Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Como ficarão as aulas?

Como ficarão as aulas?

01/06/2020 Valmor Bolan

O primeiro semestre do ano letivo de 2020 está comprometido, com as crianças, adolescentes e jovens em casa, nem todos entendendo bem o que está acontecendo, principalmente as crianças menores.

Em muitas casas, os pais também estão em casa, por causa da quarentena. O fato é que muito se diz que não haverá mais a normalidade como era antes, ainda no começo do ano.

Não sabemos também quando exatamente as atividades sociais serão novamente possíveis, e tudo isso tem provocado angústia. Ansiedade e até depressão em muitos.

E muitas interrogações sobre como poderá ser o "novo normal", após a pandemia do coronavírus. Em reportagem publicada em O Globo, Audrey Furlaneto, ouviu vários especialistas sobre o assunto.

O governo federal dispensou as escolas de cumprir os 200 dias letivo, condensando a carga horária para 800 horas, o que foi criticado pelos especialistas, que não consideraram essa a melhor saída. 

Vários temas foram objeto de abordagem, especialmente o ensino a distância (EAD), a formação dos professores e o papel dos pais no processo de educação dos filhos.

Segundo Andrea Ramal, "o ensino atual não deveria ter como referência a quantidade de conteúdos, e sim as competências: os conhecimentos, habilidades e atitudes que os estudantes desenvolvem. Aprender é um processo, não adianta condensar o aprendizado em menos dias e muitas horas diárias. Se os alunos ficarem mais tempo sem ir à escola, é melhor relativizar o 'ano letivo' e reorganizar as etapas de aprendizagem em módulos".

Priscila Cruz lembra que o fim da quarentena não significa a mesmo  coisa que voltar de férias. "Será preciso fazer um nivelamento, para saber em que ponto está cada aluno. Uma estratégia eficiente seria separar os alunos por classes de desempenho e criar uma intervenção distinta para cada nível de aprendizagem".

Sobre o ensino à distância, Catarina de Almeida Santos diz que a pandemia tem sido usada para deturpar a modalidade, difundir concepções simplistas do processo de ensino-aprendizagem, comercialização de soluções ilusórias para os problemas da educação no país, apropriação de dados de professores, estudantes e seus responsáveis, por parte de muitas plataformas que lucrarão durante e depois da pandemia.

“O que se vende é que a tecnologia resolverá tudo, deixando de ser meio e se tornando fim”. Daniel Cara "educação à distância não é eficaz para a educação básica, que vai da creche ao ensino médio. Tampouco para a graduação. É simples a questão: se estávamos indo mal com Educação Presencial, agora está mais difícil."

E Priscila Cruz completa: "nunca a educação à distância substitui, nem é tão boa quanto a educação presencial".

O que vemos então é uma expectativa de que tudo mudará, se adaptando à realidade on line. Segundo os especialistas, não é bem assim.

O ensino a distância pode auxiliar no processo ensino-aprendizagem, mas não substituir inteiramente a relação aluno-professor.

Por isso que é cedo para conjecturas de como serão as aulas após a pandemia. O importante é que haja planejamento e senso da realidade, aproveitando ao máximo as possibilidades existentes para que o ano letivo tenha o melhor proveito.

Há muito que pensar sobre esse desafio, pois estamos diante de um fato histórico sem precedentes e que requer de nós responsabilidade, boa disposição e criatividade.

* Valmor Bolan é Doutor em Sociologia e Professor da Unisa.

Fonte: Reginaldo Bezerra Leite



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques