Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Como lidar com o “filho sanduíche”

Como lidar com o “filho sanduíche”

13/12/2013 Edith Ribinstein

Mãe quem é seu filho favorito? Você gosta mais dele do que de mim só porque ele é pequeno, ou só porque ele nasceu primeiro?

Esses questionamentos são comuns nas crianças - principalmente no filho do meio que muitas vezes se sente “esquecido”. O filho do meio, ou “filho sanduíche”, pode se sentir “preterido” em relação ao mais velho, que é o primeiro, e o caçula, que é o “chodó” da família.

Para saber se as crianças estão passando por essa situação os pais devem ficar atentos, segundo especialistas. “A criança em geral sinaliza quando se sente esquecida”, esclarece a psicopedagoga Edith Rubinstein. Por exemplo, “você deu mais para ele do que para mim”, ou “o deixou ir a tal lugar e eu não”. Os pais devem ficar atentos com suas atitudes.

“Um dos erros mais frequentes na criação dos filhos é a comparação”, alerta a psicóloga Paula Nóbrega Quintal, do Instituto de Educação Madre Mazzarello, de São Paulo. “Quando os pais começam a falar de um filho para o outro, muitas vezes como exemplo, levam a criança a um sentimento de inferioridade. Outro erro comum é a atenção que se dá ao pequeno, pelas características de seu desenvolvimento e pela necessidade de um acompanhamento maior e ao mais velho, pelos mesmos motivos.”

Segundo a especialista, “cabe aos adultos responsáveis ficarem atentos aos pequenos sinais de que o filho do meio não está bem e escolher com cautela as melhores formas de acolhê-lo”. Ao notar que a criança está passando por esse conflito de se sentir “esquecida”, os pais devem demonstrar amor por ela, por meio de passeios, brincadeiras em que os irmãos não estejam presentes. Enfim, é preciso passar tranquilidade para criança – e dependendo da situação, o auxílio de um profissional (pediatras, psicólogos...) pode ajudar a família a lidar melhor com a situação.

Muito se fala em problemas com os filhos do meio, mas poucos ressaltam as vantagens e o aprendizado que a criança faz observando os irmãos. Para a psicopedagoga Edith Rubinstein, muitas vezes o filho do meio é mais independente. “Geralmente, eles veem o mais velho como um ‘heroi’ e tendem a imitá-lo”, diz a especialista.

“Em relação ao mais novo, sentem-se superiores por saberem mais, conseguirem coisas que o menor não consegue e de certa forma, servem de professor”. Outra vantagem, segundo Edith Rubinstein, é que ele se torna um apaziguador, muitas vezes servindo de “conselheiro” nas brigas entre os irmãos. “Em muitas famílias, a preocupação com o filho do meio é tão presente que este se torna o exemplo para os demais,” ressalta Paula Nobrega Quintal.

*Edith Ribinstein, psicopedagoga, mestre em psicologia e autora do livro Psicopedagogia - Uma Pratica Diferentes Estilos - Editora Casa do Psicólogo.



Senado e STF colidem sobre descriminalizar a maconha

O Senado aprovou, em dois turnos, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) das Drogas, que classifica como crime a compra, guarda ou porte de entorpecentes.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes