Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Com medo e sem esperança

Com medo e sem esperança

23/10/2010 Petrônio Souza Gonçalves

De que vale nossa combalida democracia se, por onde se olha, o eleitor votou no candidato mesmo pior? Não podemos declarar que votamos para ganhar, mas sim, para perder menos.

Não comemoramos vitórias, mas a derrota de nossos anseios mais primários. Tudo, mantendo e consolidando o status quo pré-determinado. E o pior, com o silêncio aprovador de cada um de nós. No Brasil inteiro foi isso, o povo marchou para as urnas sem motivação alguma. Fez-se luto nos corações brasileiros. Os resultados agora estão aí, e os colhemos nas sarjetas de nossas desilusões, papéis picados e jogados nas ruas de nossas esperanças como parte de um grande sonho nacional, triturado por nossas repetidas desilusões. As renovações; nenhuma.

Tudo engessado por um processo eleitoral caro e excludente. As campanhas, com suas providenciais restrições, distanciam o eleitor do processo, tornando-a fria, sem causar comoção alguma. Isso tudo torna, cada vez mais, difícil a imersão de um novo nome, de uma nova liderança. Do voto ideológico, restou apenas o religioso, pois todos os outros ficaram com medo, sem nenhuma esperança. Nas assembléias e governos, os cargos indicados pelos maiorais, a extensão dos gabinetes e mandatos daqueles que podem tudo, ou quase tudo. Isso, há bem pouco tempo, tinha outro nome.

Agora, está tudo como sempre foi nesta terra sem Abrantes. Dos políticos que respondem a processos ou aguardam julgamentos, amplamente expostos pelas instituições cidadãs, muitos foram reeleitos, obtendo, por força do voto, do consentimento do povo, todas as benesses, privilégios e imunidades de um novo mandato. Assim, não se constrói uma Nação, mas se destrói um sentido de povo.

A nossa decepção e a nossa reprovação não vão além dos votos brancos, nulos e abstenções, cada vez mais incorporados às votações não como forma de protesto, mas como votos perdidos no tempo e espaço, anacrônicos, destoados do processo, sem nenhuma outra razão de ser. O que deveria servir de alerta, foi sugado pela banalidade do voto, aquele que serve apenas para ratificar o que já foi acordado, dizendo ao brasileiro que hoje vivemos sobre outros cabrestos...

E assim vamos nós, elegendo nossos fantasmas, nossos algozes, tendo como última esperança a de perder menos pelos próximos quatro anos.

Pesquisas

Em um país sério, a farra e a bandalheira das pesquisas e seus institutos já seriam denunciadas e abolidas do processo eleitoral. Faço das palavras do jornalista Sebastião Nery as minhas, enquanto os institutos de pesquisa armam uma nova e rentavel jogada: "Como o Ibope é sócio da Globo, a palavra do Ibope, Datafolha, Clesio sem Senso e até do ridículo Vox Populi é mais sagrada do que a de Bento 16 para a Igreja Católica. Tomaram dinheiro de governos e candidatos oficiais e, com a conivência da Justiça Eleitoral, acabaram com os comícios e fizeram uma aliança entre as “pesquisas” e as TVs, revistas e grandes jornais. Os comícios eram as “pesquisas” nas televisões toda noite e de manhã nos jornais.

Dilma já estava eleita e a apuração confirmaria tudo. Os números oficiais começaram a aparecer e eles se abobalharam, porque as “pesquisas” se desmoralizaram. Quando a “Boca de Urna” saiu, a apuração oficial perto da metade e o Ibope e eles jurando que Dilma passaria dos 51%. E ela logo encroou nos 46%. Como nos tempos de Etelvino e dos velhos coroneis, eles mandavam “esperar a Zona da Mata” e a “água do monte”. E veio o 2º turno".

* Petrônio Souza Gonçalves é jornalista e escritor



As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes