Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Como ser feliz nas adversidades

Como ser feliz nas adversidades

27/02/2015 Dominique Magalhães

Satisfação e tranquilidade são duas palavras que, ultimamente, não fazem parte do vocabulário cotidiano dos brasileiros.

A perspectiva para economia do país é de estagnação. Alguns dos maiores Estados brasileiros sofrem com a crise hídrica, e, agravando o quadro atual, há os constantes problemas nos serviços públicos de saúde e educação. Na contramão, a população não perde a fé. Uma pesquisa divulgada no final do último ano pelo Ibope Inteligência mostra que 93% das pessoas, acreditava que teria uma vida melhor em 2015; 79,5% se dizia feliz ou muito feliz, e ,66% afirmava que a vida melhorou em 2014.

Apenas 49% da população acreditava que a situação política do país iria mudar. Sonja Lyubomirsky – professora e psicóloga americana -, diz que “a nossa constatação de felicidade depende somente 10% das eventualidades que possam surgir em nossa trajetória. O resto fica a cargo da nossa genética que influencia a maneira como encaramos os fatos, além de uma capacidade de adaptação às diferentes circunstâncias”. Em resumo, ser feliz depende mesmo só de você.

Conseguiremos ser felizes mesmo diante de uma realidade tão desanimadora? Sim, é possível. Se esperarmos a realização idealizada de situações perfeitas, nunca alcançaremos a real felicidade, pois, afinal, ela está dentro de nós. Comento em meu livro, “O que falta para você ser feliz?”, que temos a péssima mania de culpar as circunstâncias por nossa insatisfação. Existem casos que realmente podem causar tristeza por um período em nossas vidas. Doença, desemprego, a perda de um ente querido, o fim de um relacionamento duradouro.

Contudo, depois da tempestade e do período de cicatrização, devemos levantar a cabeça e prosseguir. É possível encontrarmos novamente alegria de viver. Tudo depende da postura que adquirimos diante das coisas. As pessoas consideradas “felizes” ou “sortudas” não são especiais, são apenas seres humanos que procuram agir de uma forma otimista. Vamos preferir ver o copo metade cheio ou metade vazio? Se esse ano você não tem dinheiro para viajar nas férias, aproveite os dias para descansar, arrumar gavetas e fotos antigas.

Ria de si mesmo! Reviva bons momentos através das imagens que vê; Doe roupas que não quer mais, fazendo a alegria de quem precisa. Fazer o outro feliz também nos alimenta! A alegria está nas pequenas coisas. Ser feliz - absolutamente - não depende de excessos. Faltou água? Que isso seja um aprendizado para preservarmos e agradecermos a Deus pelos recursos naturais. Vamos tomar banho de chuva quando ela vier! Calor? Vamos dormir de janelas e corações abertos. Faltou luz? Vamos fazer jogo de sombras com as crianças! Criatividade é ser feliz. Mantenha a crença de que tudo, por mais desanimador que pareça, pode melhorar. Mas não se esqueça, o melhor deve começar com você mesmo!

*Dominique Magalhães, empresária com forte foco no social.



Pegando o ônibus errado

Certo dia, o cidadão embarca tranquilamente na sua costumeira condução e, quadras depois da partida, em direção ao destino, percebe que está dentro do ônibus errado.


Resiliência em tempos de distanciamento social

Em meio à experiência que o mundo todo está vivendo, ainda não é possível mensurar o impacto do distanciamento social em nossas vidas, dada a complexidade desse fenômeno e a incerteza do que nos aguarda.


Nasce a organização do século 21

Todos sabemos que a vida a partir de agora – pós-epidemia ou período de pandemia, até termos uma vacina – não será a mesma.


Luto e perdas na pandemia: o que estamos vivendo?

Temos presenciado uma batalha dolorosa em todo o mundo com o novo coronavírus (COVID-19).


Encare a realidade da forma correta

Em algum momento todos nós vamos precisar dessa mensagem.


Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


O Brasil, a logística e os “voos de galinha”

Parcerias público-privadas, com base no tripé da sustentabilidade podem proporcionar excelentes projetos para a logística no Brasil.


Eça e a famosa estatueta

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.


Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.