Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Como ficarão as aulas?

Como ficarão as aulas?

01/06/2020 Valmor Bolan

O primeiro semestre do ano letivo de 2020 está comprometido, com as crianças, adolescentes e jovens em casa, nem todos entendendo bem o que está acontecendo, principalmente as crianças menores.

Em muitas casas, os pais também estão em casa, por causa da quarentena. O fato é que muito se diz que não haverá mais a normalidade como era antes, ainda no começo do ano.

Não sabemos também quando exatamente as atividades sociais serão novamente possíveis, e tudo isso tem provocado angústia. Ansiedade e até depressão em muitos.

E muitas interrogações sobre como poderá ser o "novo normal", após a pandemia do coronavírus. Em reportagem publicada em O Globo, Audrey Furlaneto, ouviu vários especialistas sobre o assunto.

O governo federal dispensou as escolas de cumprir os 200 dias letivo, condensando a carga horária para 800 horas, o que foi criticado pelos especialistas, que não consideraram essa a melhor saída. 

Vários temas foram objeto de abordagem, especialmente o ensino a distância (EAD), a formação dos professores e o papel dos pais no processo de educação dos filhos.

Segundo Andrea Ramal, "o ensino atual não deveria ter como referência a quantidade de conteúdos, e sim as competências: os conhecimentos, habilidades e atitudes que os estudantes desenvolvem. Aprender é um processo, não adianta condensar o aprendizado em menos dias e muitas horas diárias. Se os alunos ficarem mais tempo sem ir à escola, é melhor relativizar o 'ano letivo' e reorganizar as etapas de aprendizagem em módulos".

Priscila Cruz lembra que o fim da quarentena não significa a mesmo  coisa que voltar de férias. "Será preciso fazer um nivelamento, para saber em que ponto está cada aluno. Uma estratégia eficiente seria separar os alunos por classes de desempenho e criar uma intervenção distinta para cada nível de aprendizagem".

Sobre o ensino à distância, Catarina de Almeida Santos diz que a pandemia tem sido usada para deturpar a modalidade, difundir concepções simplistas do processo de ensino-aprendizagem, comercialização de soluções ilusórias para os problemas da educação no país, apropriação de dados de professores, estudantes e seus responsáveis, por parte de muitas plataformas que lucrarão durante e depois da pandemia.

“O que se vende é que a tecnologia resolverá tudo, deixando de ser meio e se tornando fim”. Daniel Cara "educação à distância não é eficaz para a educação básica, que vai da creche ao ensino médio. Tampouco para a graduação. É simples a questão: se estávamos indo mal com Educação Presencial, agora está mais difícil."

E Priscila Cruz completa: "nunca a educação à distância substitui, nem é tão boa quanto a educação presencial".

O que vemos então é uma expectativa de que tudo mudará, se adaptando à realidade on line. Segundo os especialistas, não é bem assim.

O ensino a distância pode auxiliar no processo ensino-aprendizagem, mas não substituir inteiramente a relação aluno-professor.

Por isso que é cedo para conjecturas de como serão as aulas após a pandemia. O importante é que haja planejamento e senso da realidade, aproveitando ao máximo as possibilidades existentes para que o ano letivo tenha o melhor proveito.

Há muito que pensar sobre esse desafio, pois estamos diante de um fato histórico sem precedentes e que requer de nós responsabilidade, boa disposição e criatividade.

* Valmor Bolan é Doutor em Sociologia e Professor da Unisa.

Fonte: Reginaldo Bezerra Leite



Liberdade de pensamento

Tem sentido que nos ocupemos hoje da Liberdade de Pensamento? Este não é um tema ultrapassado?


As redes sociais como patrimônio do povo

A novidade dos últimos dias é o banimento de páginas de políticos e ativistas - tanto de situação quanto de oposição - nas redes sociais, por determinação dos controladores destas.


O desafio da exigência de êxito

O famoso “Poema em Linha Reta” nos diz que todos os conhecidos do poeta eram verdadeiros campeões em tudo, sem derrotas ou fracassos.


Mudança nas relações humanas faz parte de realidade pós-pandemia nas empresas

“Nada é permanente, exceto a mudança”. “Só sei que nada sei”. “A única constância é a inconstância”.


Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?