Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Classe C quer fazer intercâmbio

Classe C quer fazer intercâmbio

19/06/2014 Ana Luisa D'Arcadia de Siqueira

O início do processo de melhor distribuição de renda no Brasil trouxe um novo comportamento no consumo brasileiro.

Com o aumento do poder de compra da classe C, o cenário mudou e, quem antes não tinha acesso a determinados produtos e serviços, hoje pode usufruir de produtos que eram distantes de sua realidade e até buscar serviços que ajudem na especialização e contribuam para a própria ascensão social ou dos filhos.

Hoje a classe C brasileira é representada por 108 milhões de pessoas que somam 54% da população do país. Segundo dados do Serasa Experian, se fosse um país seria o 12º mais populoso do mundo e o 18º em consumo. E esse “país” gastou R$ 1,17 trilhão e movimentou 58% do crédito do Brasil no ano passado. O intercâmbio cultural, antes visto como sonho distante para esta parcela da população está se tornando uma realidade na vida de muitos integrantes da classe C.

Com o aumento do poder de consumo, pacotes com valores mais acessíveis e forma de pagamento facilitada, o intercâmbio cultural hoje pode ser considerado um sonho possível na vida dos brasileiros. E por que o interesse em fazer um intercâmbio cultural cresceu? Além do fato de estar mais próximo da realidade dos brasileiros, viver uma experiência no exterior traz grandes benefícios na vida profissional. Falar um segundo idioma é indispensável para assumir bons cargos em grandes empresas.

Mas os benefícios são ainda maiores na vida pessoal. Viver longe do conforto do lar proporciona um grande amadurecimento. É necessário vencer barreiras, resolver problemas sozinho, e o que parece ser negativo, na verdade traz segurança e uma sensação de liberdade que encanta os alunos. A bagagem cultural que se adquire vivendo no exterior é muito importante para o futuro do estudante. Considerando que apenas 23% da classe C domina um segundo idioma, o intercâmbio cultural pode ser um diferencial na hora da busca por um emprego.

Além do segundo idioma, muitas empresas consideram a experiência no exterior um importante fator na escolha de novos profissionais. Por todo o potencial que a classe C representa como consumidor, algumas agências de intercâmbio estão apostando nesse mercado. E como isso é possível? Montando pacotes de intercâmbio mais acessíveis, parcelando o valor, dando um atendimento personalizado (muitos alunos nunca viajaram de avião) e indicando bancos que oferecem o serviço de financiamento.

A Global Study, fundada em 2007, tem a classe C como principal consumidor e acredita que o intercâmbio é indispensável para enriquecer o país, já que o estudante pode aplicar os aprendizados adquiridos no exterior em sua área de atuação no Brasil. Democratizar o intercâmbio cultural é o objetivo da empresa que luta para que a população de todas as regiões do Brasil possa ter acesso a essa experiência.

Pelo enriquecimento cultural e por todos os benefícios na vida pessoal e profissional que uma experiência no exterior pode trazer para a vida de uma pessoa, cada vez mais, a classe C quer fazer intercâmbio. E com o aumento do poder de compra e as facilidades para adquirir este serviço, com um bom planejamento pessoal, esse sonho antes distante para esta parcela da população, está mais perto de se transformar em realidade.

*Ana Luisa D'Arcadia de Siqueira é diretora de marketing da Global Study, franquia de intercâmbios.



O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder


O gato que caiu dentro das latas de tinta

Todas as histórias começam com Era uma Vez… A minha não vai ser diferente.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre