Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Como encontrar o ponto comercial ideal para a sua franquia?

Como encontrar o ponto comercial ideal para a sua franquia?

11/09/2014 Germano Leardi Neto

Por que algumas marcas possuem unidades franqueadas que dão muito certo e, ao mesmo tempo, outras unidades que fecham as portas cedo demais?

Existem diversos motivos, é claro, mas pode acreditar, um dos principais é o ponto comercial. Se você escolher o lugar ideal (e conseguir pagar o aluguel), a sua franquia pode decolar rapidamente, encontrando todos os clientes que precisa e vender tudo o que você sonhou. Do outro lado, se for um lugar ruim, você vai ter que trabalhar em dobro para evitar o fracasso e isso se tiver jeito de compensar. Portanto, se você escolheu a marca, não pode achar que o mais difícil já passou.

O franqueado tem a decisão crucial de escolher o ponto. Questão também muito importante para o franqueador. Afinal de contas, empilhar fracassos acaba com qualquer marca. O bom franqueador, portanto, deve participar junto com o franqueado nesta decisão. Se você é franqueado, esteja aberto ao diálogo e sempre escute as sugestões do franqueador. Ele já passou por isso e tem experiência de sobra para te ajudar nesta etapa do negócio. Uma série de aspectos combinados merece atenção redobrada na hora de escolher o ponto comercial. Para ajudar nessa tarefa decisiva para o sucesso do seu empreendimento, preparamos uma lista de fatores que você não pode esquecer de observar. Confira:

Perfil do público - A definição do público-alvo é parte obrigatória no plano de negócios inicial de qualquer empresa. Primeiro, por meio de pesquisas e estudos, você conhece os hábitos de consumo do público que seu empreendimento pretende atingir. Naturalmente, você tem que optar por uma região em que o seu público-alvo esteja sempre presente. Se você vende produtos acessíveis, por exemplo, não faz sentido se instalar em uma região de alto padrão.

Movimento de pessoas - Ainda pensando no público-alvo, é bom prestar atenção no fluxo de pessoas, anotando os horários e dias de pico da região. Esse fator é mais determinante para franquias de ticket médio barato, como rede de fast-food, por exemplo, porque precisa vender bastante para compensar as despesas. Use ferramentas tecnológicas que contam o número de pessoas que passam por determinada região para ter uma referência. Mas nada de ficar sentado na cadeira. Vá ao lugar do seu futuro ponto em diferentes dias e horários (inclusive nos finais de semana).

Assim, você vai conhecer melhor o seu público-alvo e perceber, ao vivo, quando acontecem os picos de movimento. E tem mais: fazendo o percurso em diversos horários, você vai saber quanto tempo demora para se dirigir da sua casa até o provável local de trabalho. Para as franquias imobiliárias, há um pequeno diferencial neste ponto, já que os produtos oferecidos independe da sua fabricação. Quem investe no mercado imobiliário, precisa ter visão de mercado para correr atrás de bairros onde haja espaço para novos lançamentos. As grandes construtoras estão optando por locais próximos às novas estações de Metrô, por exemplo.

Visibilidade - Parece bobagem, mas você tem que prestar atenção também na visibilidade e acessibilidade do seu ponto comercial. Lembre-se: cada detalhe faz diferença e, por isso, essa etapa requer muito tempo. O seu ponto comercial precisa chamar atenção, ser visto de longe pelas pessoas. Instalar o seu empreendimento em uma esquina ajuda neste ponto. A iluminação da rua também faz parte do fator “visibilidade”. Se for uma rua bem iluminada, a sua loja vai chamar atenção mesmo depois de escurecer.

Concorrência - Analisar a concorrência é tarefa indispensável nesse processo. Uma região que não apresenta nenhuma concorrência pode ser um risco. Pare e pense. Por que nenhuma empresa concorrente está no local? De duas, uma. Ou você vai se dar bem por ser o primeiro a chegar lá ou, talvez, o setor da sua franquia não seja compatível com o público dessa região. Então, ter concorrência significa ter demanda. Já pode ser um bom motivo para se instalar no local. Mas faça antes uma análise de atuação das empresas concorrentes para ver se a sua franquia é capaz de competir com elas. Conversar com um franqueado que enfrenta a mesma situação é uma boa alternativa para saber como se virar.

Acessibilidade - Não é só na concorrência que você tem que ficar de olho. Você precisa escolher uma região que facilita o acesso do seu cliente. Isto inclui a proximidade de estações de ônibus e Metrô e também de estacionamentos. Aliás, disponibilizar algumas vagas na frente da sua loja facilita bastante a vida de alguns fregueses. E não se esqueça dos portadores de deficiência física. Além de uma escada, coloque rampas de acesso.

Aluguel - A calculadora não pode faltar. Como você já sabe, no começo de negócios, as finanças são mais apertadas e é preciso, portanto, encontrar pontos comerciais onde o aluguel é mais em conta. Se você vende salgadinhos ou acessórios de moda, instalar um quiosque em estações de Metrô pode ser uma boa alternativa para fugir dos altos valores de aluguel em Shoppings.

Aspectos legais - Ao cumprir todos os procedimentos acima, se mantenha sempre atento às questões legais. Lembre-se que, para abrir um estabelecimento, é preciso respeitar uma série de leis. Portanto, verifique se o local aceita a abertura de determinados negócios e abra o olho com os impactos ambientais e sanitários. Aqui, vale contar com o auxílio de um advogado para não ter dores de cabeça com órgãos públicos no futuro.

*Germano Leardi Neto é diretor de relações institucionais da franqueadora imobiliária Paulo Roberto Leardi.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.