Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Churrascaria é um bom negócio?

Churrascaria é um bom negócio?

26/09/2014 Izaias Berni

Somente a cidade de São Paulo abriga cerca de 500 churrascarias, segundo dados da Associação Brasileira de Gastronomia, Hospedagem e Turismo (Abresi).

Muitos acreditam que esse mercado perdeu espaço no Brasil depois da chegada dos restaurantes japoneses, mas, ainda que a cozinha oriental venha cada vez mais caindo no gosto das pessoas, ninguém dispensa o bom e tradicional cardápio das churrascarias. Há muitos anos à frente de uma indústria que atende esse setor, posso dizer que ele é potencial para o mercado food service.

Uma tendência chamada “sensorialidade e prazer” reforça que esse mercado tende a crescer e ainda é uma boa opção de investimento. Esse movimento significa “prazer em comer” e é isso o que as redes de churrascarias buscam oferecer ao cliente: pratos selecionados, ambiente agradável e atendimento premium. É na churrascaria que famílias se reúnem para celebrar acontecimentos, casais comemoram datas especiais e empresas realizam eventos corporativos.

Participando ativamente desse universo, ressalto que as churrascarias estão atentas ao novo perfil do consumidor e buscam agregar tecnologia em todos os processos de produção e atendimento. Elas estão inserindo em suas cozinhas equipamentos que garantem agilidade, desempenho e segurança no preparo das refeições servidas.

Com novas opções culinárias surgindo e chegando ao país, é necessária muita expertise para se manter firme no cenário gastronômico brasileiro. Mas, assim como o Brasil é diversificado e acolhedor, o mercado food service também é, e, com certeza, há muito espaço para novos negócios associados ao churrasco.

*Izaias Berni é diretor comercial da Cozil, indústria que há 29 anos cria e desenvolve equipamentos para cozinhas profissionais.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.