Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Como ficarão as aulas?

Como ficarão as aulas?

01/06/2020 Valmor Bolan

O primeiro semestre do ano letivo de 2020 está comprometido, com as crianças, adolescentes e jovens em casa, nem todos entendendo bem o que está acontecendo, principalmente as crianças menores.

Em muitas casas, os pais também estão em casa, por causa da quarentena. O fato é que muito se diz que não haverá mais a normalidade como era antes, ainda no começo do ano.

Não sabemos também quando exatamente as atividades sociais serão novamente possíveis, e tudo isso tem provocado angústia. Ansiedade e até depressão em muitos.

E muitas interrogações sobre como poderá ser o "novo normal", após a pandemia do coronavírus. Em reportagem publicada em O Globo, Audrey Furlaneto, ouviu vários especialistas sobre o assunto.

O governo federal dispensou as escolas de cumprir os 200 dias letivo, condensando a carga horária para 800 horas, o que foi criticado pelos especialistas, que não consideraram essa a melhor saída. 

Vários temas foram objeto de abordagem, especialmente o ensino a distância (EAD), a formação dos professores e o papel dos pais no processo de educação dos filhos.

Segundo Andrea Ramal, "o ensino atual não deveria ter como referência a quantidade de conteúdos, e sim as competências: os conhecimentos, habilidades e atitudes que os estudantes desenvolvem. Aprender é um processo, não adianta condensar o aprendizado em menos dias e muitas horas diárias. Se os alunos ficarem mais tempo sem ir à escola, é melhor relativizar o 'ano letivo' e reorganizar as etapas de aprendizagem em módulos".

Priscila Cruz lembra que o fim da quarentena não significa a mesmo  coisa que voltar de férias. "Será preciso fazer um nivelamento, para saber em que ponto está cada aluno. Uma estratégia eficiente seria separar os alunos por classes de desempenho e criar uma intervenção distinta para cada nível de aprendizagem".

Sobre o ensino à distância, Catarina de Almeida Santos diz que a pandemia tem sido usada para deturpar a modalidade, difundir concepções simplistas do processo de ensino-aprendizagem, comercialização de soluções ilusórias para os problemas da educação no país, apropriação de dados de professores, estudantes e seus responsáveis, por parte de muitas plataformas que lucrarão durante e depois da pandemia.

“O que se vende é que a tecnologia resolverá tudo, deixando de ser meio e se tornando fim”. Daniel Cara "educação à distância não é eficaz para a educação básica, que vai da creche ao ensino médio. Tampouco para a graduação. É simples a questão: se estávamos indo mal com Educação Presencial, agora está mais difícil."

E Priscila Cruz completa: "nunca a educação à distância substitui, nem é tão boa quanto a educação presencial".

O que vemos então é uma expectativa de que tudo mudará, se adaptando à realidade on line. Segundo os especialistas, não é bem assim.

O ensino a distância pode auxiliar no processo ensino-aprendizagem, mas não substituir inteiramente a relação aluno-professor.

Por isso que é cedo para conjecturas de como serão as aulas após a pandemia. O importante é que haja planejamento e senso da realidade, aproveitando ao máximo as possibilidades existentes para que o ano letivo tenha o melhor proveito.

Há muito que pensar sobre esse desafio, pois estamos diante de um fato histórico sem precedentes e que requer de nós responsabilidade, boa disposição e criatividade.

* Valmor Bolan é Doutor em Sociologia e Professor da Unisa.

Fonte: Reginaldo Bezerra Leite



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.