Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Cooperativismo financeiro: alternativa para o desenvolvimento

Cooperativismo financeiro: alternativa para o desenvolvimento

18/08/2015 Leo Trombka

Nos últimos anos, mais especificamente desde 2009, com a crise econômica mundial, o cooperativismo financeiro tem experimentado um crescimento acentuado.

O aumento contínuo no número de associados, nos pontos de atendimento, nos depósitos, nos empréstimos, na prestação de serviços e na estrutura patrimonial mostra que cada vez mais as pessoas estão escolhendo uma empresa cooperativa como apoio à sua vida financeira.

Como resultado, vemos que nos últimos cinco anos este setor quase triplicou de tamanho, enquanto o sistema financeiro tradicional cresceu pouco mais de duas vezes no país.

Fruto do cenário econômico adverso que nosso país vive atualmente, a concorrência do sistema financeiro tradicional vive uma realidade de retração no crédito gerando, por isto mesmo, uma expressiva oportunidade para o setor financeiro cooperativo.

É importante ressaltar que no modelo financeiro cooperativo, não se visa ao lucro e todos os cooperados são donos. Assim, apresenta uma liquidez o que o torna mais resistente às crises do que os outros modelos de empresas.

Em períodos recentes, de semelhantes adversidades no âmbito econômico, as cooperativas financeiras conseguiram dar um salto significativo em sua expansão, demarcando assim, um dos seus principais diferenciais. Se estabelecermos termos comparativos entre o sistema financeiro tradicional e o cooperativo de crédito constataremos que, de 2008 a 2014, o crescimento médio anual da cooperativa foi significativamente maior.

Crescemos 23% em Ativos, 22% em operações de crédito e 26% em Depósitos totais, contra 11%, 11% e 3% respectivamente. Já se considerarmos apenas 2014, o conjunto das 1.139 cooperativas financeiras (com suas respectivas Centrais, Confederações e bancos) cresceu 22% em Ativos, atingindo 202 bilhões de reais, acima da média do Sistema Financeiro Nacional que foi de 14% no ano passado.

Isso é muito próximo do crescimento de 20% nos Depósitos e dos 18,5% observados nas operações de crédito, onde as carteiras atingiram R$ 97 bilhões e R$ 89 bilhões respectivamente. Já no consolidado do Sistema Financeiro Nacional, o crescimento foi de 4,7% no volume de depósitos e de 12,5% nas operações de crédito.

Ainda temos uma participação pequena no Marketing Share das instituições financeiras brasileiras, de 2,70% no que se refere a Ativos Totais, 4,90% nos Depósitos e 2,90% nas Operações de Crédito, certamente por sermos um país de cultura capitalista. No entanto, se analisarmos esta participação nos últimos anos veremos que ela vem num crescendo.

Assim os depósitos passaram de 1,9% em 2008 para 4,9% em 2014 em participação no SFN e as operações de crédito de 2,42% para 2,90% com uma evolução de 334%. E aí cabe uma reflexão: o aumento dos depósitos mostra que, uma vez conhecendo o sistema cooperativo, o usuário adquire confiança e demonstra isso depositando nele a sua poupança.

Por outro lado, gradativamente vem tomando ciência das vantagens de tomar empréstimo em sua cooperativa pelas vantagens competitivas que ela oferece. Os dados expostos, portanto, mostram que o crédito cooperativo constitui uma excelente alternativa que age como mola propulsora do desenvolvimento econômico, tanto no presente quanto no futuro, um futuro que prioriza a pessoa antes do capital - e essa é a essência do Cooperativismo.

* Leo Trombka é Presidente do Conselho de Administração da Unicred do Brasil.



O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques


Violência urbana no Brasil, uma guerra desprezada

Reportagem recente do jornal O Estado de S. Paulo, publicada no dia 3 de março, revela que existem pelo menos 72 facções criminosas nas prisões brasileiras.

Autor: Samuel Hanan


Mundo de mentiras

O ser humano se afastou daquilo que devia ser e criou um mundo de mentiras. Em geral o viver passou a ser artificial.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Um País em busca de equilíbrio e paz

O ambiente político-institucional brasileiro não poderia passar por um tempo mais complicado do que o atual.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nem Nem: retratos do Brasil

Um recente relatório da OCDE coloca o Brasil em segundo lugar entre os países com maior número de jovens que não trabalham e nem estudam.

Autor: Daniel Medeiros