Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Cooperação internacional em tempos de pandemia sanitária

Cooperação internacional em tempos de pandemia sanitária

23/02/2022 Bady Curi Neto e Cláudia Leite Leonel

A realidade contemporânea demonstra um momento ímpar, na medida em que os valores que o permearam se encontram sob mutação, diante da crise sanitária que a sociedade mundial vive.

As referências jurídicas, políticas, econômicas e sociais transformam-se com tanta rapidez e profundidade, que os valores, outrora vigentes, não se reproduzem para as situações vindouras.

Tais transformações são bem visíveis no plano das relações internacionais quando analisamos o quadro pandêmico mundial causado pelo coronavírus e o sistema de proteção dos direitos humanos.

Verifica-se a projeção de uma vertente de cooperação vocacionada a proteger direitos fundamentais e a limitar o poder estatal mediante a criação de um aparato internacional de proteção de direitos, em razão do quadro sanitário caótico causado pela Covid-19, por meio da cooperação internacional.

Em um contexto de crise e defasagem estrutural no plano internacional, começam a surgir orientações advindas da cooperação entre os Estados com repercussões na revisão dos tradicionais princípios presentes na seara externa.

No plano do Direito Internacional, a cultura global da cooperação ganhou força com a criação, em 1945, da Organização das Nações Unidas que, em seu tratado constitutivo, colocou como um de seus princípios conseguir uma cooperação internacional para resolver os problemas internacionais de caráter econômico, social, cultural ou humanitário.

Constata-se que o multilateralismo é fundamental para a proteção central às medidas sanitárias de combate à Covid-19 na ordem jurídica internacional, uma vez que a cooperação internacional facilita a construção de um processo de solidariedade global.

Sob a ótica tradicional, a soberania estatal resguarda o poder de aplicar sua lei àqueles que se encontrem sob sua jurisdição.

Não obstante, existem casos em que o bem da vida a ser tutelado ultrapassa as fronteiras estatais, ficando evidente a necessidade de haver cooperação entre os entes soberanos a fim de resguardar um interesse público maior, no caso ora em comento: a saúde da população mundial.

Observa-se que o Estado moderno está, em sua formulação clássica de soberania absoluta, ultrapassado e em situação precária, devendo ceder espaço a um Estado diferente, consagrando, no futuro, necessariamente a democracia no campo das relações internas e internacionais.

Essa concepção inovadora aponta para duas importantes consequências. A primeira é a revisão da ideia tradicional de soberania absoluta do Estado, que passa a ser objeto de relativização, na medida em que são admitidas intervenções, por meio de normas internacionais, no plano interno, notadamente quando falamos de proteção dos direitos humanos.

Isto é, transita-se de uma concepção hobbesiana de soberania, centrada no Estado, para uma concepção Kantiana de soberania, centrada na cidadania universal.

A segunda trata-se da cristalização da ideia de que o indivíduo deve ter os direitos protegidos na esfera internacional, na condição de sujeito de direitos, transformando assim o direito das gentes em direito das gentes e dos indivíduos.

Há que se ressaltar que o princípio do dever de cooperação internacional está efetivamente relacionado ao da bona fides (boa-fé), que encontram apoio expresso na jurisprudência internacional e que constituem, conjuntamente, os pilares do próprio sistema jurídico internacional.

A cooperação internacional, efetivada por meio de um corpo normativo – tratados, convenções, acordos – é fundamental à proteção global dos impactos da pandemia da Covid-19, uma vez que permite o desenvolvimento de estruturas e ações necessárias à adoção e aplicação de políticas globais.

A degradação da saúde humana estabelece que a cooperação internacional assuma um valor político, social e ético da proteção humanitária, especificamente com relação à gestão estratégica das conquistas científicas na superação dos riscos por meio de monitoramento doméstico e global pelos Estados.

Há também que se mencionar que, em 30 de janeiro de 2020, a Organização Mundial de Saúde declarou que o surto do novo coronavírus constitui uma Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional, o mais alto nível de alerta da Organização, conforme previsto no Regulamento Internacional.

Essa decisão busca aprimorar ainda mais a coordenação, cooperação e a solidariedade global a fim de interromper a propagação do vírus.

Enfim, a cooperação internacional no combate à pandemia ensina ao mundo a necessidade de abandonar os discursos de ódio, o fundamento religioso, o desprezo pelos conhecimentos, avanços e pesquisas, além de apontar para a necessidade de investimentos em políticas públicas sanitárias, ciência e tecnologia.

O desafio que a situação atual coloca à sociedade mundial e às autoridades públicas globais é da mais elevada gravidade e a cooperação internacional lança luzes sobre a solução dos obstáculos impostos pela cruel realidade.

Neste momento de crise, a batalha crucial está sendo travada dentro da própria humanidade. Se a pandemia criar mais desunião e desconfiança entre os seres humanos, o vírus terá obtido sua maior vitória.

Lado outro, se a pandemia produzir uma maior cooperação mundial, essa será a vitória, não só contra o coronavírus, mas contra todos os futuros agentes patogênicos.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

* Cláudia Leite Leonel é Mestre em Direito Internacional, de Integração e Comunitário, coordenadora do curso de Direito e professora da Faculdade de Sabará.

Para mais informações sobre cooperação internacional clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan