Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Como o mundo está atraindo o turista brasileiro?

Como o mundo está atraindo o turista brasileiro?

05/08/2014 Henrique Mol

A fama de gastador dos turistas brasileiros está chegando longe e tem muito país de olho neles.

Segundo Antonio de Azevedo, presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav), além de consumistas, somos conhecidos pela curiosidade: gostamos de experimentar, visitar várias cidade de um mesmo país. Um ativo de combinação promissora para os países mais exóticos. Explico-me.

O Brasil está entre os países que mais cresceram, em pouco tempo, com a emissão de turistas e gastos dos mesmos, mundo afora. Em 10 anos, o gasto do turista brasileiro cresceu, aproximadamente, dez vezes, passando de 2,26 bilhões de dólares, em 2003, a 23,13 bilhões de dólares, em 2013. Isso está associado a eventos claros, como o deslocamento social, com ascensão da classe média, e valorização do real e outros eventos não tão claros, como a alta inflação no Brasil, de forma tal que pode ser mais barato consumir externamente do que dentro do país.

De fato, o custo benefício é considerado importante para os viajantes brasileiros, conforme aponta um relatório divulgado pela Comissão Canadense de Turismo. É sintomático, portanto, que países fronteiriços ao Brasil, como Argentina e Uruguai, estejam entre os populares destinos dos brasileiros, por serem mais baratas as vias de acesso. Mas é os Estados Unidos que figura como primeiro na lista de países visitados pelos brasileiros, principal destino de compras dos mesmos.

Quais seriam, então, as vias de acesso dos destinos menos visitados ao mercado interno, a fim de desbancar os destinos mais populares? A estratégia tem sido trabalhar junto a esse mercado, a exemplo dos escritórios de representação turística no Brasil, do município mexicano de Los Cabos, do arquipélago de Seychelles e do Estado do Arizona. Estes apostam naquele viajante que já visitou os destinos mais conhecidos dos EUA, Europa e América do Sul, e buscam destinos diferenciados.

Nesse setor, a nossa curiosidade é o que mais conta pra chamar a atenção dos viajantes. No escritório do Arizona, a investida é esclarecer que o Grand Canyon está sediado na cidade. No de Seychelles, a localização já é, por si só, um convite ao desconhecido, uma vez que está sediado na costa leste da África, no oceano Índico. Já em Los Cabos, o atrativo fica por conta de belezas naturais típicas da América Central, associados à atividades como mergulho e nado com golfinhos.

Outros destinos como Vietnã, Azerbaijão, Egito, Tailândia e Turquia buscam investidores interessados em diversificar o rol de opções de destinos, montando estandes em feiras nacionais, e divulgando atrações renomadas, muitas delas designadas Patrimônio Mundial pela Unesco.

A conclusão é apenas retórica, não é demais mencionar o enorme potencial que as agências de viagem têm para atender essa demanda e anunciar o desconhecido para os viajantes sedentos de experiências diferenciadas e com poder aquisitivo um pouco mais elevado. Para colocar números, no Brasil, 75% dos turistas procuram uma orientação de um agente de viagem, e 50% fecha a viagem com uma agência, conforme relatório da Comissão Canadense. Potencial é o que não falta.

*Henrique Mol é especialista em turismo e sócio-fundador da Encontre Sua Viagem, franquia de turismo.



Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan