Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Coaching: ferramenta de orientação vocacional

Coaching: ferramenta de orientação vocacional

28/11/2014 Marcelo Cardoso

Vivemos em uma época em que os acontecimentos são compartilhados rapidamente. Um mundo globalizado onde você sabe até mesmo o que a sua vizinha comeu ontem no jantar.

E os jovens? Vivenciam esse mundo com muito mais tranquilidade do que os adultos, é claro, é a fase deles. Mas a quantidade de informações e a velocidade faz com que, muitas vezes, surjam dúvidas em relação a tudo. Sabemos que ao mesmo tempo em que os filhos estão mais conectados e mais cientes dos acontecimentos do mundo, eles também estão mais distraídos e superficiais. Tudo muda muito rápido, com a mesma velocidade de um “tuite”. Então, como escolher o futuro profissional diante de tantas opções e informações?

Como saber o que querer para o resto da vida se é difícil decidir entre ouvir música, sair com amigos, ficar em casa na internet? Fico imaginando o que deve passar na cabeça deles. Mas, as coisas não são tão ruins quanto parecem. Também já vivenciamos isso, em uma época diferente, em um cenário diferente, mas no final, deu tudo certo, correto? Para saber o caminho a ser seguido é preciso parar e estudar, antes de tudo, as aptidões. Estudar as aptidões, os interesses e as habilidades pode dar um indicativo do que se quer fazer.

Um outro passo é conversar, buscar pessoas nas áreas que chamam a atenção, ir até seus locais de trabalho e entender a rotina. Muitas vezes, o contato direto com aquilo que “pensa que quer fazer” muda totalmente quando se tem um contato real. Mas, se a situação ficar realmente complicada, a melhor saída é a busca por um especialista. Existem algumas opções no mercado, mas a que quero tratar aqui é o coaching. O coaching usa ferramentas que conduzem o jovem a refletir não somente sobre aquilo que gostaria de fazer - baseado em suas aptidões, mas também sobre o mercado de trabalho, remuneração, os desdobramentos que a escolha possa causar em sua vida.

Muitos jovens acabam escolhendo a profissão da moda ou mesmo seguindo a mesma profissão dos pais e acabam se frustrando. E é exatamente o que o processo de coaching tenta impedir, a má escolha. Não é somente o conduzir, mas fazer com que a pessoa consiga perceber as compatibilidades da área escolhida com os objetivos de vida dela. O processo de coaching de carreira ou vocacional vai auxiliar no autoconhecimento, ajudar na autoestima e autoconfiança, facilitando a tomada de decisão. Fará entender que o futuro profissional não deve ser baseado somente em ganhos financeiros, mas sim, como uma missão de vida e como uma contribuição para a sociedade.

*Marcelo Cardoso é especialista em coaching, PNL (Programação Neuro Linguística) e fundador da Arco 7.



Um perigoso retrocesso social

PL 6.159 que dispõe sobre o trabalho para portadores de deficiência é um perigoso retrocesso social.


Imperabilidade Inexistente

Bom, para começar este artigo, tenho que confessar que a palavra “imperabilidade” não existe.


O mundo em tensão

As relações entre Estados Unidos e Irã após a morte de Qasem Soleimani.


Quando o telefone toca…

A cada passo sou massacrado: ouço o telefone tilintar. Corro para atender.


O Coringa que te habita

Não é surpresa que o filme “Coringa”, de Joaquim Phoenix e Todd Phillips, tenha obtido 11 indicações ao Oscar.


O fim dos panfletos

O panfleto talvez seja a mais antiga das formas de comunicação.


Correios, se não tiver interessados, fechar…

Privatização é a palavra cabalística do meio político-administrativo.


Trabalho voluntário

Trabalho voluntário é o que se faz por vontade própria e que tem intenção de ajudar o próximo.


Qual a diferença entre casamento e união estável?

Advogada explica como funciona os dois tipos de família


Educação e instrução

Sob frondosa tília, em flor, leio o “Bom Jesus do Monte”, de Camilo.


A hora dos partidos começarem a existir

Temos nada menos que 110 partidos políticos. São 33 registrados e 77 já fundados que aguardam registro no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).


Que venha 2020!

Mais um ano termina e a briga política ideológica entre alguns esquerdopatas e o atual governo parece não ter fim.