Portal O Debate
Grupo WhatsApp

CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

21/10/2021 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.

A CPI da Covid – instalada por voluntarismo de um ministro do Supremo Tribunal Federal e capitulação do Senado quanto às suas prerrogativas de poder constituído – teve vazado o relatório que, em sua versão original, incriminaria o presidente da República, filhos e equipe do governo.

O fato provocou o adiamento da leitura da peça, supostamente para correções e/ou alterações. Queiram ou não os seus integrantes, é um desgaste para o grupo que, mais do que nunca, precisa de credibilidade para ter aceitas as suas conclusões.

Além da criação transversa e composição de maioria oposicionista, durante o seu funcionamento, a CPI foi acusada de funcionar como palanque pré-eleitoral de 2022 para a eleição de presidente da República e a reeleição de senadores e de governadores que, convenientemente, não foram investigados apesar das denúncias de desvio dos recursos federais remetidos para o combate à pandemia.

Insensíveis a milhares de brasileiros morrendo asfixiados em UTIs sucateadas e nas portas dos hospitais sem vagas, preferiram, por razões que devem ser apuradas, não investigar o que foi feito com o dinheiro nos Estados e municípios e nem conhecer a corrupção largamente denunciada na compra de respiradores em lojas de vinhos e outros estabelecimentos impróprios, muitos deles pagos e não entregues.

Preferiram manter o foco em “pegar” o presidente da República. Agora, como só tentaram enredar o governo federal e não atuaram sobre o objeto natural da apuração, e principalmente para salvar vidas, os nobres senadores não sabem como concluir os trabalhos.

O Senado jamais deveria ter instalado uma CPI sob o tacão do Judiciário. Se seus requerentes não reuniam os votos necessários para aprová-la, paciência.

Mas já que houve a capitulação e o órgão investigador funcionou da forma que toda a Nação pode acompanhar e observar, é importante que as conclusões sejam firmes e incontestáveis.

Jamais deixar a impressão de que o  seu relatório, em vez de fatos apurados, seja mero espelho da militância oposicionista dos membros e contemple suposições.

Se o presidente da República, ministros ou quaisquer outra autoridade cometeram infrações ou crimes, que paguem por isso, mas sob fatos concretos.

Por mais repetitivo que isso possa parecer, ali também deveriam estar pelo menos as citações de governadores e prefeitos que desviaram criminosamente os recursos federais da Covid para com eles pagar precatórios, folha de salários do funcionalismo e outras despesas de responsabilidade do orçamento corrente de seus governos.

Só isso, que potencializou a pandemia e fez o povo sofrer, justificaria a montagem de uma CPI específica para sua apuração.

Bem ou mal, a pandemia caminha para o final. Parece, no entanto, que a CPI faz de tudo para mantê-la viva (mesmo que inativa) por mais alguns meses, o que seria inaceitável.

Assembléias Legislativas Estaduais e Câmaras Municipais também apuram sobre o que fizeram governadores e prefeitos com os recursos da pandemia.

No Rio de Janeiro, o governador Wilson Witzel até já foi cassado e outros poderão ter o mesmo destino se as apurações forem a fundo. Essa é uma esperança.

Os parlamentares (senadores e também deputados) precisam voltar a decidir suas pendências através do voto – como manda a essência legislativa – e deixar de concordar e compactuar com o engavetamento de proposituras (como os pedidos de impeachment) que, em vez de produzir efeitos viram moedas de troca.

Isso abre a oportunidade de judicialização que, a nosso ver, é inconstitucional e destruidora dos fundamentos do Estado Democrático de Direito.

Precisamos de seriedade. Todos os fatos concretamente apurados e provados pelas  CPIs e outros instrumentos têm de produzir consequências. Mas o ativismo político e as suposições devem ficar fora disso.

Para a Nação, pouco importa se o errante é de direita, de esquerda ou de centro e o cargo que ocupa. Todos eles têm direito a apurações isentas e confiáveis, jamais operadas por reconhecidos algozes como parece ser o caso da CPI da Covid em relação ao presidente da República…

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre CPI da Covid clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.


O poder da gentileza

O mês de novembro traz uma comemoração muito especial e essencial para estes tempos pandêmicos e de tanta polarização política: o Dia da Gentileza.


Branco no preto

As pessoas pretas no Brasil vivem pior do que as pessoas brancas, independentemente de qualquer situação.


Politicamente Correto, Liberdade de Expressão e Dignidade Humana

Estamos vivenciando, há tempos, a dicotomia de opiniões, a divisão clássica na qual a forma de expressar, de pensar, contém apenas lados antagônicos, separados que não podem convergir ou, ao menos, serem respeitados.


Prévia tucana, um tiro no escuro

Diferente das eleições primárias norte-americanas, onde os partidos Democrata e Republicano escolhem seus candidatos e definem a plataforma eleitoral, a prévia que o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) realizará neste domingo (21/11) está cercada de interrogações.


A imagem do Senhor Jesus de Santa Marinha de Vila Nova de Gaia

Nesta época pandémica, que parece não deixar de nos dizimar – dizem: por causa de novas variantes e à facilidade de movimentação, – é oportuno recordar como o povo de Deus se libertou de funestas calamidades, recorrendo à oração e à penitência.


Algoritmos e automação: a combinação certa para potencializar a vida na era digital

Há quinze anos, quem poderia imaginar que seria possível trabalhar, fazer compras, ter planos personalizados para treinos da academia e conseguir organizar investimentos em bolsas globais sem sair de casa?


Transformação digital: os desafios de um novo modelo

Com a chegada da Quarta Revolução Industrial, organizações dos mais diferentes portes e setores estão encarando obstáculos de toda ordem para lidar com as novas demandas do consumidor.