Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Como escolher o destino certo para o seu intercâmbio?

Como escolher o destino certo para o seu intercâmbio?

15/08/2014 Ana Luisa D'Arcadia de Siqueira

O intercâmbio cultural pode trazer muitos benefícios para a vida de um aluno. Aprimorar um novo idioma abre muitos portas e é o principal objetivo de quem busca embarcar nessa experiência.

O crescimento profissional é muito grande e é também uma razão que leva muitos a fazer uma viagem para estudos. O amadurecimento pessoal pode ser maior ainda, e apesar de não ser o motivo inicial da procura por um intercâmbio, é a maior mudança que acontece quando se vive uma experiência no exterior. Quando se inicia a busca por um intercâmbio cultural muitas dúvidas surgem. O que fazer, qual a melhor época para viajar, quanto tempo ficar, para onde ir…

Com tantas questões, como conseguir conciliar todas? Uma boa maneira de começar o planejamento é definir o objetivo da viagem. Para definir isso, é preciso considerar um série de fatores. Qual a necessidade? Aprimorar um idioma, trabalhar, fazer um curso de especialização, conciliar um curso de inglês com um curso específico (dança, esportes, culinária, por exemplo), conhecer um novo destino aliado a um curso de menor carga horária. Tudo isso deve ser levado em conta.

Definido o objetivo da viagem, é hora de escolher o destino ideal. Essa pode ser considerada a principal decisão no momento do planejamento de um intercâmbio. Se o destino não agrada o aluno, o programa de intercâmbio não será tão bem aproveitado e pode acabar em uma frustração. É preciso considerar uma série de fatores. Os alunos que querem trabalhar durante o período de curso devem buscar destinos que permitem que estudantes trabalhem. Há regras específicas em cada destino.

A Irlanda, por exemplo, permite que alunos matriculados em cursos com mais de 25 semanas, trabalhem até 20 horas semanais durante o período de aula e 40 horas semanais durante o período de férias. Na Austrália, estudantes matriculados em cursos de no mínimo 12 semanas, podem trabalhar até 20 horas semanais. Na Nova Zelândia, para conseguir a permissão para trabalho de 20 horas semanais, é necessário estar matriculado em um curso de no mínimo 14 semanas.

No Canadá, só é possível o trabalho quando o estudante está matriculado em cursos superiores. O perfil do aluno é o mais importante na hora da escolha do destino. Um aluno que gosta de frio, pode se dar bem na Irlanda, Canadá, Inglaterra, por exemplo. Já um aluno que prefere um clima mais quente, vai se dar melhor na Nova Zelândia e Austrália. Estados Unidos é um país que abriga vários tipos de clima em diferentes cidades. Também é preciso considerar as preferências do aluno nos momentos de lazer.

Quem gosta de balada, se encaixa melhor em uma cidade grande ou universitária. Aqueles que preferem aventura, devem buscar uma cidade que esteja próximo à natureza. Mas não é possível rotular um país, cada destino tem particularidades que precisam ser consideradas no momento da escolha. Os destinos mais procurados são Canadá, Estados Unidos, Inglaterra e Irlanda, seguidos de Austrália, Nova Zelândia e Espanha. Há destinos menos conhecidos, mas que também agradam bastante os alunos de intercâmbio como África do Sul, Malta e países da América Latina.

A escolha do destino é uma das partes mais prazerosas quando se planeja um intercâmbio, mas também deve ser feita com muita atenção. Por isso, é sempre importante buscar uma agência com profissionais qualificados que possam auxiliar o aluno no momento da escolha do destino. Viver uma experiência no exterior traz grandes benefícios na vida de um estudante. O destino escolhido é o que ficará na memória do aluno. Uma escolha que marcará positivamente a vida de quem se aventura em um intercâmbio cultural.

*Ana Luisa D'Arcadia de Siqueira é diretora de marketing da Global Study, franquia de intercâmbios.



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli