro e finalizando, grandes investimentos devem apresentar grandes resultados.

Ao implementar a Indústria 4.0, as indústrias devem rastrear os KPIs, direcionar as áreas mais fracas e melhorar a experiência dos funcionários para demonstrar um ROI comprovado.

Ao não implementar a tecnologia correta para a Indústria 4.0, corre-se risco de incorrer em um custo de inação (COI), que é o custo da oportunidade perdida. Hábitos históricos no chão de fábrica também podem afetar o resultado final.

Embora um processo sempre tenha sido sempre executado de uma certa maneira, temos que buscar novas formas de tornar a tarefa mais eficiente.

A inação pode parecer mais segura, mas não constrói um chão de fábrica mais forte e irá prejudicar sua competitividade.

* Rodney Repullo é CEO da Magic Software Brasil.

Para mais informações sobre investimentos na digitalização clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: FonteMidia Americas



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli