Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Construção sustentável: a resposta está na métrica

Construção sustentável: a resposta está na métrica

07/05/2018 Klecios Souza

As expectativas em torno da retomada da construção civil para 2018 são grandes.

E com tantos olhos voltados para o setor, o momento é ideal para envolver uma outra temática nesse assunto: a construção sustentável. Mas, antes de seguirmos, vale lembrar que o Brasil é um dos países signatários do acordo de Paris da UNFCCC (Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima), que prevê a redução de gases de efeito estufa, de modo a evitar o aumento da temperatura global.

Com isso, o país tem o compromisso de, até 2025, reduzir 37% das emissões de CO2, chegando a 43% até 2030. Voltando à construção civil, você pode estar se perguntando: “Mas qual a relação das edificações com as alterações do clima?”

A resposta está em um relatório da ONU Meio Ambiente, divulgado em dezembro do ano passado. O estudo revela que o setor da construção é responsável por 39% das emissões de gás carbônico em todo o mundo.

E isso não ocorre pelo ato de construir em si, mas, sim, pelos altos níveis de energia elétrica que a atividade requer, durante e depois do processo. Em contrapartida, segundo o Green Building Council Brasil, uma edificação sustentável de médio porte poderá reduzir em 40% o uso de água e em 35% a emissão de CO2.

E de que maneira isso pode ser feito? Medindo! E é aí que entra a IoT (Internet das Coisas). Muitas das construções atuais não fazem uso de métricas de controle, acesso ou eficiência energética. Nesse sentido, a IoT e a construção sustentável estão completamente interligadas.

Realizar o gerenciamento e a inteligência de um edifício só é possível a partir do momento em que se conecta. Quem não está conectado não gerencia, não lê e não puxa as variáveis. Dando um exemplo bem simples: pense em um shopping com várias lojas, todas de tamanhos e custos diferentes.

Se uma medição separada para cada uma não for realizada, não é possível gerenciar o gasto de energia do edifício. Então, aqui, o que a IoT faz? Ela conecta o device de cada loja e permite gerar relatórios e fazer divisões tanto de consumo quanto de custo.

Além disso, com a medição, também é possível verificar de onde provém o consumo. Às vezes, pode ser um problema de eficiência com ar-condicionado, tipo de lâmpada, entre outros. Então, para tornar uma construção sustentável, a primeira coisa a ser feita é medir. Se você não mede, você não consegue fazer a análise.

Com a métrica, obtém-se um saving independentemente do prédio. É nesse sentido que Schneider Electric desenvolveu sua plataforma EcoStruxure - aberta e interoperável, pronta para a IoT.

Com esse tipo de solução, é possível não só economizar energia, mas também fundos. É uma questão que vai além do ganho ecológico – reflete no bolso. Afinal, ao reduzir o consumo, reduz-se o gasto, que, por sua vez, pode ser investido em outras ações.

Mas enquanto no Brasil o número de empreendimentos sustentáveis ainda está em torno de 1%, fica a esperança de que haja cada vez mais espaço para o verde na construção civil e de que, juntos, possamos contribuir para ajudar o país a cumprir seu compromisso com o acordo de Paris.

* Klecios Souza é vice-presidente de Building na Schneider Electric.

Fonte: Comunique-se



Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan