Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Como e por que aumentar a produtividade no Brasil?

Como e por que aumentar a produtividade no Brasil?

24/09/2014 Mateus Maciel

Segundo pesquisa realizada pela Conference Board, o trabalhador brasileiro produziu em 2013 US$ 10,80, em média.

Já os trabalhadores do México, Chile e Argentina tiveram a produtividade média de US$ 20,8; 16,8 e 13,9 respectivamente. Tal resultado coloca o Brasil na lanterna no grupo dos países latino-americanos no quesito produtividade. Por que isso é preocupante e como poderíamos aumentar a produtividade do trabalhador brasileiro? Quando uma empresa aumenta a quantidade de produtos produzidos, sem contratar mais trabalhadores ou máquinas, dizemos que houve um aumento da produtividade.

Há inúmeras maneiras de fazer com que esta cresça: melhoria na gestão, adoção de novas tecnologias, qualificação da mão de obra e etc. No Brasil, contudo, é muito complicado fazer com que a produtividade cresça, uma vez que somos uma das nações mais fechadas do planeta. Importar máquinas e equipamentos mais modernos, por conta dos impostos e do câmbio controlado artificialmente pelo Banco Central, é extremamente oneroso para a maior parte dos empresários, principalmente para os pequenos e médios.

A qualificação da mão de obra é outro ponto que mina o aumento da produtividade. Já é do conhecimento de todos que a educação no país é muito ruim. A quantidade de cursos técnicos oferecidos pelo governo não é o suficiente para atender a demanda do mercado. A atuação da iniciativa privada no setor de qualificação, apesar de não parecer, é restrita, uma vez que tem que seguir a cartilha do Ministério da Educação.

A burocracia e a pesada carga tributária, por conta dos “direitos trabalhistas” e de uma lista monstruosa de impostos, acaba corroendo o lucro dos empresários, forçando estes a destinar uma parcela pequena dos seus lucros a inovação, compra de máquinas e qualificação da mão de obra de sua empresa. Além disso, o protecionismo praticado pelo governo desestimula a concorrência entre empresas nacionais e internacionais.

Com tantas tarifas e quotas de importação, sem falar nos inúmeros subsídios aos “campeões nacionais” via BNDES, muitos empresários brasileiros acabam gastando mais dinheiro com lobby (por mais que seja proibido por lei) em Brasília do que com inovação. Outro ponto que onera ainda mais o bolso dos empreendedores é a crescente valorização do salário mínimo, sem que haja aumento da produtividade por trabalhador.

Ou seja, os trabalhadores acabam não agregando valor a empresa, uma vez que não ajudam em sua lucratividade, mas ainda assim recebem aumentos anuais de salário. Caso houvesse aumento na produtividade dos trabalhadores, os produtos em geral seriam mais baratos e de melhor qualidade. Os brasileiros não teriam que fazer um cruzeiro para Miami, ou passar um feriado em Nova York para ter acesso a produtos bons e baratos.

Portanto, aumentar a produtividade das empresas melhoraria o bem estar da população do país, em geral. Entretanto, para que isto ocorra, é necessário que haja mais liberdade econômica no país, para que os empreendedores tenham mais dinheiro e incentivo para investir em suas empresas e nos seus trabalhadores, ao invés de ter que sustentar um Estado inchado.

*Mateus Maciel é Acadêmico de economia da UERJ e Especialista do Instituto Liberal.



O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder


O gato que caiu dentro das latas de tinta

Todas as histórias começam com Era uma Vez… A minha não vai ser diferente.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre