Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Correios, se não tiver interessados, fechar…

Correios, se não tiver interessados, fechar…

10/01/2020 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Privatização é a palavra cabalística do meio político-administrativo.

Nos anos 90, ao privatizar as teles, o governo de Fernando Henrique Cardoso deu um grande passo rumo à modernização das comunicações.

Mas quebrou a cara ao entregar as ferrovias a empresas que não conseguiram evoluir e nem mesmo preservar o que receberam. Já as rodovias, apesar das queixas dos altos preços dos pedágios, são hoje melhores do que naquela época.

Os Correios já haviam passado pelas tentativas de racionalização de Fernando Collor de Mello, que deram errado, e nos mandatos dos petistas Lula e Dilma tornaram-se moeda de troca política, mesmo sendo monopólio, se desestruturaram e geraram elevados prejuízos para, ao lado de outros problemas, se tornarem casos de polícia.

O presidente Bolsonaro disse que privatizaria os Correios, mas tem dificuldades para aprovar a medida no Congresso e, ainda, não quer prejudicar o funcionalismo da empresa.

Já o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ) defende sua manutenção como empresa pública e a flexibilização do monopólio para permitir que outras empresas possam realizar o seu serviço.

Difícil, no entanto, admitir essa possibilidade pois, se a empresa não se sustentou como monopólio, não o fará dividindo o mercado com concorrentes.

Os Correios, atualmente, não prestam um bom serviço. Se deixarem de existir, a sociedade não sentirá sua falta porque existem empresas – que entregam encomendas, comércio eletrônico, jornais e até os atuais terceirizados do próprio Correio – em condições de assumir com vantagens a sua tarefa.

Bastará uma lei revogando o monopólio. Se não encontrar interessados em adquiri-los, o governo que os feche, para cessar os prejuízos.

Quanto aos funcionários, se houver interesse em aproveitá-los, poderão ser levados a outros órgãos estatais, desde que se faça uma lei para tanto.

Existe, absurdamente, dinheiro do governo em 637 empresas estatais e privadas. Além das estatais e mistas conhecidas, o erário tem ações e participação em fábricas de cimento, palha de aço, máquinas de pagamento, equipamentos odontológicos, alimentos, remédios, hotéis, empresas de telefonia e outros.

Há até um banco na Venezuela, que quebrou. É preciso buscar a liquidez desses recursos e devolvê-los ao erário para, finalmente, empregá-los em serviços à população, única destinação plausível ao dinheiro público.

Além do Correio, todas as empresas estatais que não se sustentam têm de ser passadas à iniciativa privada. É preciso acabar com o empreguismo e os privilégios que só o poder público concede porque suas empresas são imunes à falência, já que o Tesouro cobre seus rombos.

No atual estágio da economia e da vida nacional, o Estado deve ficar exclusivamente com o licenciamento e a fiscalização dos serviços concedidos.

Só executar os serviços de Educação, Saúde e Segurança Pública, que a Constituição define como obrigações do poder público.

É preciso eliminar o paternalismo e todos os velhos hábitos e vícios que nos levaram à quebradeira. O país precisa estar em consonância com as regras e procedimentos que movimentam o mundo moderno. Sem isso, não iremos a lugar algum…

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Fonte: Dirceu Cardoso Gonçalves



Vencido o primeiro desafio da LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) regulamenta o tratamento de dados de pessoas físicas nas suas mais variadas aplicações e ambientes.


Telemedicina, fortalecimento do SUS e um primeiro balanço da pandemia

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, alertou Camões. Todo o mundo é feito de mudanças.


Médico: uma profissão de risco

Estudar medicina é o sonho de muito estudantes, desde o cursinho o futuro médico se dedica a estudar para conseguir entrar no super concorrido curso de medicina.


Como a quarentena provocou o êxodo urbano para cidades que oferecem mais qualidade de vida

A pandemia e as medidas de isolamento social fizeram com que as pessoas precisassem adaptar a rotina de trabalho, estudos, lazer e até de saúde, trazendo estas atividades para dentro de casa.


A era do fogo chegou

Pantanal, um dos biomas com maior biodiversidade do mundo, já teve 16% de todo território queimando.


Autoconhecimento: uma regra de ouro da vida

Há quem os critique, há quem os ame; eles já me resgataram do fundo poço e lhes sou grata: os livros de autoajuda.


Você tem curso universitário?

Naquela macia manhã de domingo, fui com meu pai, à missa, na igreja de Santíssima Trindade.


Voto é interesse. Não é direito, nem dever…

A partir desta quarta-feira (16), os mais de 5600 municípios brasileiros já conhecem os homens e mulheres que pretendem governá-los ou ser vereadores entre 01/01/2021 e 31/12/2025.


7 tendências em Analytics que estão mudando a área financeira

Segundo a consultoria McKinsey, mais de 90% dos 50 principais bancos do mundo utilizam, de forma avançada, a tecnologia de análise de dados, também conhecida como Analytics.


Para matar a sede por informação, Estatística!

É quase um clichê em Administração afirmar que a gestão e a tomada de decisão devem ter suporte em dados e informações.


Surgem os candidatos. Escolham o melhor…

Termina na quarta-feira, dia 16, o prazo para as coligações e partidos políticos escolherem, em convenção, seus candidatos a prefeito e vereador, para as eleições que este ano, por conta da Covid 19, foram adiadas de outubro para novembro.


Pela manutenção do teto de gastos

Limitar as despesas públicas para evitar que o Governo gaste mais do que tenha capacidade de arrecadar e de pagar.