Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Como ter sucesso na sua cirurgia plástica

Como ter sucesso na sua cirurgia plástica

14/05/2012 Arnaldo Korn

Segundo a língua portuguesa, SUCESSO significa obter um êxito feliz, em todas as nossas atitudes.

Obviamente sempre almejamos um final feliz, no entanto, esta trajetória deve ser muito bem cuidada e planejada com a finalidade de administrar todas as nossas atitudes. Na cirurgia plástica não é diferente. Com muitos e muitos anos de experiência e vivência na área, observo muitas pessoas que chegam ao médico sem realmente saber o que querem.

Muitas chegam ao consultório do cirurgião plástico de forma impulsiva, estimulada por terceiros. Contudo, o início do seu processo cirúrgico deve se dar entre você e seu espelho, você deve se trancar no seu quarto ou no seu banheiro e fazer a seguinte pergunta “PRECISO FAZER UMA PLÁSTICA ?” , “ESTOU INSATISFEITA OU INFELIZ QUANDO ME OLHO NO ESPELHO ?”, “QUAL A MINHA PRIORIDADE ?”.

Este primeiro passo é extremamente importante, pois a mudança do seu corpo deverá ser para você mesma. Nunca faça uma cirurgia plástica para satisfazer seus amigos, namorado ou marido. Não deposite na operação as responsabilidades de uma reconquista amorosa, ela pode até ajudar, mas não será a única responsável.

O segundo passo é a escolha do seu médico. Ele deverá ser um cirurgião plástico especialista e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, isto é, ele cursou a faculdade de medicina por 6 anos, fez pelo menos mais 2 anos de especialidade em cirurgia geral e mais 3 anos de especialidade em cirurgia plástica. Após este período, o médico é submetido a uma prova de título de especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e, sendo aprovado, ele pode ser intitulado de “Cirurgião Plástico”, e você poderá assim saber que este médico é habilitado para realizar procedimentos cirúrgicos.

É necessário observar também outros parâmetros, como, por exemplo, procurar conversar com outras pessoas que já foram submetidas à cirurgia plástica com este médico. Chegue antes do seu horário de consulta, veja o movimento na sala de espera, converse com as pessoas sobre sua satisfação com o médico, observe a organização e a higiene do local e quando estiver com o médico, observe a sua seriedade e postura, avalie se ele esclareceu de forma completa e objetiva suas questões.

O terceiro passo é chamado de “preparo”. Você deverá ser submetida a uma série de exames laboratoriais com a finalidade de analisar se está apta a ser submetida ao stress cirúrgico.  Em alguns casos, e a critério médico, há necessidade ainda da avaliação e liberação de outros especialistas, como o cardiologista, o mastologista, o hematologista, o psiquiatra, etc.

Sendo aprovada nos exames, basta verificar o melhor momento para realizá-la, pois é necessário o repouso relativo e específico de acordo com cada tipo de procedimento cirúrgico. Um pós-operatório bem feito poderá ser decisivo no pleno sucesso da sua cirurgia, e deverá ser levada com seriedade.

Outro ponto bastante importante que você deve observar é o local onde será feito o procedimento, em ambiente hospitalar ou em clínicas especializadas, nunca em consultório. Sendo assim, chegamos à fase final e mais dolorida: o pagamento. O preço dos procedimentos em cirurgia plástica é muito variável, porém é importante que você tenha se planejado.

Existem algumas empresas que facilitam na hora de pagar. Procure não fazer da sua cirurgia plástica uma tortura financeira.

*Arnaldo Korn, diretor do Centro Nacional – Cirurgia Plástica.



As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes