Portal O Debate
Grupo WhatsApp


CPI do Planaltinho

CPI do Planaltinho

26/11/2012 Helder Caldeira

Escândalos de corrupção não faltam ao Brasil.

O julgamento do Mensalão no Supremo Tribunal Federal ainda não findou seus trabalhos e antes mesmo da embaraçosa conclusão da CPMI do Cachoeira no Congresso Nacional, os deputados e senadores brasileiros já estão diante de um prato cheio para uma nova Comissão Parlamentar de Inquérito, desta vez para apurar o portentoso caso de corrupção nas principais agências reguladoras do país e na chefia de gabinete da Presidência da República.

Será a CPI do Planaltinho. No último final de semana, a operação “Porto Seguro” da Polícia Federal desbaratou aquele que, apenas pelas informações primárias do relatório, já pode ser considerado o maior escândalo de corrupção da história das agências reguladoras, órgãos francamente conhecidos pela ineficiência e por ser berço farto de cargos e altíssimos salários para apaniguados políticos de todas as searas.

O momento mais emblemático da operação da Polícia Federal foi a divulgação do envolvimento da chefe de gabinete da presidente Dilma Rousseff no escritório da Presidência em São Paulo. Conforme amplamente divulgado pela imprensa, Rosemary Nóvoa Noronha, indiciada na operação por corrupção e tráfico de influência, foi assessora direta do ex-ministro José Dirceu por 12 anos, até ser nomeada ao cargo, em 2005, pelo ex-presidente Lula da Silva, passando a ocupar a chefia do Planaltinho, como é conhecido o escritório da Presidência da República em São Paulo, situado na monumental sede do Banco do Brasil na Avenida Paulista.

Atendendo pedido de Lula, Dilma manteve Rosemary na função de chefe de gabinete. A quadrilha possui células em diversos órgãos federais e agências reguladoras, especializada em fornecer documentos falsos e pareceres técnicos fraudulentos, tendo como principais “clientes” empresas que participam de licitações milionárias com o governo federal e os governos estaduais.

Foram presos e indiciados funcionários graduados do Tribunal de Contas da União (TCU) e o número dois da Advocacia-Geral da União (AGU), além da chefe de gabinete da Presidência e duas figuras indicadas por ela para cargos estratégicos: Paulo Vieira, diretor da Agência Nacional de Águas (ANA); e seu irmão Rubens Vieira, diretor da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).

A presidente Dilma Rousseff convocou uma reunião de emergência no Palácio da Alvorada, no final de semana. Para tentar amenizar a força do escândalo, mandou exonerar todos os funcionários federais envolvidos e afastar os diretores de agências reguladoras que figuram na operação “Porto Seguro”.

Ordenou que o secretário geral da Presidência, ministro Gilberto Carvalho, ligasse para o ex-presidente Lula para comunica-lo sobre a exoneração de sua dileta apaniguada no gabinete paulista oficial. Como sempre, Lula da Silva “não sabia de nada” e, conforme informou o jornal O Globo, se limitou a dizer que se sentia “apunhalado pelas costas”.

Em suma, repetiu sua fala de 2005, quando o então deputado Roberto Jefferson delatou o Mensalão. Mas a chapa esquentou mesmo na manhã desta segunda-feira (26), com a divulgação do relatório da procuradora da República Suzana Fairbanks Schnitzlein sobre a operação “Porto Seguro”.

O documento afirma que “as interceptações telefônicas do diretor Paulo Vieira demonstram, de forma clara e inequívoca, que este permanece em constante movimento, no sentido de intermediar, junto aos representantes da administração pública, o patrocínio de interesses particulares de seus ‘amigos’ e ‘clientes’”.

O relatório, também divulgado com exclusividade pelo jornal O Globo, destacou que, em apenas um ano de investigação da Polícia Federal, o diretor da ANA foi flagrado em 1.179 ligações telefônicas com o deputado federal Valdemar Costa Neto (PR/SP), que aguarda a definição de pena no STF na condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no escândalo do Mensalão.

