Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Complexo Vira-lata e Notre Dame

Complexo Vira-lata e Notre Dame

03/05/2019 Leonardo Torres

No Brasil, ninguém está fora da síndrome do vira-lata: todos nós brasileiros temos esta tendência mal-educada.

O complexo de vira-lata de Nelson Rodrigues parece ser evidente quando comparamos a ajuda monetária que Notre Dame recebeu dos brasileiros e a ajuda que o Museu Nacional recebeu destes mesmos.

É verdade, mas por outro lado não se pode julgar, em um mundo neoliberal, o que cada indivíduo faz com o seu dinheiro, principalmente quando o assunto é doação a tragédias.

O viralatismo é sentir-se vítima e, ao mesmo tempo, faz o sofredor querer ser quem ele considera superior. Discutir o motivo de Lily Safra ter doado para um e não para outro já demonstra que o brasileiro vive em um estado de vitimismo, de se enxergar inferior a outros países. Interesses para a doação são muitos, principalmente, econômicos.

Mas isso não vem ao caso, agora. Nesta discussão, quem reclama sofre por se sentir inferior e, quem defende, argumenta atacando a burocracia brasileira de doação, argumento esse um tanto exagerado.

No Brasil, ninguém está fora da síndrome do vira-lata: todos nós brasileiros temos esta tendência mal-educada. Mas não é somente pela escolha de Lily que vemos isso. A própria negligência pela qual o Museu Nacional foi tratado durante anos, com pouca verba, incentivo e desvios irregulares, também são reflexos do brasileiro que tem esse “ar” de malandro.

Não há nada mais malandro e vira-lata neste país do que os nossos corruptos. Não podemos esquecer ainda que, por se sentir inferior aos outros, a vítima ou o vira-lata tenta sempre arranjar um jeito de sobreviver, e normalmente é por algum tipo de manipulação; no caso do Brasil, a corrupção é generalizada.

E isso não é culpa de um ou outro partido, afinal a política brasileira não se renovou nas últimas eleições. Isso significa que o poder ainda está nas mãos dos mesmos indivíduos, só houve certo rearranjo. Sinto pena dos animais sem raça definida que foram comparados a esses indivíduos.

* Leonardo Torres é Palestrante, Professor e Doutorando em Comunicação e Cultura Midiática. 

Fonte: R&F Comunicação Corporativa



Impressão digital para a indústria têxtil

Cores e oportunidades à disposição do mercado.


Tem risco? Então não quero

Vivemos tempos disruptivos, em que mudamos o modo de fazer quase tudo.


A nova morfologia do trabalho: Da uberização à ciberescravidão

É claro que o Uber facilita a vida das pessoas. E disso ninguém duvida.


“Golpe do Motoboy”

Fraude atinge aposentados e correntistas de bancos.


O sabichão…

Conheço meu amigo João, desde o dia em que fomos para o Quartel de Campo Grande, em Lisboa.


A importância do jornal na sua comunidade

Atravessamos um tempo e redefinições.


As redes sociais e a geração “floco de neve”

Quantas vezes você escuta ou fala “eu não aguento mais”; “isso não é para mim”; “eu não me sinto confortável fazendo isso ou aquilo”.


Educação moral no seio familiar

A associação entre limites e justificativas racionais prepara a conquista da autonomia.


Lagosta, bacalhau, vinhos e uísques aos onipotentes do STF

O STF está se lixando com a patuleia brasileira, que passa fome e que é numerosa.


Bolsonaro e a indicação de Moro para o STF

Todos os cidadãos, que acompanham a política e os noticiários, sabem que o presidente Jair Bolsonaro, não mede as palavras ao proferi-las.


SOS Educação

Tenho alertado a respeito do abandono da educação brasileira há anos.


Um inimigo do povo

O debate sobre a liberdade de expressão foi aprofundado nos últimos tempos no Brasil devido a diversos incidentes.