Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Colaboração logística no varejo contribui para a economia circular

Colaboração logística no varejo contribui para a economia circular

24/01/2023 André Cardoso

Um dos pontos mais importantes para a economia circular é o reuso de recursos – a utilização de materiais que possam ser recuperados e que tenham vida longa.

Essa prática é útil tanto para não gerar descartes ao meio ambiente, quanto para reduzir custos às empresas.

Tendo em vista esse conceito, a cadeia de suprimentos, em especial a parte do processo inicial do transporte e armazenamento de cargas, cumpre um papel fundamental no cenário da economia mais moderna.

A chamada “economia circular” está ligada ao desenvolvimento econômico paralelo ao melhor uso de recursos naturais, por meio de novos modelos de negócios e da otimização nos processos de fabricação com menor dependência de matéria-prima virgem, priorizando insumos mais duráveis, recicláveis e renováveis.

Essa é uma nova forma de pensar o nosso futuro e como nos relacionamos com o planeta, dissociando a prosperidade econômica e o bem-estar humano do consumo descontrolado de recursos naturais e do impacto ambiental desmedido.

Para isso, materiais circulam ao máximo de seu valor em sistemas industriais e logísticos integrados e regenerativos. A tendência de pagar pelo uso temporário de itens, em vez de comprá-los para si mesmos, está ganhando terreno.

Um exemplo disso vem da logística relacionada à movimentação de paletes, instrumentos fundamentais para o transporte de cargas, de todos os setores de bens de consumo.

A economia circular tem como propósito a transformação no conceito do que entendemos como lixo, estimulando o reaproveitamento de materiais, como os paletes, em fluxos cíclicos.

O Pacto Global da ONU no Brasil, inclusive, desenvolveu uma inciativa local chamada de Conexão Circular. A iniciativa reúne representantes de empresas, sociedade civil e universidades brasileiras que, juntas, pretendem incentivar as companhias no atingimento de metas como de aterro zero, dentro do que a legislação permitir, e o desenvolvimento de modelos circulares.

Dentro dessa proposta, o produto, ao invés de ser descartado, volta a ser outro produto, preservando e transmitindo seu valor; e seu destino final deixa de ser uma questão que engloba apenas o gerenciamento de resíduos, mas passa a fazer parte de um processo de design de produtos e sistemas que já foram desenvolvidos, desde a sua concepção, com o pensamento de como manter o valor dos recursos ali empregados.

Vale citar um exemplo bastante comum da possibilidade da aplicação da economia circular: a reutilização do plástico, que, como todos sabemos, demora centenas de anos para se decompor.

A movimentação de paletes e contentores, produzidos em plástico reciclável ou madeira reflorestada, é um dos elementos-chave dos processos logísticos, portanto, deve ser considerada no contexto da eficácia de toda a cadeia de abastecimento.

Estas são uma parte integrante dos processos de transporte. Especialmente o método de sistema de pooling, em contrapartida ao de compra, está ganhando popularidade por se tratar de um sistema fechado de comércio de produtos entre fornecedores conhecidos sem necessidade de compra de materiais, preocupações com burocracias logísticas e menos emissões de carbono. É o ciclo da economia circular.

Ou seja, o momento em que os paletes e contentores estão desocupados é um momento fundamental para coleta e reabilitação destes ativos para que eles voltem ao circuito.

Por isso, a aproximação com empresas e distribuidores parceiros é fundamental. Nossos modelos de negócios não somente promove uma consciência e um engajamento maior na economia circular, mas também oferece soluções mais eficientes.

Exemplo disso é o feedback dados pelas empresas, de que os ativos CHEP têm alta qualidade, evitam que as cargas se deteriorem durante transporte e manuseio, otimizam espaço e economizam recursos.

Por isso contar com ações colaborativas no varejo, entre distribuidores, empresas, produtores e as empresas logísticas é fundamental.

Isto porque a logística sustentável depende da disposição destes players em se integrar ao sistema fechado de entrega e devolução dos itens como paletes e contentores.

Como exemplo desta parceria na cadeia, que envolve uma aproximação proativa, a CHEP colaborou com 370 clientes durante o ano de 2022 em mais de 1.400 iniciativas, mostrando um progresso significativo em relação à meta de dobrar o número de colaborações dos clientes de 250 para 500 até 2025.

No período, emitiu na América Latina 79 certificados de sustentabilidade para empresas clientes e parceiras líderes de seus setores.

Também trabalhou em colaboração em uma campanha de conscientização com mídias como OOH (caminhões) e redes sociais (LinkedIn).

Em tempos desafiadores como estes, a chave para se conseguir uma cadeia de abastecimento verdadeiramente regenerativa é a integração.

Ao trabalhar em conjunto com todos os envolvidos na cadeia de negócios, incluindo fornecedores, parceiros e clientes, é possível remover barreiras e melhorar a agilidade, progredindo ainda mais em direção às metas socioambientais globais.

É importante ainda o papel educacional das empresas, difundindo conceitos de economia circular no mercado, aumentando o potencial de sua adoção.

Portanto, é essencial que continuemos a colocar a sustentabilidade na agenda para gerar valor à indústria, enquanto protegemos o planeta.

* André Cardoso é Country Manager da CHEP Brasil.

Para mais informações sobre economia circular clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: MSL Group



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli