Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Como o mundo está atraindo o turista brasileiro?

Como o mundo está atraindo o turista brasileiro?

05/08/2014 Henrique Mol

A fama de gastador dos turistas brasileiros está chegando longe e tem muito país de olho neles.

Segundo Antonio de Azevedo, presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav), além de consumistas, somos conhecidos pela curiosidade: gostamos de experimentar, visitar várias cidade de um mesmo país. Um ativo de combinação promissora para os países mais exóticos. Explico-me.

O Brasil está entre os países que mais cresceram, em pouco tempo, com a emissão de turistas e gastos dos mesmos, mundo afora. Em 10 anos, o gasto do turista brasileiro cresceu, aproximadamente, dez vezes, passando de 2,26 bilhões de dólares, em 2003, a 23,13 bilhões de dólares, em 2013. Isso está associado a eventos claros, como o deslocamento social, com ascensão da classe média, e valorização do real e outros eventos não tão claros, como a alta inflação no Brasil, de forma tal que pode ser mais barato consumir externamente do que dentro do país.

De fato, o custo benefício é considerado importante para os viajantes brasileiros, conforme aponta um relatório divulgado pela Comissão Canadense de Turismo. É sintomático, portanto, que países fronteiriços ao Brasil, como Argentina e Uruguai, estejam entre os populares destinos dos brasileiros, por serem mais baratas as vias de acesso. Mas é os Estados Unidos que figura como primeiro na lista de países visitados pelos brasileiros, principal destino de compras dos mesmos.

Quais seriam, então, as vias de acesso dos destinos menos visitados ao mercado interno, a fim de desbancar os destinos mais populares? A estratégia tem sido trabalhar junto a esse mercado, a exemplo dos escritórios de representação turística no Brasil, do município mexicano de Los Cabos, do arquipélago de Seychelles e do Estado do Arizona. Estes apostam naquele viajante que já visitou os destinos mais conhecidos dos EUA, Europa e América do Sul, e buscam destinos diferenciados.

Nesse setor, a nossa curiosidade é o que mais conta pra chamar a atenção dos viajantes. No escritório do Arizona, a investida é esclarecer que o Grand Canyon está sediado na cidade. No de Seychelles, a localização já é, por si só, um convite ao desconhecido, uma vez que está sediado na costa leste da África, no oceano Índico. Já em Los Cabos, o atrativo fica por conta de belezas naturais típicas da América Central, associados à atividades como mergulho e nado com golfinhos.

Outros destinos como Vietnã, Azerbaijão, Egito, Tailândia e Turquia buscam investidores interessados em diversificar o rol de opções de destinos, montando estandes em feiras nacionais, e divulgando atrações renomadas, muitas delas designadas Patrimônio Mundial pela Unesco.

A conclusão é apenas retórica, não é demais mencionar o enorme potencial que as agências de viagem têm para atender essa demanda e anunciar o desconhecido para os viajantes sedentos de experiências diferenciadas e com poder aquisitivo um pouco mais elevado. Para colocar números, no Brasil, 75% dos turistas procuram uma orientação de um agente de viagem, e 50% fecha a viagem com uma agência, conforme relatório da Comissão Canadense. Potencial é o que não falta.

*Henrique Mol é especialista em turismo e sócio-fundador da Encontre Sua Viagem, franquia de turismo.



Redes sociais: espaço fértil para a indignação e a esperança

Há um inconformismo geral com o nosso cenário político atual, a indignação é generalizada e evidente em parcela significativa da população.


Como a tecnologia analítica está conquistando espaço no futebol

Com a atual pandemia, os apaixonados por futebol ficaram alguns meses sem ver a bola rolando.


O descaso e a “carteirada” frente à pandemia

A obra Raízes do Brasil de Sergio Buarque de Holanda, originalmente publicada em 1936, analisa elementos fundamentais presentes na cultura brasileira que remontam ao nosso passado colonial e escravagista.


A justiça nossa de cada dia

Se a justiça desaparece é coisa sem valor o fato de os homens viverem-na terra. (Immanuel Kant)


O dia da vergonha

Sem dúvida, ainda temos muito o que aprender com a história para evitar que dias vergonhosos se repitam.


XaaS: Está na hora de pensar em Tudo como Serviço

Quando toda essa crise passar, qual lição levaremos?


A urgência da reforma tributária

No Brasil, o debate sobre a necessidade de uma reforma tributária ocorre há décadas.


Lições importantes da pandemia para os investidores e o futuro financeiro

A pandemia do Covid-19 trouxe impactos significativos em diversas esferas sociais e econômicas.


O Caminho de Saint-Hilaire

Augustin François César Prouvençal de Saint-Hilaire, o botânico francês que ficou conhecido mundialmente apenas como Saint-Hilaire, explorou, entre os anos de 1816 e 1822, a parte central do Brasil colônia e um pouco do sul.


Verdade: qual nos libertará?

Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.


Vergonha: um orgulho familiar

Ouso iniciar a reflexão sobre o sentimento de vergonha pela adaptação da célebre frase: diga-me do que tens vergonha, que eu te direi quem és!


O povo brasileiro está triste

Vivemos um momento único na história do Brasil. Passamos atualmente por uma crise sem precedentes.