Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Cibersegurança e as prioridades de Telecomunicações

Cibersegurança e as prioridades de Telecomunicações

05/02/2021 Anderson França

Entre os grandes impactos da ascensão das tecnologias digitas, um dos que mais afetaram a rotina do planeta é a facilidade que temos para que novos serviços e ofertas sejam criados diariamente.

Por meio de sistemas colaborativos e da Nuvem, por exemplo, estamos avançando rapidamente em demandas que até pouco tempo atrás pareciam impossíveis.

O outro lado da moeda, no entanto, é que a digitalização também tem feito com que a proteção das informações se tornasse uma tarefa cada vez mais complexa e fundamental para todos.

É esse panorama, agora, que tem colocado as empresas de telecomunicações e prestadoras de serviços (como as provedoras de Internet) em uma posição-chave em relação às demandas por proteção de dados.

Afinal de contas, é por meio dos serviços dessas companhias que empresas e pessoas estão, ininterruptamente, movimentando suas informações.

Para acompanhar a digitalização, as companhias de Telecom e provedoras de serviços na área estão investindo em uma grande mudança no modelo de negócios do segmento de telecomunicações – que inclui cada vez menos o telefone em si, diga-se -, permitindo avanços e inovações com enorme potencial para transformar a comunicação das pessoas e a realidade dos negócios a partir das telecomunicações.

Alguns exemplos desse processo evolutivo são a criação de APIs que facilitam a troca de informações entre consumidores e empresas, uso de ferramentas de Internet das Coisas e Inteligência Artificial para o gerenciamento de cadeias de suprimentos e, ainda, as redes 5G, que certamente ajudarão a escalar inúmeras oportunidades que, atualmente, sequer podemos imaginar.

Todos esses avanços são importantes. No entanto, a verdade é que elas não bastam, e precisam incluir a segurança das informações.

Está na hora de fornecedoras e prestadoras de serviços de Telecom entenderem a importância da cibersegurança e ampliarem suas camadas de proteção disponíveis para os clientes, também nas relações de B2B.

Em paralelo às possibilidades de inovação, portanto, é essencial que as companhias também reinventem seus modelos do ponto de vista da segurança cibernética, agregando valor às ofertas a partir de opções que ampliem a proteção disponível para atender o mercado B2B em sua demanda por confiabilidade, eficiência e disponibilidade.

Até porque, vale sempre destacar, à medida que os serviços avançam, os consumidores também serão obrigados a buscar soluções que, de fato, ajudem a garantir mais proteção aos dados de seus próprios negócios.

A transformação digital do mercado traz diariamente avanços e riscos. E esse é um ponto no qual as empresas de telecomunicações e a cadeia de oferta de serviços associada a esse segmento não podem mais negligenciar, se quiserem manter a confiança dos clientes.

Além de operar redes complexas e armazenar grandes quantidades de dados confidenciais associados a indivíduos e empresas, essas organizações devem agir rapidamente para mitigar as brechas e dirimir as vulnerabilidades que porventura possam colocar em risco as equipes e consumidores.

Isso passa, no caso, por ampliar seu olhar e incluir a cibersegurança como um componente estratégico de suas ofertas.

Assim como os cibercriminosos estão continuamente aprimorando e evoluindo suas capacidades para explorar novas vulnerabilidades, os líderes de negócios das companhias de Telecom e das fornecedoras do ecossistema como um todo precisam se preparar recorrentemente para lidar com essas ameaças e proteger o cliente de maneira nativa e constante.

Evitar problemas exigirá aquisição de talentos e esforços de investimento com uma oferta que não contemple apenas um lado da história – mas também consiga proteger os ativos de ameaças e vulnerabilidades.

A indústria de telecomunicações sempre esteve e está na vanguarda da inovação tecnológica, alavancando tecnologias dos mais diversos tipos. Será assim, mais uma vez, com as inovações da Internet das Coisas (IoT), Nuvem e 5G, entre outras.

Agora, porém, elas também são chamadas a considerar soluções de segurança cibernética para melhorar seus serviços e atender seus clientes de forma efetiva.

A pandemia do coronavírus acelerou muitas mudanças, e a segurança digital certamente será cada vez mais uma prioridade empresarial. Afinal, vivemos hoje no mundo conectado e on-line que sempre desejamos.

Com proteção, os avanços tecnológicos podem nos levar a um outro patamar de resultados e de produtividade. Resta saber se alguém ainda vai querer corres riscos nessa jornada

* Anderson França é CEO da Blockbit.

Para adquirir LIVROS clique aqui…

Fonte: Planin



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques