Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Complexo Vira-lata e Notre Dame

Complexo Vira-lata e Notre Dame

03/05/2019 Leonardo Torres

No Brasil, ninguém está fora da síndrome do vira-lata: todos nós brasileiros temos esta tendência mal-educada.

O complexo de vira-lata de Nelson Rodrigues parece ser evidente quando comparamos a ajuda monetária que Notre Dame recebeu dos brasileiros e a ajuda que o Museu Nacional recebeu destes mesmos.

É verdade, mas por outro lado não se pode julgar, em um mundo neoliberal, o que cada indivíduo faz com o seu dinheiro, principalmente quando o assunto é doação a tragédias.

O viralatismo é sentir-se vítima e, ao mesmo tempo, faz o sofredor querer ser quem ele considera superior. Discutir o motivo de Lily Safra ter doado para um e não para outro já demonstra que o brasileiro vive em um estado de vitimismo, de se enxergar inferior a outros países. Interesses para a doação são muitos, principalmente, econômicos.

Mas isso não vem ao caso, agora. Nesta discussão, quem reclama sofre por se sentir inferior e, quem defende, argumenta atacando a burocracia brasileira de doação, argumento esse um tanto exagerado.

No Brasil, ninguém está fora da síndrome do vira-lata: todos nós brasileiros temos esta tendência mal-educada. Mas não é somente pela escolha de Lily que vemos isso. A própria negligência pela qual o Museu Nacional foi tratado durante anos, com pouca verba, incentivo e desvios irregulares, também são reflexos do brasileiro que tem esse “ar” de malandro.

Não há nada mais malandro e vira-lata neste país do que os nossos corruptos. Não podemos esquecer ainda que, por se sentir inferior aos outros, a vítima ou o vira-lata tenta sempre arranjar um jeito de sobreviver, e normalmente é por algum tipo de manipulação; no caso do Brasil, a corrupção é generalizada.

E isso não é culpa de um ou outro partido, afinal a política brasileira não se renovou nas últimas eleições. Isso significa que o poder ainda está nas mãos dos mesmos indivíduos, só houve certo rearranjo. Sinto pena dos animais sem raça definida que foram comparados a esses indivíduos.

* Leonardo Torres é Palestrante, Professor e Doutorando em Comunicação e Cultura Midiática. 

Fonte: R&F Comunicação Corporativa



O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.