Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Como celulares e Tablets estão influenciando o e-commerce

Como celulares e Tablets estão influenciando o e-commerce

26/11/2012 Beni Harari

Nos últimos meses, novidades de celulares e tablets não faltaram para o consumidor antenado neste mercado.

Desde o tão falado lançamento do Iphone 5, passando pela divulgação da Amazon dos tablets Kindle com HD, até a gigante varejista Toys R Us, com o lançamento de um tablet focado no publico infantil. A ideia deste artigo é analisar os impactos no hábito do consumidor brasileiro com estes novos produtos, que não param de agregar novas funções e entrar cada dia mais no nosso cotidiano.

Ao começar pela dúvida que a mídia tem dado a maior atenção. Existe um questionamento muito grande se o e-commerce irá se transformar no m-commerce futuramente (mobile commerce – que significa a compra de produtos ou serviços pelo celular).

Se por um lado, o início do processo de decisão de compra de um produto está cada vez mais vinculado ao celular (no Brasil, mais de 20% das buscas do Google já são feitas pelo celular), ainda estamos muito longe de conseguir fazer o processo de compra completo – desde a busca do produto até a conclusão com o pagamento.

Nos Estados Unidos, mercado referência desta tecnologia, o m-commmerce representa 5% das vendas pela internet e a projeção para 2013 é que represente 8%. Existe um principal motivo pela baixa taxa de conversão em compras pelo celular: a dificuldade de navegação devido ao tamanho da tela.

Mesmo as maiores telas de celulares, com quatro ou até cinco polegadas, ainda causam um desconforto ao usuário. Desconforto que, aliado a percepção de falta de segurança e pela distração que um celular com a possibilidade de realizar muitas tarefas ao mesmo tempo, culminam em um baixo índice de compras. Portanto, os usuários de Smartphones ainda terão que aguardar mais algum tempo para virar realidade a massificação da compra de seu objeto de desejo através de uma tela que caiba na palma da mão.

Vale ressaltar, a não efetivação da compra pelo celular não deve ser interpretada como um canal a ser esquecido. Muito pelo contrário, se o início da decisão de compra está sendo feita pelo celular, vale o esforço redobrado para atingir o consumidor logo neste momento. Outra tendência no uso do celular para a decisão de compras: muitos consumidores estão, ao mesmo tempo, em lojas físicas e nas lojas online dos varejistas (ou concorrentes).

Seja para comparar preços, seja para buscar maiores informações ou até para obter críticas dos produtos. Isso significa que, mesmo que a venda não ocorra pelo celular, será um fator decisivo para a compra. Além dos celulares, existe outra tecnologia que chama muito a atenção quando falamos de hábitos de consumo, e por um ótimo motivo.

Altas taxas de conversão (que é uma conta simples: quantas pessoas entraram no site versus quantas pessoas compraram). Taxas muito mais altas que os celulares e próximas aos notebooks e desktops – os tablets. Motivos não faltam para explicar esta alta adaptação do consumidor ao tablet: mercado em plena expansão (mais de 5 milhões de aparelhos previstos para o Brasil em 2013), maior conforto que as telas de sete e dez polegadas trazem para quem navega e o próprio momento de consumo do produto.

Enquanto o celular fica com o consumidor o dia inteiro, o tablet é mais usado no final do dia, muitas vezes na cama ou no sofá, onde o consumidor está tranquilo e dificilmente irá perder a atenção. Logicamente, a propensão para a compra será muito maior. Se você ainda não comprou algo pelo tablet, se prepare, pois este poderá ser o próximo brinquedo para realizar compras ainda nos meses seguintes.

Uma terceira mudança no hábito do consumidor é a segmentação da decisão de compra feita em diversas plataformas. Até poucos anos atrás, tínhamos somente duas opções. O consumidor comprava o produto/ serviço pela loja física ou pelo computador.

Agora, com celulares gerando as informações “primárias”, tablets criando outro tipo de navegação, que notebooks nunca conseguiram criar, devido ao beneficio do toque na tela, os varejistas terão que se desdobrar para criar, ao mesmo tempo, uma estratégia de comunicação para cada canal (lojas físicas, internet para – computador, tablete e celular) e manter uma clara identidade da marca para não sofrerem o mal de uma esquizofrenia digital (cada canal com uma comunicação distinta).

Somente como reflexão para um breve futuro. As televisões com possibilidade de realização de compras já são uma realidade e estão começando a trazer números expressivos nos países mais desenvolvidos. Bom para o consumidor, que cada vez terá mais ferramentas para o auxílio na decisão de compras.  Ótimo para o varejo que multiplica as formas de estar em contato com seu principal ativo: o cliente.

*Beni Harari, 31 anos, trabalhou em Marketing e em Vendas na Sony Ericsson e na Samsung e atualmente é Diretor de Novos Negócios na Allied.



Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira


Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$ 34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes, como, por exemplo, reembolso sem desembolso, além de desperdícios com procedimentos desnecessários no país.

Autor: Claudia Machado


Os avanços tecnológicos e as perspectivas para profissionais da área tributária

Não é de hoje que a transformação digital vem impactando diversas profissões.

Autor: Fernando Silvestre


Inteligência Artificial Generativa e o investimento em pesquisa no Brasil

Nos últimos meses, temos testemunhado avanços significativos na área da inteligência artificial (IA), especialmente com o surgimento da inteligência artificial generativa.

Autor: Celso Hartmann