Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Cooperação internacional em tempos de pandemia sanitária

Cooperação internacional em tempos de pandemia sanitária

23/02/2022 Bady Curi Neto e Cláudia Leite Leonel

A realidade contemporânea demonstra um momento ímpar, na medida em que os valores que o permearam se encontram sob mutação, diante da crise sanitária que a sociedade mundial vive.

As referências jurídicas, políticas, econômicas e sociais transformam-se com tanta rapidez e profundidade, que os valores, outrora vigentes, não se reproduzem para as situações vindouras.

Tais transformações são bem visíveis no plano das relações internacionais quando analisamos o quadro pandêmico mundial causado pelo coronavírus e o sistema de proteção dos direitos humanos.

Verifica-se a projeção de uma vertente de cooperação vocacionada a proteger direitos fundamentais e a limitar o poder estatal mediante a criação de um aparato internacional de proteção de direitos, em razão do quadro sanitário caótico causado pela Covid-19, por meio da cooperação internacional.

Em um contexto de crise e defasagem estrutural no plano internacional, começam a surgir orientações advindas da cooperação entre os Estados com repercussões na revisão dos tradicionais princípios presentes na seara externa.

No plano do Direito Internacional, a cultura global da cooperação ganhou força com a criação, em 1945, da Organização das Nações Unidas que, em seu tratado constitutivo, colocou como um de seus princípios conseguir uma cooperação internacional para resolver os problemas internacionais de caráter econômico, social, cultural ou humanitário.

Constata-se que o multilateralismo é fundamental para a proteção central às medidas sanitárias de combate à Covid-19 na ordem jurídica internacional, uma vez que a cooperação internacional facilita a construção de um processo de solidariedade global.

Sob a ótica tradicional, a soberania estatal resguarda o poder de aplicar sua lei àqueles que se encontrem sob sua jurisdição.

Não obstante, existem casos em que o bem da vida a ser tutelado ultrapassa as fronteiras estatais, ficando evidente a necessidade de haver cooperação entre os entes soberanos a fim de resguardar um interesse público maior, no caso ora em comento: a saúde da população mundial.

Observa-se que o Estado moderno está, em sua formulação clássica de soberania absoluta, ultrapassado e em situação precária, devendo ceder espaço a um Estado diferente, consagrando, no futuro, necessariamente a democracia no campo das relações internas e internacionais.

Essa concepção inovadora aponta para duas importantes consequências. A primeira é a revisão da ideia tradicional de soberania absoluta do Estado, que passa a ser objeto de relativização, na medida em que são admitidas intervenções, por meio de normas internacionais, no plano interno, notadamente quando falamos de proteção dos direitos humanos.

Isto é, transita-se de uma concepção hobbesiana de soberania, centrada no Estado, para uma concepção Kantiana de soberania, centrada na cidadania universal.

A segunda trata-se da cristalização da ideia de que o indivíduo deve ter os direitos protegidos na esfera internacional, na condição de sujeito de direitos, transformando assim o direito das gentes em direito das gentes e dos indivíduos.

Há que se ressaltar que o princípio do dever de cooperação internacional está efetivamente relacionado ao da bona fides (boa-fé), que encontram apoio expresso na jurisprudência internacional e que constituem, conjuntamente, os pilares do próprio sistema jurídico internacional.

A cooperação internacional, efetivada por meio de um corpo normativo – tratados, convenções, acordos – é fundamental à proteção global dos impactos da pandemia da Covid-19, uma vez que permite o desenvolvimento de estruturas e ações necessárias à adoção e aplicação de políticas globais.

A degradação da saúde humana estabelece que a cooperação internacional assuma um valor político, social e ético da proteção humanitária, especificamente com relação à gestão estratégica das conquistas científicas na superação dos riscos por meio de monitoramento doméstico e global pelos Estados.

Há também que se mencionar que, em 30 de janeiro de 2020, a Organização Mundial de Saúde declarou que o surto do novo coronavírus constitui uma Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional, o mais alto nível de alerta da Organização, conforme previsto no Regulamento Internacional.

Essa decisão busca aprimorar ainda mais a coordenação, cooperação e a solidariedade global a fim de interromper a propagação do vírus.

Enfim, a cooperação internacional no combate à pandemia ensina ao mundo a necessidade de abandonar os discursos de ódio, o fundamento religioso, o desprezo pelos conhecimentos, avanços e pesquisas, além de apontar para a necessidade de investimentos em políticas públicas sanitárias, ciência e tecnologia.

O desafio que a situação atual coloca à sociedade mundial e às autoridades públicas globais é da mais elevada gravidade e a cooperação internacional lança luzes sobre a solução dos obstáculos impostos pela cruel realidade.

Neste momento de crise, a batalha crucial está sendo travada dentro da própria humanidade. Se a pandemia criar mais desunião e desconfiança entre os seres humanos, o vírus terá obtido sua maior vitória.

Lado outro, se a pandemia produzir uma maior cooperação mundial, essa será a vitória, não só contra o coronavírus, mas contra todos os futuros agentes patogênicos.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

* Cláudia Leite Leonel é Mestre em Direito Internacional, de Integração e Comunitário, coordenadora do curso de Direito e professora da Faculdade de Sabará.

Para mais informações sobre cooperação internacional clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.