Conforme apurou O Globo, Paulo Vieira também utilizou os “serviços tráfico de influência” de Rosemary Noronha para articular uma audiência com o ex-senador baiano, César Borges, também do Partido da República (PR) e atual vice-presidente do Banco do Brasil. Só pelo último “servicinho”, flagrado pelas interceptações da Polícia Federal, Rosemary teria cobrado R$ 650 mil.

Até quando o Brasil vai aceitar, pacificamente, conviver com essas gangues de profanadores da República (como bem classificou o ministro Celso de Melo, em um de seus votos no STF sobre os mensaleiros)? Quando o povo brasileiro vai acordar dessa pasmaceira hibernal? Dia após dia, o país é sacudido por gravíssimas denúncias de corrupção nas estruturas da administração pública e nada acontece. Tanto é verdade, que o julgamento do Mensalão ganhou destaque justamente pelo ineditismo.

Pagamos uma das maiores cargas tributárias do planeta para sustentar esses vagabundos que nos saqueiam à “mão-grande”, sem qualquer rubor que denote alguma vergonha na cara. Agora, vem aí mais uma CPI: a do Planaltinho. Como todas as outras, é bem provável que não dê em nada, nem chegue a lugar algum. A bandidagem política no Brasil parece não ter fim. Infelizmente.

*Helder Caldeira é Escritor, Jornalista a Apresentador de TV.



George Floyd: o racismo não é invencível

Na cidade de Minneapolis nos Estados Unidos, no dia 25 de maio de 2020, assistimos mais um triste e vergonhoso capítulo da violência policial contra um homem negro.


Quem lê para os filhos compartilha afetos

Neste momento em que tantas crianças aqui e mundo afora estão isoladas em casa, longe de colegas, amigos e com uma nova rotina imposta, é muito importante que os pais leiam para elas.


SUS: o desafio de ser único

Começo pedindo licença ao economista Carlos Octávio Ocké-Reis, que é doutor em saúde coletiva, para usar o nome de seu livro como título deste artigo.


Poderes em conflito – Judiciário x Executivo

Os Poderes da união que deveriam ser independentes e harmônicos entre si, cada qual com suas funções e atribuições previstas na Constituição, nos últimos dias, não têm se mostrado tão harmônicos.


A Fita Branca

Em março de 1963, um ano antes do golpe que defenestrou o governo populista de João Goulart, houve um episódio que já anunciava, sem ranhuras, o que estava por vir.


Como ficarão as aulas?

O primeiro semestre do ano letivo de 2020 está comprometido, com as crianças, adolescentes e jovens em casa, nem todos entendendo bem o que está acontecendo, principalmente as crianças menores.


Dizer o que não se disse

A 3 de Janeiro de 1998, Fernando Gomes, então Presidente da Câmara Municipal do Porto, apresentou o livro de Carlos Magno: “O Poder Visto do Porto - e o Porto Visto do Poder”.


Pegando o ônibus errado

Certo dia, o cidadão embarca tranquilamente na sua costumeira condução e, quadras depois da partida, em direção ao destino, percebe que está dentro do ônibus errado.


Resiliência em tempos de distanciamento social

Em meio à experiência que o mundo todo está vivendo, ainda não é possível mensurar o impacto do distanciamento social em nossas vidas, dada a complexidade desse fenômeno e a incerteza do que nos aguarda.


Nasce a organização do século 21

Todos sabemos que a vida a partir de agora – pós-epidemia ou período de pandemia, até termos uma vacina – não será a mesma.


Luto e perdas na pandemia: o que estamos vivendo?

Temos presenciado uma batalha dolorosa em todo o mundo com o novo coronavírus (COVID-19).


Encare a realidade da forma correta

Em algum momento todos nós vamos precisar dessa mensagem.