Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Como tornar a comunicação em compliance mais efetiva?

Como tornar a comunicação em compliance mais efetiva?

21/03/2018 Tatiana de Toledo

Será que há uma forma de tornar a comunicação em Compliance mais efetiva?

Quantos de nós já estivemos em alguma palestra ou treinamento, seja como palestrantes ou público, e vimos que grande parte das pessoas não está, de fato, prestando atenção? Se o tema for Compliance, parece que se torna ainda mais claro que o interesse é menor.

Por que ocorre tal desinteresse? Será que há uma forma de tornar a comunicação em Compliance mais efetiva? Não existe uma única resposta, mas existem alguns caminhos e alternativas que podem ser adaptados à realidade de cada empresa ou situação em que a comunicação precisar ser realizada.

O primeiro ponto é entender que a maioria das pessoas não acha necessário prestar atenção em treinamentos de Compliance por uma simples razão: já nos consideramos éticos e, se por acaso não tivermos sido em alguma situação, sempre há uma boa justificativa! E se somos éticos e corretos, é simples seguir qualquer procedimento de Compliance, certo?

Bem, mas não é exatamente isso que temos visto por aí. Hoje não basta ser ético, tem que ser, parecer e conseguir provar! Desta forma, a primeira sugestão para trazer a atenção das pessoas é tentar posicionar melhor a todos sobre o que é ética e inseri-la no contexto do seu cotidiano. Sendo um treinamento (presencial ou não), o mais fácil é incluir exemplos.

Nesse momento, provavelmente as pessoas vão se reconhecer ou mesmo lembrar de algum exemplo que já tenham vivenciado. Melhor ainda é se quiserem compartilhar esses exemplos com o grupo. Outro ponto é evitar termos muito técnicos ou jurídicos. Ainda que, muitas vezes, seja preciso passar essa mensagem, que seja feito de forma mais leve e, novamente, utilizando exemplos ou casos conhecidos.

Em grupos menores também costuma funcionar bem a realização de estudos de caso ou mesmo dilemas para que as pessoas discutam e assimilem melhor os conceitos que desejamos trazer. Já em grupos maiores, normalmente, é eficaz apresentar um vídeo ou algo que "quebre" um pouco a dinâmica do treinamento e gere uma memória depois do evento.

Muitas vezes não vão lembrar do que o palestrante disse, mas sim do vídeo que assistiram. Uma boa opção também é utilizar ferramentas e jogos, o que hoje já é possível fazer através de aplicativos voltados para isso, tornando a comunicação muito mais dinâmica. E quando não se trata de treinamento, o desafio é ainda maior! Como fazer um funcionário ler um documento de 10, 20 páginas com atenção, foco e compreensão?

Hoje em dia, se alguém chegar até a décima linha de um texto já é lucro! Cada vez mais temos que investir tempo em criar normativos que sejam enxutos, objetivos, de fácil compreensão e, de preferência, utilizando-se de ferramentas visuais como imagens, quadros ou outras ilustrações que possam facilitar a leitura e, novamente, gerar memória.

A manutenção da comunicação em Compliance também é igualmente importante. Além do treinamento, dos normativos, como a sua organização comunica sobre Compliance? É citado em reuniões algum tema que envolva Compliance? Faz parte das pautas dos executivos? Tem algum tipo de comunicação periódica para os funcionários? Os funcionários conseguem ver ações de Compliance ao longo do ano? Um simples e-mail sobre um tema é suficiente? Não há algo mais efetivo a ser feito?

Essas reflexões devem ser feitas, de forma a preencher as lacunas e tornar o Compliance "vivo" dentro da organização. O importante é sempre tentar trazer à tona os temas de Compliance de forma mais leve, mais estimulante e, portanto, mais efetiva.

Dessa forma, é possível evitar que algum assunto do universo de Compliance tenha que ser tratado, de maneira mais pesada dentro de uma organização no futuro. E aí, vamos falar de compliance hoje?

* Tatiana de Toledo é gerente na Protiviti, consultoria global especializada em Gestão de Riscos, Auditoria Interna, Compliance, Gestão da Ética, Prevenção à Fraude e Gestão da Segurança.



Habilidades socioemocionais podem ser aprendidas

Desde o início da infância, as pessoas aprendem um conjunto de comportamentos que são utilizados nas diferentes interações sociais.


Entenda porque amor é diferente de paixão

Você sabe diferenciar o amor da paixão?


A finalidade e controle das ONGs

O mais adequado não é combatê-las, mas manter sob controle as suas ações como forma de evitar desvio de finalidade, corrupção e outras distorções.


A reforma da máquina pública

A aprovação da reforma da Previdência, pela Câmara dos Deputados, é um avanço do governo.


Os desafios da maternidade e do mercado de trabalho

Ter filhos não é fator de impedimento para uma mulher trabalhar.


Todos querem ser ricos…

Mais vale pobreza, com paz e consciência limpa, que riqueza, sem sossego, alma escurecida, e pesados de remorsos.


A importância de empoderar nossas meninas

Fatores culturais de valorização do masculino, enraizados desde sempre na nossa sociedade, afetam a autoestima e a confiança feminina.


Advogados e Cursos jurídicos

Onze de Agosto é o Dia da Fundação dos Cursos de Direito e é também o Dia do Advogado.


Empresas e paternidade: uma mudança a ser nutrida

Daqui a cinco ou dez anos, nem você nem ninguém se lembrará com precisão da tarefa que está fazendo no trabalho neste minuto.


Ética de advogados e juízes

A advocacia e a magistratura têm códigos de ética diferentes.


Quem se beneficia da coisa pública é corrupto

Coisa pública não pode ser confundida com coisa privada.


Pai é quem ama e cuida

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, pai não é somente quem nos gerou.