Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Complexo Vira-lata e Notre Dame

Complexo Vira-lata e Notre Dame

03/05/2019 Leonardo Torres

No Brasil, ninguém está fora da síndrome do vira-lata: todos nós brasileiros temos esta tendência mal-educada.

O complexo de vira-lata de Nelson Rodrigues parece ser evidente quando comparamos a ajuda monetária que Notre Dame recebeu dos brasileiros e a ajuda que o Museu Nacional recebeu destes mesmos.

É verdade, mas por outro lado não se pode julgar, em um mundo neoliberal, o que cada indivíduo faz com o seu dinheiro, principalmente quando o assunto é doação a tragédias.

O viralatismo é sentir-se vítima e, ao mesmo tempo, faz o sofredor querer ser quem ele considera superior. Discutir o motivo de Lily Safra ter doado para um e não para outro já demonstra que o brasileiro vive em um estado de vitimismo, de se enxergar inferior a outros países. Interesses para a doação são muitos, principalmente, econômicos.

Mas isso não vem ao caso, agora. Nesta discussão, quem reclama sofre por se sentir inferior e, quem defende, argumenta atacando a burocracia brasileira de doação, argumento esse um tanto exagerado.

No Brasil, ninguém está fora da síndrome do vira-lata: todos nós brasileiros temos esta tendência mal-educada. Mas não é somente pela escolha de Lily que vemos isso. A própria negligência pela qual o Museu Nacional foi tratado durante anos, com pouca verba, incentivo e desvios irregulares, também são reflexos do brasileiro que tem esse “ar” de malandro.

Não há nada mais malandro e vira-lata neste país do que os nossos corruptos. Não podemos esquecer ainda que, por se sentir inferior aos outros, a vítima ou o vira-lata tenta sempre arranjar um jeito de sobreviver, e normalmente é por algum tipo de manipulação; no caso do Brasil, a corrupção é generalizada.

E isso não é culpa de um ou outro partido, afinal a política brasileira não se renovou nas últimas eleições. Isso significa que o poder ainda está nas mãos dos mesmos indivíduos, só houve certo rearranjo. Sinto pena dos animais sem raça definida que foram comparados a esses indivíduos.

* Leonardo Torres é Palestrante, Professor e Doutorando em Comunicação e Cultura Midiática. 

Fonte: R&F Comunicação Corporativa



Habilidades socioemocionais podem ser aprendidas

Desde o início da infância, as pessoas aprendem um conjunto de comportamentos que são utilizados nas diferentes interações sociais.


Entenda porque amor é diferente de paixão

Você sabe diferenciar o amor da paixão?


A finalidade e controle das ONGs

O mais adequado não é combatê-las, mas manter sob controle as suas ações como forma de evitar desvio de finalidade, corrupção e outras distorções.


A reforma da máquina pública

A aprovação da reforma da Previdência, pela Câmara dos Deputados, é um avanço do governo.


Os desafios da maternidade e do mercado de trabalho

Ter filhos não é fator de impedimento para uma mulher trabalhar.


Todos querem ser ricos…

Mais vale pobreza, com paz e consciência limpa, que riqueza, sem sossego, alma escurecida, e pesados de remorsos.


A importância de empoderar nossas meninas

Fatores culturais de valorização do masculino, enraizados desde sempre na nossa sociedade, afetam a autoestima e a confiança feminina.


Advogados e Cursos jurídicos

Onze de Agosto é o Dia da Fundação dos Cursos de Direito e é também o Dia do Advogado.


Empresas e paternidade: uma mudança a ser nutrida

Daqui a cinco ou dez anos, nem você nem ninguém se lembrará com precisão da tarefa que está fazendo no trabalho neste minuto.


Ética de advogados e juízes

A advocacia e a magistratura têm códigos de ética diferentes.


Quem se beneficia da coisa pública é corrupto

Coisa pública não pode ser confundida com coisa privada.


Pai é quem ama e cuida

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, pai não é somente quem nos gerou.