Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Como ser feliz nas adversidades

Como ser feliz nas adversidades

27/02/2015 Dominique Magalhães

Satisfação e tranquilidade são duas palavras que, ultimamente, não fazem parte do vocabulário cotidiano dos brasileiros.

A perspectiva para economia do país é de estagnação. Alguns dos maiores Estados brasileiros sofrem com a crise hídrica, e, agravando o quadro atual, há os constantes problemas nos serviços públicos de saúde e educação. Na contramão, a população não perde a fé. Uma pesquisa divulgada no final do último ano pelo Ibope Inteligência mostra que 93% das pessoas, acreditava que teria uma vida melhor em 2015; 79,5% se dizia feliz ou muito feliz, e ,66% afirmava que a vida melhorou em 2014.

Apenas 49% da população acreditava que a situação política do país iria mudar. Sonja Lyubomirsky – professora e psicóloga americana -, diz que “a nossa constatação de felicidade depende somente 10% das eventualidades que possam surgir em nossa trajetória. O resto fica a cargo da nossa genética que influencia a maneira como encaramos os fatos, além de uma capacidade de adaptação às diferentes circunstâncias”. Em resumo, ser feliz depende mesmo só de você.

Conseguiremos ser felizes mesmo diante de uma realidade tão desanimadora? Sim, é possível. Se esperarmos a realização idealizada de situações perfeitas, nunca alcançaremos a real felicidade, pois, afinal, ela está dentro de nós. Comento em meu livro, “O que falta para você ser feliz?”, que temos a péssima mania de culpar as circunstâncias por nossa insatisfação. Existem casos que realmente podem causar tristeza por um período em nossas vidas. Doença, desemprego, a perda de um ente querido, o fim de um relacionamento duradouro.

Contudo, depois da tempestade e do período de cicatrização, devemos levantar a cabeça e prosseguir. É possível encontrarmos novamente alegria de viver. Tudo depende da postura que adquirimos diante das coisas. As pessoas consideradas “felizes” ou “sortudas” não são especiais, são apenas seres humanos que procuram agir de uma forma otimista. Vamos preferir ver o copo metade cheio ou metade vazio? Se esse ano você não tem dinheiro para viajar nas férias, aproveite os dias para descansar, arrumar gavetas e fotos antigas.

Ria de si mesmo! Reviva bons momentos através das imagens que vê; Doe roupas que não quer mais, fazendo a alegria de quem precisa. Fazer o outro feliz também nos alimenta! A alegria está nas pequenas coisas. Ser feliz - absolutamente - não depende de excessos. Faltou água? Que isso seja um aprendizado para preservarmos e agradecermos a Deus pelos recursos naturais. Vamos tomar banho de chuva quando ela vier! Calor? Vamos dormir de janelas e corações abertos. Faltou luz? Vamos fazer jogo de sombras com as crianças! Criatividade é ser feliz. Mantenha a crença de que tudo, por mais desanimador que pareça, pode melhorar. Mas não se esqueça, o melhor deve começar com você mesmo!

*Dominique Magalhães, empresária com forte foco no social.



Onde está a boa educação?

Outrora, o idoso, era respeitado no local de trabalho e na sociedade.


Saneamento básico no Brasil

A infraestrutura que não chega ao esgoto.


Em novos tempos deve-se ter novas práticas

Na Capital fala-se muito em Menos Brasília, Mais Brasil.


Espiritualidade e alegria junina

Junho traz festas de três santos católicos: Antônio, casamenteiro. São João, profeta precursor de Jesus e São Pedro, único apóstolo que caminhou sobre as águas.


Missão do avô

Na família os avós são conselheiros dos pais e dos netos.


A importância das relações governamentais e institucionais

As relações governamentais e institucionais têm sido um instrumento de alta relevância para qualquer organização no atual momento político brasileiro.


Namoro na adolescência: fato ou fake?

O início da adolescência coincide com o final do Ensino Fundamental, fase em que desabrocham as paixões e, com elas, o convite: “quer namorar comigo?”.


Autobiografias: revelações das experiências em família

A curiosidade de muitas pessoas sobre a (auto) biografia de personalidades tem se tornado cada vez mais crescente, nos últimos anos.


What a wonderful world

Louis Daniel Armstrong foi um cantor e instrumentista nascido na aurora do século 20, e foi considerado “a personificação do jazz”.


A violência doméstica

Em Portugal, desde o início do ano, apesar de se combater, por todos os meios, a violência na família, contam-se já mais de uma dezena de mulheres, assassinadas.


O desrespeito ao teto constitucional e o ativismo judicial

O ativismo do Executivo e do Judiciário está “apequenando” o Legislativo.


Indicadores e painéis urbanos aliados à administração pública

A cidade com fatos visualizados está remodelando a forma como os cidadãos e gestores vêm a conhecê-la e governá-la.