Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Com coração de pai

Com coração de pai

18/03/2021 Sandro Arquejada

O Papa Francisco, por meio do documento “Patris Corde” proclamou 2021 como o Ano de São José.

Esse documento, cuja tradução significa “Coração de pai”, aborda, justamente, o coração paterno, cheio de amor e acolhimento de São José ao seu filho adotivo, Jesus.

Interessante notar que, em meio aos novos rumos que a humanidade tomou forçosamente, devido à pandemia, muitos homens tiveram que estar mais tempo presente em casa, trabalhando remotamente.

Mesmo que tenha sido por uma obrigação, converteu-se em chance, para o pai estar mais presente na vida dos filhos e da esposa.

Com a revolução industrial, o homem se viu obrigado a sair de sua oficina, sua lavoura, enfim, de seu meio de sustento, que geralmente ficava ao lado ou próximo de sua casa e possibilitava tanto o contato afetivo, como a transmissão de sua profissão aos seus filhos.

Ir para as fábricas, para as cidades, provocou, em muitos casos, o distanciamento dos filhos. Até nessa época, o pai era muito mais presente na vida dos seus rebentos.

No século passado, foram as mulheres que tiveram inserção no mercado de trabalho, provocando outra mudança de comportamento e na sociedade.

Vemos hoje muitos filhos criados pelos avós ou em creches e escolinhas infantis ou simplesmente, pela mãe, que sendo solteira ou mesmo casada, assume sozinha o cuidado das crianças.

Um outro Papa, São João Paulo II, em meados dos anos 80, afirmou que a plenitude do ser masculino está na paternidade.

Ou seja, quando o homem se torna pai, descobre um motivo nobre em sua existência, desde que doe tudo o que ele é e tem, pela vida e pelo bem de alguém indefeso e dependente dele, seu filho.

Nenhum ser humano chega à plenitude de si, a razão de sua existência, sem compreender que fazer o bem ao outro é o verdadeiro motivo de sua vida.

A busca por satisfação e realização de metas próprias são boas, mas nos preenchem até o ponto em que começamos a desejar outro objetivo ainda maior.

A vida dos santos nos ensina que dedicar-se a salvar, proteger e suprir o semelhante traz uma realização que não se compara a nenhuma outra.

Para termos um exemplo, cito o trabalho dos médicos que se voluntariam em países subdesenvolvidos e me pergunto: será que algum deles tem dilemas existenciais em sua alma?

Creio que não, porque quando fazemos o bem sem esperar retribuição, salvamos, primeiramente, a nós mesmos.

Assim também será com um pai e uma mãe que abrem mão de certos confortos para si mesmos, e se dedicam em tempo, à amizade ou ensinando algo a seus filhos, e se esforçam para vê-los felizes.

Esse documento “Patris Corde” tem muito a ensinar, a nós homens, nesse tempo atual. Nem é necessário gerar na carne para colocar isso em prática.

Eis o que disse o Papa Francisco: “A felicidade de José não se situa na lógica do sacrifício de si mesmo, mas na lógica do dom de si mesmo”. Se fizermos por amor, não se torna obrigação ou peso. 

“O mundo precisa de pais”, precisa de Josés que, com coração de pai, acolham, deem de si mesmos aos filhos, às esposas, aos jovens, aos idosos, aos menos favorecidos, enfim, ao próximo!

Aprendamos a ser inspirados por São José em nossas atitudes.

* Sandro Arquejada é missionário da Comunidade Canção Nova.

Para mais informações sobre São José clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Assessoria de Imprensa Canção Nova



Governar com economia e sem aumentar impostos

Depois de alguns tiros no pé, como as duas Medidas Provisórias que o presidente editou com o objetivo de revogar ou inviabilizar leis aprovadas pelo Congresso Nacional - que foram devolvidas sem tramitação - o governo admite promover o enxugamento de gastos.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


A poderosa natureza

O dinheiro é um vírus que corrompe tudo e quando a pessoa se “infecta”, dificilmente se livra.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


A maior eleição do mundo e o nacionalismo hindu

O ano de 2024 está sendo considerado o superano das eleições pelo mundo. Ao todo, mais de 50 países terão pleitos variados, dentre os quais o Brasil e os Estados Unidos.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


8 de janeiro

Venho aqui versar a defesa dos patriotas do “mal”

Autor: Bady Curi Neto


Aborto legal e as idiossincrasias reinantes no Congresso Nacional

A Câmara dos Deputados, em uma manobra pouco ortodoxa do seu presidente, aprovou, nessa semana, a tramitação em regime de urgência do Projeto de Lei nº 1904/2024, proposto pelo deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), integrante da ala bolsonarista e evangélica, que altera, sensivelmente, as regras de tratamento do crime de aborto.

Autor: Marcelo Aith


Há solução para as enchentes, mas será que há vontade?

Entre o fim de abril e o início de maio de 2024, a maior tragédia climática da história se abateu sobre o Rio Grande do Sul.

Autor: Alysson Nunes Diógenes


Primeiro semestre: como estão as metas traçadas para 2024?

O que mais escutamos nas conversas é: “Já estamos em junho! E daqui a pouco é Natal!”

Autor: Elaine Ribeiro


Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso