Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Clube dos Céticos X Clube dos Esperançosos

Clube dos Céticos X Clube dos Esperançosos

30/08/2015 Roberto Ellery

Hoje fui surpreendido por um trecho de um debate entre Alexandre Schwartsman e Luís Carlos Mendonça de Barro.

Em um trecho, Schwartsman fala de uma visão um tanto ingênua (o trecho começa após a descrição da tal visão, mas no restante do vídeo é possível imaginar qual seja) e Mendonça de Barros toma as dores de quem a possui e coloca Schwartsman em um Clube dos Céticos.

Segundo Mendonça de Barros, o clube seria formado por pessoas que acham que o Brasil está fadado a dar errado. O termo fadado me pareceu demasiado forte, talvez possa ser explicado pelo calor do momento, mas se no lugar de fadado Mendonça de Barros tivesse dito pessoas que acreditam que o Brasil está condenado a dar errado em um horizonte de tempo onde é possível fazer previsões eu, mesmo sem ter sido convidado, me colocaria como parte do clube.

Como fica claro no trecho, Mendonça de Barros não apenas não pertence ao Clube dos Céticos como é um crítico do Clube, sendo assim vou tomar a liberdade de dizer que Mendonça de Barros faz parte do Clube dos Esperançosos.

Antes de seguir adiante creio que devo fazer um registro. Quem me acompanha aqui no blog ou no FB já me viu fazer críticas duras a colegas de profissão que passaram por governos desastrosos e aparecem e vez em quando para dar conselho esquecendo as bobagens que fizeram.

Exemplos são economistas que participaram de equipes econômicas que congelaram preços dando lições de como combater a inflação. Não coloco Luís Carlos Mendonça de Barros nesta lista; é verdade que discordo de várias ideias de Mendonça de Barros e tenho várias críticas ao governo FHC, inclusive a forma como foram feitas as privatizações, mas vejo o saldo dos governos FHC como extremamente positivo.

Só o fim da inflação descontrolada seria motivo para listar o governo FHC como um dos melhores que já tivemos e (quase) me fazer ficar arrependido de ter anulado meu voto em 1994 e 1998, mas, além da estabilização, os governos FHC nos legaram as privatizações, reformas e uma política econômica que perdurou até 2010, marcando um período de crescimento, estabilidade de preços e redução de pobreza como poucas vezes registrado na história.

Mendonça de Barros não é um daqueles economistas que meu amigo Adolfo Sachsida bem chamou de economistas do fracasso, mas ele é parte do Clube dos Esperançosos e eu sou (ou pelo menos quero ser) do Clube dos Céticos.

Como todos sabemos, jogo é jogo e quando a bola está rolando não há espaço para elogios nem cuidados além dos que já tomei nesse parágrafo de preliminares. O Clube dos Céticos costuma ser duramente cobrado e acusado nos tempos de bonança, principalmente por empresários, políticos que ocupam o poder e, pior de todos, pelos apoiadores dos políticos que ocupam o poder.

Já os esperançosos costumam ser cobrados em momentos de crise como o que estamos vivendo. Sendo eu membro ou pelo menos aspirante ao Clube dos Céticos, não vou perder a oportunidade de pegar no pé de Mendonça de Barros, o homem do Clube dos Esperançosos.

Comecemos por um texto publicado no Valor Econômico em janeiro de 2012. No texto, Luís Carlos Mendonça de Barros aponta o ativismo econômico do governo Dilma como uma possível fonte de problemas e faz referências ao arcabouço teórico de economia de Dilma que seria mais claro e sofisticado que o de Lula. Ironias à parte, o trecho que quero destacar do artigo é o seguinte:

“Nas minhas palestras e encontros com investidores e empresas – no país e no exterior – tenho citado este fato para mostrar que considero o Brasil o mais estável e seguro dos Brics. E digo ao leitor do Valor que esse ponto marca muito a opinião de meus ouvintes.”

Leiam o texto com cuidado e vejam como é difícil encaixar o trecho acima na análise que o autor realiza, fosse Mendonça de Barros um membro do Clube dos Céticos a análise que fez no texto o levaria a não recomendar o Brasil ou pelo menos recomendar com muita cautela.

Como ele é do Clube dos Esperançosos, chegou a conclusão contrária e listou o Brasil como o “mais estável e seguro dos Brics”. Basta olhar a trajetória do câmbio para ver que os investidores que seguiram o conselho de Mendonça de Barros devem estar bastante contrariados… Ainda em janeiro de 2012 Mendonça de Barros escreveu para o UOL um texto chamado “Minha Bola de Cristal para 2012”, onde dizia que:

“No caso do Brasil, mantenho a visão de que vamos continuar crescendo entre 3% e 3,3%, com uma taxa menor nos dois primeiros trimestres do ano e uma aceleração na sua segunda metade.”

Em 2012 a economia brasileira cresceu 1%! No mesmo texto ele justifica o prognóstico dizendo que:

“A fonte principal do crescimento continuará a vir do consumo interno, sustentado pelo aumento dos salários, do emprego e do crédito ao consumo. Nesse cenário, o Brasil vai continuar a receber volumes expressivos de investimentos internacionais e, com isso, conseguir complementar nossa escassa poupança interna e permitir manter um nível decente de investimentos.”

Olhando de 2015, me parece justo dizer que, se não estivesse tomado pelo espírito do Clube da Esperança, o autor não teria feito nem a previsão que fez, nem muito menos teria dado a explicação que deu para previsão. Um pouquinho de ceticismo teria permitido a Mendonça de Barros concluir que as distorções na microeconomia que ele bem apontou no texto do Valor, publicado no mesmo mês do texto do UOL, impediriam tanto o crescimento previsto quanto inviabilizariam o funcionamento da lógica descrita no trecho acima. Sigamos para 2014. Em janeiro daquele ano Mendonça de Barros em entrevista ao Valor Econômico reproduzida em várias páginas na internet afirmou que:

“A expectativa errada foi criada por analistas que achavam que estávamos à beira do precipício. Eu nunca comprei essa teoria, portanto esse número não me causa surpresa. Mas se a economia cresceu 2,3% no ano, ao se pegar o quarto trimestre de 2013 contra o quarto de 2012, o crescimento já é menor, de 1,9%. O que quer dizer que, na ponta, a economia já está desacelerando, por isso a previsão para 2014 é de alta de 1,7% ou 1,8%. Ao se olhar a curva das vendas do varejo, que é uma proxy do consumo, ela vinha crescendo 10% em termos reais entre 2010 e 2011, e hoje cresce 4%. A terapia é correta. Mas isso leva a um crescimento mais baixo.”

Em 2014, a economia só não teve crescimento negativo por conta de uma mudança na metodologia de cálculo do PIB feita pelo IBGE. Mesmo com a mudança, o crescimento foi de 0,1%. Um cético teria aprendido com o erro de 2012 e não teria dado a seguinte declaração a respeito dos que acertadamente previam que 2014 seria um ano muito ruim:

“Pessimismo é exagerado porque boa parte dos agentes substituiu o cérebro pelo fígado e essa é a pior coisa que pode acontecer para um analista econômico.”

Quem diria… Ou o fígado pensa melhor do que o cérebro ou não eram bem os pessimistas que estavam pensando com o fígado. Novamente acredito que um pouco mais de ceticismo ou pessimismo e um pouco menos de esperança fariam bem.

Mendonça de Barros teria visto claramente que os erros no setor energético e no superávit primário eram maiores, mais desastrosos e tinham mais companhias do que olhos dominados pela esperança poderiam enxergar. Deixei o trecho mais marcante para o final.

O texto não era exatamente sobre o Brasil e sim um conjunto mais amplo de países compostos pelos Brics mais Argentina, Chile, Indonésia e Turquia. O trecho é de umtexto publicado no Valor Econômico e reproduzido em vários blogs; leiam com atenção:

“Tenho manifestado minha opinião de que não acredito no cenário de catástrofe que os mercados vêm precificando. Repito aqui a mesma confiança nos ajustes não traumáticos – induzidos pela ação dos governos – pelos quais passam de tempos em tempos as economias de mercado. Construí esta forma de encarar estes tremores a partir do pensamento e reflexões de Lord Keynes. E não me arrependi dela ao longo de toda a minha carreira no mercado financeiro, como personagem e analista.”

Particularmente acredito que, em relação ao Brasil e outros países da lista, os mercados pecaram por excesso de otimismo, mas essa é uma discussão longa. Ao contrário dos outros trechos que citei nesse post, o trecho acima não é facilmente desfeito com uma olhada rápida nos dados.

É um trecho onde é feita uma declaração de confiança na capacidade dos governos de evitarem crises, inclusive em países como Brasil e Argentina. Na leitura de um cético, me parece um caso clássico onde a esperança vence a experiência, uma declaração comparável à do sujeito que, indo para o oitavo casamento, afirma confiar na capacidade de os laços matrimoniais resolverem crises conjugais.

* Roberto Ellery é professor de Economia da Universidade de Brasília (UnB) e colunista do Instituto Liberal.



Uso consciente do crédito pode ajudar a girar o motor da economia

Muita gente torce o nariz quando o assunto é tomar empréstimo, pois quem precisa de crédito pode acabar não conseguindo honrar essa dívida, tornando esse saldo devedor uma bola de neve.


Voltar primeiro com os mais velhos: mais autonomia e continência

Nunca pensei que chegaria esse dia, mas chegou! Um consenso global sobre o valor da escola para as sociedades, independentemente do seu PIB.


Adolescentes, autoestima, família: como agir, o que pensar?

A adolescência é um tempo intenso, tanto pelo desenvolvimento físico, quanto neurológico, hormonal, social, afetivo e profissional.


Digital: um tema para o amanhã que se tornou uma demanda para ontem

Durante muito tempo, a Transformação Digital foi considerada uma prioridade para o futuro dos negócios.


Compliance como aliado na estratégia ESG das organizações

A temática que atende aos princípios ambientais, sociais e de governança, ou seja, o ESG (Environmental, Social and Governance), está em forte evidência.


A humanização da tecnologia no secretariado remoto

A tecnologia deu vida a inúmeras oportunidades de negócios, como o trabalho à distância.


Bolsa vs Startups. Porque não os dois?

Vivemos um momento de grandes inovações e com os investimentos não é diferente.


Os pecados capitais da liderança

“Manda quem pode, obedece quem tem juízo.”


“Pensar Global, Agir local”: O poder do consumo consciente

A expressão “Pensar Global e Agir local” já é lema em muitas esferas de discussões políticas, econômicas, sobre sustentabilidade e solidariedade.


Vencido o primeiro desafio da LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) regulamenta o tratamento de dados de pessoas físicas nas suas mais variadas aplicações e ambientes.


Telemedicina, fortalecimento do SUS e um primeiro balanço da pandemia

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, alertou Camões. Todo o mundo é feito de mudanças.


Médico: uma profissão de risco

Estudar medicina é o sonho de muito estudantes, desde o cursinho o futuro médico se dedica a estudar para conseguir entrar no super concorrido curso de medicina.